Mensagem

A base bíblica do dízimo – Por que dar o dízimo?

Por que dar o dízimo - A base bíblica do dízimo

Antes de você ler neste post sobre a base bíblica do dízimo, é imprescindível que você já tenha lido os anteriores:

A base bíblica do dízimo, diferentemente do que muitos pensam, não vem de Malaquias capítulo 3, mas sim da nossa relação com Abraão.

O primeiro ponto que devemos entender é que Abraão deu o dízimo a Melquisedeque antes da lei existir, lá em Gênesis, capítulo 14, versículo 20. Então, também ao contrário do que muitos pensam, o dízimo não é algo exclusivo da lei de Moisés ou que foi criado com ela.

O segundo ponto que precisamos entender é que estamos ligados a Cristo, e esta é uma das bases de nossa fé. Se estamos ligados a Cristo pela fé, da mesma maneira o estamos a Abraão, que é o principal na genealogia de Cristo, conforme vemos em Mateus 1:1: “Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão.”.

Mas, se esta base não for suficiente para justificar que somos filhos de Abraão, vejamos o que diz Paulo, em Romanos:

“Vem, pois, esta bem-aventurança exclusivamente sobre os circuncisos ou também sobre os incircuncisos? Visto que dizemos: a fé foi imputada a Abraão para justiça. Como, pois, lhe foi atribuída? Estando ele já circuncidado ou ainda incircunciso? Não no regime da circuncisão, e sim quando incircunciso. E recebeu o sinal da circuncisão como selo da justiça da fé que teve quando ainda incircunciso; para vir a ser o pai de todos os que crêem, embora não circuncidados, a fim de que lhes fosse imputada a justiça, e pai da circuncisão, isto é, daqueles que não são apenas circuncisos, mas também andam nas pisadas da fé que teve Abraão, nosso pai, antes de ser circuncidado. Não foi por intermédio da lei que a Abraão ou a sua descendência coube a promessa de ser herdeiro do mundo, e sim mediante a justiça da fé. Pois, se os da lei é que são os herdeiros, anula-se a fé e cancela-se a promessa, porque a lei suscita a ira; mas onde não há lei, também não há transgressão. Essa é a razão por que provém da fé, para que seja segundo a graça, a fim de que seja firme a promessa para toda a descendência, não somente ao que está no regime da lei, mas também ao que é da fé que teve Abraão porque Abraão é pai de todos nós” (Romanos 4:9-16)

É a partir desta base que entendemos que somos filhos de Abraão pela fé que abraçamos e somos herdeiros das mesmas promessas. Se não fosse o entendimento que sim, somos filhos de Abraão, não teríamos direito às maravilhosas promessas de Deus para o seu povo.

Em outro trecho da Palavra, encontramos Jesus dizendo: “Então, lhe responderam: Nosso pai é Abraão. Disse-lhes Jesus: Se sois filhos de Abraão, praticai as obras de Abraão” (João 8:39)

Uma das obras de Abraão, como lemos anteriormente, foi dar o dízimo de tudo quanto recebera em uma de suas guerras para Melquisedeque. A partir disso, não vejo problema algum em ser dizimista. Aliás, vejo até que isso se faz bem, pois devo praticar as mesmas obras que ele.

Isso é suficiente para obrigar os fiéis a dizimarem sob a pena de maldição na área financeira? Isso é suficiente para amedontrar os neófitos dizendo que o devorador irá pegá-los de surpresa na próxima esquina? Por esta base bíblica então você é obrigado a dar o dízimo? Esta opinião eu vou deixar para uma próxima série de textos…

De qualquer forma, você acreditando ou não, concordando ou não, quero deixar claro que o mais importante quando se fala sobre dízimos e ofertas, foi escrito por Paulo:

“Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria.” (2 Coríntios 9:7)

Após ler todos os textos onde falei sobre este assunto, gostaria da sua opinião. Peço apenas que você respeite as outras opiniões, de maneira que você contribua para o reino ao invés de causar discórdia, ok?

Paz.

Sobre o autor

André

André

Cristão, casado, pai, trabalhador. Leva a sério a palavra de Deus e isto muitas vezes o faz não ser bem visto. Ama escrever, por isso, sempre que pode, o faz.

37 Comentários

  • Caros irmãos, na nova alinça não existem mais dízimos, vamos lá: dízimo de Abraão foi dos despojos, e não de seus bens, deu uma única vez e devolveu os restantes 90% ao seu antigo dono.Com certeza isso não é feito nos dias de hoje!Dízimos era somente dado à tribo de Levi, pois não tinham herança;Dízimos só era dado em produtos agropecuários, nunca em dinheiro, coisa que não é feita nos dias de hoje;Dízimos era somente para os Judeus,e só uma vez por ano, coisa que não se faz hoje em dia.Em Mt, cap23,vers.23, Jesus estava cumprindo a lei, falando com fariseus, tudo isso nos tempos da lei, pois novo testamento só quando Jesus morreu na cruz!O véu se rasgou de cima à baixo com a ressurreição de Jesus,que cumpriu “toda a lei”, para que voce e eu não ter a necessidade de cumprí-la.Sacerdote não existe mais, pois ele era o que intercedia entre Deus e o povo, Jesus é o nosso intercessor.Templo não existe mais porque nós somos o templo do Deus vivente!Jesus não disse que a adoração seria num templo feito por mãos humanas, mas que nós o adorassemos em Espírito e em verdade!enfim Jesus não fundou uma nova religião, apenas nos deu livre acesso ao Pai.Conclusão:se não existe mais templo, não existe mais sacerdote, muito menos dízimos, para que serve uma “instituição religiosa?Só para encher os cofres da própria instituição!O pastor enriquece e o irmão empobrece!Voce sabia que a igreja primitiva não dizimava?Isso só ocorreu pela pressão da igreja católica sobre Carlos Magno, em meados de 777.Em 2005, a igreja católica voltou atrás, desculpou se pelos erros e tirou os dízimos da doutrina .Só os evangélicos continuam com a prática.Na verdade quando se pega algo que não lhes pertence, é roubo!

    • tbm concordo com as palavras do irmao acima, o dizimo cumpria a lei. a lei não pertence mais a nós. Agora temos que ser generosos, ter o entendimento que a igreja precisa da nossa ajuda financeira, o,crente não pode ficar preso ao dinheiro,nem ser avarento,mas contribuir conforme sua realidade. saber aonde esta contribuindo, no altar que não estiver contaminado com corrupçoes financeiras. como por exemplo,meu pastor,é um homem super simples,toda a igreja conhece sua humilde realidade financeira e sabe que a quantia depositada no altar tem como proposito arcar com as contas da igreja.

      • Caro Raphael, como coloquei acima, “altar”não existe mais, pois era lugar de sacrifício, e quanto às despesas do templo, fica a critério daqueles que podem e querem contribuir.Como eu disse “contribuição”, e não dízimos, para não colocarmos Jesus novamente na cruz!

          • Olá Marciano, obrigado pelo comentário.

            Nos outros posts desta mesma série respondo a sua pergunta. Neles falo para onde vai este dinheiro. Dê uma lida em todos e continue participando do blog.

            Deus abençoe sua vida.

  • Raphael, não tenho nada contra os pastores, principalmente aqueles que amam o que fazem!Só que mesmo amando seu trabalho, recebendo dízimo, vai contra a prática neotestamentária!Na velha aliança, o sacerdote intercedia pelo povo, hoje nós somos a boca, olhos e mãos de Deus!nós é quem ajudamos aos necessitados, intercedemos em orações, pregamos à quem ainda não conhece a Jesus, enfim, não existem mais intermediários!O pastor é apenas um guia!Vou uma pergunta:O pastor é servo ou empregado?Medite nesta pergunta….pois servo trabalha de graça!(Mt 10,8)”de graça recebeste, de graça dai”

      • Caro André, pastor se sustenta trabalhando, assim como eu ou qualquer pessoa!leia 2Tessalonicenses, cap.3, vers.de6 à 12, e verá qual era a prática neotestamentária!

        Abraços

        • Roberto, entendo seu ponto e concordo que pode ser assim, assim como este pastor também pode ser sustentado pela congregação, como diz o verso 9 do mesmo texto. Acredito que cada congregação tem o seu modo de agir e eu não tenho nada contra um pastor que trabalha e se sustenta, nem tampouco contra um pastor que seja sustentado pela congregação.

          Veja que algumas congregações, com muitos membros, precisam de um ou mais pastores em tempo integral, dia e noite. Como estes se sustentariam?

          Acredito que a transparência deve ser a base deste relacionamento de pastor e salário. Assim os membros podem decidir se aceitam ou não a situação.

          Obrigado.

          • Olá amado, ler em 1 corintios 9. ler todo o capitulo, ser ao 9 para o 10 não concluir prossiga, primeiro terá a primeira leitura com ponto no verso 14 veremos que tudo que se refere e alimento não dinheiro, e isso era partido entre todo, mais Paulo não queria por impedimento ao evangelho e ele vendia tenda para se alimentar não pra comprar terra, gado, ovelha, seja la o que bem entender, isso que Paulo falou. abraço.

          • Olá meu amado em Cristo!mais uma vez, está equivocado!no mesmo capítulo de 2Tl 3, 9, pois é no versículo 9 , Paulo estava falando da autoridade “Apostólica” de viajar de cidade em cidade, de país em país!Aí sim, teria autoridade, mas mesmo assim Paulo diz que trabalhava com as próprias mãos para dar exemplo aos irmãos!O pastor, que na verdade são os presbíteros, são guias local!tem que trabalhar como qualquer pessoa!tempo integral, só os levitas, pois tinham muito trabalho e ordenança do próprio Deus!Sabia que tanto os “templos’, como o “tempo integral” para presbíteros, foi coisa da igreja católica que copiou do templo de jerusalém?Nós somos o templo do Deus vivente!igreja somos nós!

        • Roberto Nogueira,vira pastor,vem pra minha igreja e iremos ser dizimista fiel e vc será sustentado por um povo que é dizimista,porque é biblico e a obra de Deus precisa, para avançar…sou cristao a 20 anos e dou com alegria e ainda é pouco para o Reino de Deus….Deus nao precisa de dinheiro,mas a sua obra sim…Ser pastor é um chamado lindo, e necessário para um mundo tao corrunpido…nao estamos aqui isentando pastores que querem tirar a lã dos membros….

          Entao,procure uma igreja séria e seja dizimista fiel e vc estará contribuindo para o reino de Deus…

  • André, no vers. 9 do mesmo capítulo fala de autoridade!pois bem autoridade para ser sustentado com comida, bebida e pousada, nada mais!Lc, cap.10, vers.7, é o padrão para que Paulo comente sobre salário!Na parábola do bom pastor, Jesus diz que o ladrão é mercenário, isto é, que recebe dinheiro!Aliás, esta palavra mercenário usa se para avaliar aquele que só trabalha por dinheiro, mas na raiz da palavra, é tão somente aquele que recebe dinheiro pelo trabalho prestado!Todos nós, que recebemos salário, somos mercenários!Outra coisa , só pra constar, nesta parábola do bom pastor, o ladrão é o falso pastor, e não o diabo, como as instituições religiosas pregam, só pra tirar o fico da mensagem!

    Abraços

    • Roberto, respeito sua opinião, apesar de não concordar com a interpretação e utilização das passagens.

      Obrigado pelo comentário. Continue contribuindo com seu ponto de vista.

  • André eu não concordo que a igreja tenha que sustentar o pastor usando os dizimos e ofertas porque o que é arrecado destes dizimos e ofertas são para fazer a obra de Deus. Opastor tem que fazer a obra de Deus gratuitamente pela fé porque Deus nunca cobrou nada para fazer as maravilhas que fez. Respeito sua opinião, mas não concordo A mém amado fique na paz do Senhor.

  • meus irmãos, é ótimo conversarmos sobre a palavra de Deus. Sou de uma denominação bem tradicional desde muito tempo, mas a pouco tempo, tenho me interessado realmente nos ensinamentos bíblicos para a igreja, que não podem ser baseados em tradições humanas, a partir daí, tento desconstruir o que foi estabelecido somente de forma humana. Pois de uma forma ou de outra, criaram em mim um modo de ver e viver o evangelho, (que talvez esteja equivocado) , e restaurar ou construir o que Deus realmente estabelece, principalmente pelo período que em nossa geração, nos é concedido a graça, que nos justifica, diferentemente do que justificou a Abraão. Digo isso porque sei que é difícil derrubar algo que já foi estabelecido em nossas mentes e corações a muitos anos. Peço aos irmãos que possam meditar no livro de JOAO 8:12-59, vejam como era difícil para os judeus aceitarem novas regras, assim também é conosco!
    A paz de Cristo Jesus seja com todos os irmãos!

  • Graça e Paz amados! Sou dizimista desde de que conheci a Cristo e isso tem me feito muito bem, tenho experimentado das bençãos decorridas da minha fidelidade a Deus, não sou rico e nem tenho pretensões mas nunca me faltou nada e devo isso a Deus que tem me abençoado e se ELE me dá 100% porque eu não devolveria apenas 10% para abençoar a expansão do seu reino aqui? Eu creio que o dizimo é atemporal mas respeito a opinião de quem discorda!! Deus está interessado na minha fidelidade a Ele e não no meu dinheiro, por isso sou dizimista e sou feliz, se o Pr rouba ou deixa de roubar isso é entre ele e Deus!! Abraços!!!

  • A paz irmãos…
    Sobre dízimos e ofertas, um versículo que me chamou muito a atenção é o que está no livro de Hebreus 7:8 … E aqui certamente recebem dízimos homens que morrem; ali, porém, os recebe aquele de quem se testifica que vive.
    Essa palavra nos fortalece e nos incentiva ainda mais a permanecer fiel a Deus, na entrega apenas de uma parte daquilo que Ele mesmo nos dá.

  • Lucas 21- Jesus viu algumas pessoas ricas colocando suas ofertas na caixa de contribuições do templo [a]. 2 Viu também uma viúva pobre colocando lá duas moedas pequenas. 3 Então, disse: Digo a verdade a vocês: Esta viúva pobre deu mais do que todos os outros. 4 Todas as outras pessoas fizeram as suas ofertas dando do dinheiro que tinham sobrando; ela, porém, na sua pobreza, deu tudo o que tinha para viver. Eu só queria saber se esses que nao concordam em devolver o dizimo, estao contribuindo com o realmente chama a atenção de Jesus. Nao precisa cumprir a lei, cumpram o que agrada a Jesus, nao devolva dez, devolva tudo. Creio que o meu Jesus vive e que ver cada coração, assim como viu daquela viúva e onde esta o nosso tesouro ali estar nosso coração.

Deixe um comentário