Estudo do Evangelho de João 17

João 17 é o capítulo que finaliza o discurso da Santa Ceia, com uma oração de Jesus. Todo o capítulo apresenta a oração que Jesus faz para o Pai.

  • Jesus pede para ser glorificado (1 a 5)
  • Jesus roga pelos que creem nele (6 a 20)
  • Jesus ora por unidade (21 a 26)

É uma oração onde Jesus basicamente roga pelos seus discípulos, para que Deus os proteja, os livre do mal e os mantenha em unidade.

Neste capítulo existem dois conceitos que me chamam a atenção. Vou falar sobre os dois.

O que é a vida eterna

O primeiro texto que se destacou para mim neste último estudo foi este:

“E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.”

João 17:3

Conhecer a Deus, como único Deus verdadeiro. Conhecer Jesus, enviado por Deus, que veio cumprir a obra redentora que Deus lhe deu para fazer. Esta é a vida eterna.

Jesus, em sua oração antes de sair da ceia define ali o que é a vida eterna. Palavras vivsivelmente ligadas com todo o restante das escrituras, desde os mandamentos aos discursos recentes de Cristo nos evangelhos.

Jesus fala seis vezes durante essa oração sobre ele ter sido enviado por Deus, enfatizando a importância disso. Fala inclusive que esse é o propósito da nossa unidade:

“Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim, e que os tens amado a eles como me tens amado a mim.”

João 17:23

A nossa unidade como igreja local e universal vai mostrar ao mundo que Jesus foi enviado por Deus. Ou seja, vai levar a vida eterna ao mundo, fazendo com que o mundo conheça a Jesus. O nosso propósito aqui nesta Terra passa pela unidade da igreja.

Este, na minha opinião, é o motivo pelo qual temos tantas dificuldades em manter a unidade: o mundo espiritual sabe que através dela faremos a diferença. Quando mais unidade tivermos, mais impacto causaremos neste mundo.

Agora, para manter a unidade, precisamos estar em Cristo, que é justamente o que Jesus vem falando com os discípulos nos últimos capítulos: como permanecer nEle. O caminho do discurso percorrido por Cristo aqui é: permanecemos na Palavra, então permaneceremos no amor de Cristo, que nos levará à unidade, que fará com que o mundo conheça que Jesus foi enviado. Isso é a vida eterna.

A oração de Jesus por nós

“Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou. Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.”

João 17:15-18

Jesus, orando ao Pai, intercede pelos discípulos ali presentes, de novo, aqueles que seriam a base da igreja cristã. Ao mesmo tempo, como vemos no verso 20, Jesus intercede da mesma forma por todos os cristãos, de todas as gerações.

Nessa oração Ele pede duas coisas:

Livra-os do mal

Jesus não pede que Deus nos livre do mundo, das coisas pelas quais vamos passar. Jesus pede que Deus nos livre do mal. Nesse contexto é difícil entender ao que Ele estava se referindo como “mal”. Até porque, no capítulo 15, Jesus afirma:

“Lembrai-vos da palavra que vos disse: Não é o servo maior do que o seu senhor. Se a mim me perseguiram, também vos perseguirão a vós; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa.”

João 15:20

Como Jesus pede que Deus lhes livre do mal e, ao mesmo tempo, afirma que eles seriam perseguidos?

Olhando para a história destes primeiros apóstolos vemos que eles sofreram muito em suas vidas terrenas por amor de Cristo: prisões, açoites, morrer como mártir e outros tipos de sofrimentos estavam constantemente presentes em suas histórias.

Teria Deus ignorado a oração de Jesus? Será que Jesus não fez uma “oração forte”?

Aqueles discípulos todos que foram o primeiro alvo dessa oração e ouviram Jesus fazendo-a, todos passaram pelo o que alguns de nós considerariam como mal. O que me parece é que o “mal” ao qual Jesus estava se referindo, não é o mesmo mal que temos como conceito.

O que alguns estudiosos acreditam é que Jesus aqui estava se referindo a Satanás, pedindo que Deus os protegesse.

Independente disso ser realidade ou não o fato é que o mal sobre o qual Jesus estava se referindo não é o mesmo mal ao qual costumamos nos referir. Isso nos ensina que sim, iremos passar por algumas dificuldades aqui na Terra e isso não significa que Deus não está nos protegendo, não esteja cuidando de nós ou que nós não sejamos abençoados. Aqueles apóstolos passaram por problemas graves e eram muito abençoados, tremendamente usados por Deus.

Santifica-os na Tua verdade

Jesus também pede que Deus nos santifique na palavra, usando para isso a palavra grega “logos”. Nesse caso conseguimos entender mais claramente o que Ele estava dizendo.

Aqui a intercessão de Cristo por aqueles homens e por nós é que nós fôssemos moldados na Palavra, através daquilo que Deus entregou como Palavra falada e escrita para nós.

Por isso existe a importância tão urgente de estudarmos a Palavra, de termos intimidade com as escrituras, de maneira que sejamos transformados pelas verdades ali presentes.

Não podemos negligenciar o estudo constante e intenso da Palavra.

O que já me chamou a atenção no passado

Publicamos no passado alguns textos sobre esse capítulo, acho que vale a pena dar uma olhada:

Sentiu falta de algum assunto, está com alguma dúvida? Deixe o seu comentário.

Paz.

Deixe um comentário