Hollyn – One-Way conversations

Hollyn

Eu nunca fiz um review mais cuidadoso de um lançamento, mas quando vi que a Hollyn tinha lançado um novo álbum, me senti na obrigação de fazê-lo. Ela me surpreendeu muito no ano passado com a sua estreia, eu confio e admiro o trabalho da Gotee e sabia que esse lançamento seria muito bom.

Então quero apresentar uma pequena análise música a música e gostaria muito da opinião de vocês. Vamos lá:

“Can’t live without” é uma música mais dançante, que fala sobre como não podemos fazer nada sem Deus e Seu imenso amor. “Love with your life” segue um ritmo agitado e nos lembra que devemos amar ao próximo por inteiro, com toda a nossa vida, em cada oportunidade que tivermos.

“Sem seu amor, não faz sentido acordar”

Em “Obvious?” ela fala sobre como construímos paredes que impedem um relacionamento profundo, tudo isso num mais calma e introspectiva. “All My Love” é uma música romântica, curta e com a mesma pegada eletrônica que acaba permeando o trabalho dela num geral.

Na música “In Awe” ela reconhece quem é e a grandeza do amor de Deus, uma belíssima letra. Já, “Party in the hills” é a música que faz com que o álbum não seja melhor, um tiro no pé que a Gotee deu ao incluir uma música onde a Hollyn faz apenas uma participação e que já foi lançada em outro disco. Não merecia estar nesse álbum e a letra não é boa.

Para compensar o deslize da música anterior, ela apresenta “Lovely”, uma música atual, com uma letra que todos deveriam ouvir e cantar junto. Nesta música ela fala sobre a fragilidade da imagem perfeita que todos tentam passar hoje em dia versus o que Deus diz de nós. Na minha opinião a melhor letra do álbum.

Em “Go”, a parceria do dono da gravadora com ela faz toda a diferença e dá sentido à música. A letra fala sobre como ela deve e quer se afastar de um relacionamento que a prejudica e a afasta de Deus, enquanto Toby Mac faz algo como o papel de um pai protegendo sua filha. Fica ainda mais interessante quando você conhece um pouco sobre o relacionamento que os dois tem na vida real, que não deixa de ser algo como uma “paternidade”.

“Waiting For” é quase uma sequência da música anterior, ela fala sobre um relacionamento que chegou ao fim e como ela se iludiu com isso. Musicalmente é a melhor do álbum, me parece algo mais com a cara dela. É aquela música para as meninas ouvirem com um pote de sorvete na mão e curtindo uma fossa. Não é a coisa mais cristã do mundo, mas acontece quando a gente termina um relacionamento.

Na música “Girl” ela fala sobre os desafios da escolha que fez ao se tornar uma cantora em tempo integral, das dificuldades e das coisas boas. É uma música bem pessoal, interessante. O álbum termina com um remix de “Love with your life”.

Em resumo, o álbum é muito bom, com alguns pequenos deslizes. Na minha opinião ela tem mais potencial do que apresentou nesse lançamento.

Se você quiser, pode ouvir pelo Spotify ou pelo canal dela no youtube. E você, o que achou? Comente aí e vamos trocar uma ideia.

Paz.

Você conhece NF?

NF - Rapper cristão

[mks_dropcap style=”rounded” size=”52″ bg_color=”#dd3333″ txt_color=”#ffffff”]S[/mks_dropcap]e você vai começar a ouvir NF, não espere pelo rapper cristão que estamos acostumados a ver no Brasil, cantando letras sem sentido algum, atacando subliminarmente outros rappers ou fazendo letras para jogadores de futebol. Nada contra estes caras, de verdade. Só acho NF, Lecrae e tantos outros infinitamente melhores.

NF é um rapper cristão americano nascido em 1991. Suas experiências pessoais se transformaram em música e tem ajudado uma série de pessoas. Filho de pais divorciados, ele foi criado pelo pai e perdeu sua mãe algum tempo depois por conta de uma overdose.

Suas músicas lembram demais algumas gravações do Eminem, cheias de peso, profundidade e um ar de escuridão. Ele utiliza de algumas técnicas bem parecidas com as do Eminem, como gritos e um toque de raiva em cada música. Quando foge deste estilo, não vai tão bem.

Em suas canções ele fala sobre a realidade de uma vida cheia de desafios, decepções e momentos difíceis. Uma visão complicada para um cristão, mas que não pode ser ignorada.

Ele sabe que muitas pessoas não concordam com o teor de suas músicas, e a resposta vem no vídeo acima, da música Therapy Session:

Ouvindo estes pais, eles estão falando para seus filhos que minha música é violenta. Você deve estar brincando!

Acho que sua definição de violência é diferente da minha…

Em outros trecho da música ele fala sobre algumas pessoas que vem procurá-lo após o show:

Esta menina, no show, olhou em meu rosto e me disse que a vida dela é cheia de drama, que seu pai é abusivo, aparentemente ele gosta de bater na mãe dela.

Em suas músicas ele trata sobre este tipo de drama, mais profundo, mais denso, mais difícil de se colocar no microfone sem uma dose de angústia. Ele não está fazendo louvor, nem adoração. Está fazendo música.

Não estou aqui para julgar se ele está certo ou errado, mas sei que gosto da música dele, gosto do que ouço. Estas músicas me lembram do que Deus fez por mim, de quão bom ele foi e tem sido. Estas músicas me lembram que ainda existe muito para fazer pelas pessoas aí fora, que estão escondendo suas dores, mascarando suas angústias e fingindo viver uma vida plena.

Até hoje tem 3 álbuns lançados e um EP. Seu primeiro lançamento foi sob o nome de Nathan Feuerstein, seu nome real. Após isso, já pela Capitol Records, lançou o EP “NF”, o álbum “Mansion” em 2015 e “Therapy Session” em 2016.

Se quiser conhecer um pouco mais sobre o trabalho dele, veja alguns destes links:

  • Site oficial: o site dele não é dos mais legais, tem apenas uns vídeos, fotos, agenda de shows e loja;
  • Facebook: é um dos artistas que melhor conseguem utilizar a rede social, ele responde a quase todos os comentários;
  • Twitter: muitas coisas legais, não apenas informações sobre shows e álbuns;
  • Youtube: Muitos clipes e vídeos legais;
  • Spotify: todas as suas músicas para ouvir de graça.

E aí, conhecia o trabalho do NF? Gosta? Odeia? Comente abaixo e compartilhe!

Paz.

Você conhece Hollyn?

Hollyn

Pára o mundo.. Pode acabar já.

O senhor Toby Mac e sua gravadora Gotee Records são responsáveis por mais um fenômeno da música cristã. Com apenas 19 anos, isso mesmo que você leu, 19 anos, Hollyn chega quebrando tudo!

Com esse rostinho de princesa europeia, ela faz um rap que deixaria alguns brasileiros (sic) muito invejosos. Letras que são realmente boas, música perfeita e uma produção de tirar o fôlego.

Quando a senhorita Bárbara Cunha me mandou link da música “Alone”, que já contava com a participação do Tru, eu ouvi com curiosidade, mas sem grandes expectativas. Então, logo após veio “All I need is you”, música do sempre ridiculamente perfeito Lecrae. E assim, como um meteoro atingindo a terra, ela ganhou meu coração e meus ouvidos.

Nascida em Ohio, ela canta, compõe, toca violão e piano. Participou da décima segunda edição do programa American Idol e foi eliminada na etapa de Hollywood. Participou da música “Backseat Driver”, do cantor e produtor Toby Mac antes de lançar seu primeiro EP, no ano passado.

Se você quiser conhecer mais sobre ela, acesse um dos links abaixo:

  • Site oficial: Agenda de shows e lançamentos, mas é um site simples;
  • Facebook: Coisas sobre os eventos que ela participa;
  • Twitter: Aqui rola algo mais pessoal, como frases, gostos dela e mais;
  • Instagram: Fotinhas dos shows;
  • Youtube: Lyric Videos, covers e participações;
  • Spotify: Vai lá e ouve tudo de graça!

E aí gostou? Então comenta aí agradecendo à dona Bárbara Cunha!

Paz.

Você conhece Trip Lee?

Trip Lee é, na verdade, William Lee Barefield III, um texano que sempre sonhou em fazer rap. Com doze anos começou a tecer suas primeiras rimas e, na época, falava sobre mulheres, dinheiro e fama.

Aos quatorze se converteu a Cristo e resolveu mudar de vida. Passou a falar sobre o evangelho em suas músicas e, já com dezesseis anos, tornou-se conhecido no meio. Hoje está entre os maiores rappers dos EUA, ao lado de Lecrae, Andy Mineo e outros.

Com tanta fama, vieram muitas viagens, muitas músicas, muitas apresentações e muito pouco tempo livre. Em 2012, após lançar seu quarto álbum, resolveu dar um tempo em sua agenda de shows para estudar um pouco mais em sua igreja local e dedicar-se à vida de pastor.

Hoje ele tem 2 livros lançados, 5 álbuns gravados em sua carreira solo, dezenas de participações e projetos paralelos. É casado e tem dois filhos.

Música:

  • If They Only Knew (2006)
  • 20/20 (2008)
  • Between Two Worlds (2010)
  • The Good Life (2012)
  • Rise (2014)

Livros:

  • The Good Life (Moody Publishers, 2012)
  • Rise: Get Up and Live in God’s Great Story (Thomas Nelson, 2015)

Não encontrei os livros dele no Brasil, infelizmente. As músicas você pode ouvir no spotify.

A música do clipe acima é de seu último trabalho, o álbum Rise. Nela Trip Lee fala sobre como nós somos vitoriosos, mesmo em meio a tantas dificuldades e problemas que passamos nesta vida. É uma música muito boa, tanto a letra, quanto a produção.

O rapper tem contrato assinado com a Reach Records, especialista em rap cristão nos EUA. De lá saem os maiores nomes do meio. Vale muito a pena conhecer cada um de ser artistas.

Se você se interessou, se liga onde você pode saber um pouco mais sobre Trip Lee:

  • Site – Blog, música, ministrações e mais;
  • Twitter – Muita coisa, fotos, eventos, mensagens e muito mais;
  • Facebook – Bem parecido com o twitter;
  • Instagram – Basicamente família e shows;
  • Spotify – Só não tem o primeiro álbum dele;
  • iTunes – Todos os álbuns dele para venda, como sempre, preços salgados;
  • Play Store – Um preço melhor, mas com menos álbuns;

Se quiser ouvir uma de suas ministrações (em inglês), esta é uma bem interessante:

Valeu e até a próxima.

B. Reith – Sumido, mas ainda incrível

Ok, o cara anda meio sumido, só fazendo shows lá pela gringa mesmo e nada mais. Mas quem sou eu pra falar? Fiquei meses sem escrever sobre música.

Não é por estar há algum tempo sem lançar nada novo que eu não continue me surpreendendo com ele. Fui procurar algumas coisas para falar sobre ele e vi que o último lançamento dele foi uma mixtape de 2012. Hoje quero falar sobre ela.

Ler maisB. Reith – Sumido, mas ainda incrível

A conversão de Rappin’ Hood

“Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.” (Lucas 15:7)

É sempre uma boa notícia quando um homeme se converte. Fico ainda mais feliz por saber que um homem com o talento dele se converteu. Que Deus realmente o abençoe e cuide para que cada semente plantada em sua vida frutifique.

Paz.

Parábola – Só vitória (@somdoparabola)

E saiu o novo clipe do Parábola, da música Só vitória, que faz parte do álbum Além do padrão. O grande destaque fica por conta das inúmeras participações, como Maykon (Parábola), Du (Efeitos), Leo (Banca D´K), DJ Alpiste, Biofa (Parábola) e Magrão Favukeiro. Todas as participações fazem bonito tanto na música quanto no clipe.

A edição e direção é da RecLife, empresa do próprio Biofa. A grua contou com o profissionalismo impecável da Vras77, que não precisa de apresentações.

Paz.