Mensagem

Dar o dízimo ou não?

Dar o dízimo ou não
Avatar
Escrito por Leandro

Alguém andou dizendo, por esses dias, que não é necessário darmos o dízimo à igreja, pois o mesmo era uma ordenança apenas ao povo de Israel, sob a lei. Ué, e Abrão, que ofereceu o dízimo antes da lei ser dada por Deus a Moisés (Gn 14:18-20)? Será que ele errou em dar o dízimo dos despojos da guerra?

E que dizer então do próprio Senhor Jesus, que, mostrando aos fariseus sua hipocrisia, lhes mostra que é importante dizimar sem se esquecer da justiça, da misericórdia e da fé (Mt 23:23). E isso acontece muito na igreja…

Se o dízimo tem sido usado por falsos pastores para enriquecimento material, se tem sido usado de forma ilícita, para financiar programações televisivas de péssima qualidade, entre outros, pode ficar tranquilo. Esses terão que prestar contas a Deus pela má administração dos recursos voltados à obra do Senhor (2Pe 2:3).

Dizimar é devolver ao Senhor parte daquilo que Ele nos proporciona através do trabalho, da força e saúde que nos dá para ganharmos o nosso pão. Devemos dizimar sim, contribuir com alegria, e ficarmos atentos ao emprego dos recursos em nossas igrejas.

Se não houver o dízimo, ou as ofertas, como poderão ser mantidos os projetos sociais, de evangelismo, pastores integrais que cuidam da obra do Senhor, pessoas que são mantidas com a ajuda da igreja, muitas vezes. Os primeiros cristãos não só dizimavam, como iam além, muitas vezes compartilhando tudo o que tinham com a comunidade cristã.

O dízimo não é obrigatório, mas é sim uma demonstração de submissão, fé e gratidão a Deus.
Só devemos ter sabedoria, tanto ao dar como ao administrar o dinheiro, pois o fazemos diante de Deus.

Este texto apareceu primeiro lá no LHDBlog

Sobre o autor

Avatar

Leandro

Leandro Dessart é um dos cristãos mais sérios que já passaram por este mundão de meu Deus. Infelizmente é próximo demais do editor do blog e acaba tendo seus textos roubados ocasionalmente.

85 Comentários

  • Eu sou dizimista,mas a resposta não e tao simples.
    Abraão e de uma dispensacao antes da lei: mas não e da graca. Nao e nt. Quando jesus conversa com os fariseus.. .. falando que eles deveriam dar o dizoimo ,veja que ele nao se esqueca do principal da lei(veeja que ele fala de seguidores da lei) E jesus não tinha morrido na cruz ainda, portanto nao tinha inaugurado a era da igreja. Repito sou dizimista mas não posso atropelar as escrituras.
    Se dizimo fosse uma doutrina relevante para a igreja , paulo teria citado pelo menos uma vez., depois da ressurreicao de jeus ou na era da igreja, qual versiculo que indica a pratica do dizimo claramente?
    Contudo não e uma opiniao final, pois como ja disse sou um dizimista.

  • sou dizimista fiel, isto é se posso chamar de dízimo, porque sempre dei acima do meu bruto. mas enfim, penso que os líderes tem medo de ensinar a verdade sobre o dízimo com medo dos membros não darem mais o dízimo. porque se der alguma coisa seja ela oferta ou dízimo, deve ser feito com amor. e o que tenho visto é líderes dizendo que se não der dízimo esta em pecado. como sou um aprendiz , gostaria que alguém me mostrasse na bíblia no Novo testamento, que se não dermos dízimo somos pecadores. porque entendo que estamos na graça. não quero justificar, que era assim no A.T, porque Abrão deu dízimo de tudo para o sumo sacerdote melquizedeque, deixando claro que não é lei e sim amor e gratidão. portanto continuo acreditando que oferta e dízimo se dar ,porque se ama, não porque é lei . a verdade é que precisamos ensinar as escrituras como se deve, não podendo desprezar as dispensações da bílbia, sendo que a dispensação que estamos é a da graça. sou responsavel pela escola de líder na minha igreja e tenho ensinado que o não dar dízimo, não é pecado. e vou continuar a ensinando até que se prove o contrário…

    • Olá Amado. Respeito sua opinião, mas gostaria que refletisse sobre Lucas 11:42, onde Jesus diz:

      “Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça, e desprezais o juízo e o amor de Deus. Importava fazer estas coisas, e não deixar as outras.”

      Note que ele diz que devemos sim dar o dízimo, e não desprezar o juízo e o amor de Deus. Logo, entendo que o dízimo é um mandamento de Jesus para nós e, se não o faço, estou indo contra o que Ele me pede. Concorda?

      Paz.

      • Pôxa André
        (“Mas ai de vós, fariseus, que dizimais a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça, e desprezais o juízo e o amor de Deus. Importava fazer estas coisas, e não deixar as outras.”),onde no texto é dito que devemos dar o dízimo,o texto ainda faz uma alusão ao velho testamento, a lei, onde se dava não dinheiro e sim (a hortelã, e a arruda, e toda a hortaliça), Jesus estava dizendo a eles que não é por que obedeciam a lei, não precisavam obedecer coisas muito mais relevantes que é (desprezais o juízo e o amor de Deus). Vamos ler com calma e acima de tudo pedir a direção de Deus…na oração modelo, se diz amai ao próximo como a si mesmo, já vi filho passar necessidade, por que o pai deu o dízimo para o pastor andar de avião e o mesmo pastor que não é ingênuo sabe disso e não tá nem aí, igrejas com membros miseráveis, são enganados por líderes que sabem a verdade e querem se mostrar santos, e são verdadeiros Judas, entra na internet e pesquise vai entender como eu entendi, de forma muito clara como distorcem o texto de Malaquias, é impressionante, afalta de amor e o engano dos líderes…veja http://www.vemvetv.com.br

  • Gostaria de comentar três coisas:

    Primeira:
    Como a obra do Senhor sobreviverá sem o dízimo… Apenas com oferta?
    Quem pode responder a esta pergunta é a “igreja” Cristã no Brasil… Eles não dizimão, mas constroem templos,pagam energia, água,telefone, etc.etc.
    Segunda:
    Uso indevido por falsos pastores (conforme o comentário acima)
    Muitos dizem:”Se o pastor usar de forma indevida o problema é dele… vai prestar contas com Deus”…
    Ele vai prestar contas a Deus porque alguém o financiou. Os bêbedos irão prestar contas diante de Deus? Sim! Mas os fabricantes e os revendedores de cachaça também… Evite a condenação dos mercenários aplicando 2Cor.9:07 na tesouraria da igreja…
    Terceiro:
    Mateus 23:23
    Está escrito: “Ai de vós porque dizimais…
    Seria um “prato cheio” para os mercenário e picaretas se fosse: Ai de vós porque NÃO dizimais”…
    Haveria a possibilidade de Mat.23:23 ser assim?:
    “Ai de vós escribas e fariseus hipocritas,porque sois justos,misericordiosos e cheios de fé, e negligenciais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho.Deveis fazer estas e não omitir aquelas” Haveria???

  • Quando redigi este texto, só quis mostrar que não há porque deixarmos de dar o dízimo. Sei que muitos não concordam com a ordenança do dízimo, e, como ressaltei no fim do texto, o mesmo não é obrigatório. É obrigatório quando as igrejas o exigem. Mas tinha em mente apenas responder a alguns que, na ênfase de quebrar paradigmas dentro da igreja, querem acabar com alguns preceitos já instiuídos há tempo, sendo o dízimo um deles.
    Em Atos, a igreja não dava dízimos, mas oferecia muito mais que isso (At. 4:32-37). Se não nos conformamos em dar o dízimo, por não ser mostrado no NT, então que nos conformemos em dar muito mais ainda, como ofertas e doações.
    Infelizmente, estas discussões acontecem por causa dos lobos gananciosos infiltrados no meio da igreja.
    Se alguém entende que não deve dar o dízimo, que não dê. Se, como eu, alguém dá, não por obrigação, mas por gratidão à Deus, que dê. Cristo conhece os corações e as motivações.
    Ninguém será cobrado por não dar especificamente o dízimo, mas seremos cobrados por nossa fidelidade ao Pai.

    • Quer entregar o dizimo? Entregue conforme esta em 2corintios 9:7. e quanto aos ladroes que malaquias falava, era sim aqueles que deveriam dar o destino certo aos dizimos e ofertas, assim como no livro de Joao falava sobre Judas Iscariotes que roubava as ofertas, pois ele quem cuidava do dinheiro doado.

  • Meu querido LHDessart, a paz do Senhor!

    Gostaria de dizer-te que há motivos sim para deixarmos de dar o dízimo.O principal de todos é que no N.Testamento não há exigências para isto.O segundo motivo são as consequências desta prática. Não sei aí, mas aqui em Jacobina BA, meu caro Dessart, o pastor não paga a energia,água,telefone e nem combustível do salário dele; quem paga é a igreja.
    Qual é a empresa que além do salário paga, estas coisas para os funcionários? Talvez só políticos teem este privilégio.(e a fama destes é de corruptos).
    Sou da Assemb. de Deus, esta paga 18 salários ao pastor,R$-9.180,00; é um salário digno, oriundo na maioria de salários indignos… Dizimistas há que ganham menos de um salário mínimo…
    Eu sou digno do meu salário,mas não ganho um salário digno.O pastor de uma cidade vizinha daqui, em reunião aumentou os seus rendimentos de 10 para 25 salários mínimos.Outro pastor vizinho mora em casa própria e cobra o aluguel da igreja!jQual o diagnóstico disto? Dízimo no N.Testamento!
    Dessart, olha só o que disse um pastor: “Agora, chegou a parte mais importante do culto: vamos arrecadar dízimos e ofertas”. Tu escrevestes uma coisa certíssima:”Lobos gananciosos infiltrados no meio da igreja”. Quer acabar com eles? Diga não para Malaquias 3:10, e aplique 2Coríntios 9:07 na tesouraria da igreja!!! Se não fizermos isto, coisas piores veremos…
    Dessart, eu era dizimista fiel… fui ensinado a ser desde criança… Deixei de ser após uns 5 min. de diálogo com um Batista Ortodoxo. Veja o diálogo:
    B.O. Tem muitos pastores cheios de dinheiro,carros e etc… com o dízimo dos crentes.
    W.F. Mas no N.Testamento manda pagar…
    B.O. Onde?
    W.F. “deveis fazer estas coisas e não omitir aquelas”,
    Mat.23:23
    B.O. Para quem Jesus estava falando?
    W.F. Hummmmmmm
    B.O. Para os escribas e fariseus, pois a igreja ainda não tinha sido fundada. Deus elegeu o apóstolo Paulo para doutrinar os gentios, e nenhuma vez ele manda pagar o dizimo nas suas epístolas.
    Logo após fiquei pensando… Ah! Rapaz! É por isto que tem muitos pastores picaretas e mercenários… Também muitos irmãos que entregam o dízimo e reclamam da administração… Outros administram o próprio dízimo… E os pecadores zombam com razão… Rapaz.!!! Rapaz!!!

  • Wellington, respeito sua opinião. Como disse, concordo que não seja obrigatório o pagamento do dízimo. Mas, se tivermos que deixar de lado dentro da igreja tudo o que porventura possa trazer consequências ruins para a mesma por causa de uma má empregabilidade ou exercício, então seria necessário abolirmos, dentre outros, a própria pregação. Quantos não têm se aproveitado do espaço no púlpito para exercer influência, buscar poder e fama no meio do povo cristão?
    Acredito que o melhor é buscarmos uma visão equilibrada em todas as situações, sempre nos lembrando que nos é exigido seriedade no cumprimento da vontade Divina.

    • Voce esta certo neste ponto de vista, mas o negocio é o seguinte: nunca ficamos sabendo o quanto foi arrecadado, o quanto foi gasto, nao conhecemos a vida financeira dos templos. Sabemos apenas que tem gastos e mais gastos, e que precisa de mais dinheiro pra mais gastos. Se deixarmos de pagar altos salarios para os dirigentes, e os luxos dentro das igrejas, realmente, a obra pode ser feita sim sem a cobrança de dizimos.
      Depois de uns estudos sobre a pratica do dizimo, me livrei da escravidao da lei e sou muito abençoado seguindo o que esta escrito em 2corintios 9:7

  • Dessart, também respeito a sua opinião… Deixo contigo uma reflexão: “Não devemos colocar um ponto de interrogação, onde Deus colocou um ponto final”.

    Um abraço,
    W.Fontes

  • Não usei este texto tanto para defender a prática do dízimo em si, mas queria mostrar que, ao contrário dos que afirmam que este era uma ordenança da lei, ele foi oferecido antes disso por Abraão. No texto, não afirmo que o dízimo tenha que ser obrigatoriamente cobrado ou dado. Queria apenas alertar, através do texto, a respeito de alguns “pensadores cristãos” que querem derrubar tudo o que acontece ou é comum dentro da igreja. Algumas coisas não necessitam de mudança, outras sim, e, como afirmei no texto, o que precisa ser mudado é a mentalidade dos “líderes” eclesiásticos que usam e abusam das contribuições. Também deve ser mudado o pensamento avarento daqueles que dizimam apenas tentando “trocas” com Deus.
    Não creio que o dízimo incentive a ganância, mas é a própria ganância de alguns “líderes” que acaba distorcendo e corrompendo o uso digno e necessário tanto dos dízimos como das ofertas. E o que destaquei mais enfaticamente é o fato das contribuições serem o meio de subsistência da igreja. Se a igreja deixa de arrecadar, não pode subsistir, seja com dízimos, ofertas ou contribuições voluntárias.
    Se a igreja, como instituição, deixa de cobrar os dízimos, como poderá arcar com suas responsabilidades materiais? Aluguéis, contas, salários de obreiros e pastores, entre outros? E mesmo que o dízimo deixe de ser cobrado como dízimo, será que as contribuições voluntárias também não incitariam a ganância de alguns? É dinheiro também…
    E, se for pra respeitar os limites bíblicos, em 2 Co. 8 e 9 Paulo solicita contribuições especificamente para cristãos pobres da região da Judeia.
    Mesmo que venhamos a dar dízimos, ou mesmo contribuamos apenas com ofertas, nada disso será em vão se for movido por este pensamento, de liberalidade e amor, à Deus e à sua igreja.

  • LHDessart, a paz do Senhor Jesus!

    Dialogar contigo até aqui, está gratificante…Pois provoca o meu raciocínio,me faz pesquisar,e me serve de subsídio para pregações,ainda que discordando parcialmente de ti. Vamos ao seu último comentário:
    “O QUE PRECISA SER MUDADO É A MENTALIDADE… DOS… QUE…ABUSAM DAS CONTRIBUIÇÕES”. É quase impossível…
    “TAMBÉM… O PENSAMENTO AVARENTO… TENTANDO “TROCAS” COM DEUS”. Pode ser possível…
    “NÃO CREIO QUE O DÍZIMO INCENTIVE À GANÂNCIA”. Mas se erradicarmos ele, a ganância será golpeada…
    “É O FATO DAS CONTRIBUIÇÕES SEREM O MEIO DE SUBSISTENCIA DA IGREJA.SE A IGREJA DEIXAR DE ARRECADAR,NÃO PODE SUBSISTIR…COMO PODERÁ ARCAR COM SUAS RESPONSABILIDADES MATERIAS?” Meu caro Dessart! Entendo as suas preocupações com as “responsabilidades materiais” da igreja…Quero lhe tranquilizar falando-te algo muito sério: Não se preocupe se a igreja ficar cada vez mais pobre… Se preocupe sim se ela ficar cada vez mais rica! Para a igreja pobre Jesus diz:”Conheço a tua tribulação e a tua pobreza…Não temas as coisas que tens que sofrer”Apc.2:9-10. (é! pobreza traz tribulação e sofrimento). Agora para a igreja rica:”Como dizes? Rico sou, e estou enriquecido…E não sabes que és um desgraçado,miserável,e pobre,e cego,e nu”, Apc.3:17.Estamos ficando cada vez mais longe de Esmirna,e cada vez mais perto de Laodicéia.Se erradicarmos o dízimo,ofertas e contribuições voluntárias da igreja, ela ainda subsistirá! Se somado a isto, as portas do inferno se levantarem contra ela, mesmo assim ela resistirá! Vai chegar uma época que dízimos,ofertas e todo tipo de contribuição serão proibidos…Cultos em templos não serão permitidos, alguns crentes até mortos serão, mas a igreja não será exterminada da terra, nem antes, nem até o arrebatamento… Pense nisto Dessart!
    Outro abraço!
    W.Fontes.

  • Wellington, posso dizer o mesmo! Sempre é gratificante dialogar com quem sabe fazê-lo, e vc é uma pessoa que sabe dialogar! Eu imaginava que o comentário sobre o sustento físico da igreja fosse lhe fazer dar esta resposta, e concordo que, mesmo que não haja um centavo nos cofres da igreja, ela continuará subsistindo. Quem a sustenta é o Espírito de Deus. O ponto que coloquei aqui pode ser entendido enquanto a igreja como instiutição que tem de se enquadrar sob leis, seja em âmbito estadual ou nacional, juridicamente falando.
    Infelizmente, concordo que será MUITO difícil mudar a mentalidade da maior parte da igreja, pois, como povo ou igreja, o brasileiro é mental, cultural e politicamente acomodado. Mas, vamos tentando, né…rs…quem sabe, pouco a pouco, com muita oração, ensino e perseverança…
    Eu também acredito que chegará um momento (e creio que está próximo mesmo!) onde a igreja não poderá mais exercer suas atividades livremente, e concordo que, no “submundo”, digamos assim, seriam até desnecessárias as ofertas. Mas mesmo assim creio que elas ocorreriam, sendo revertidas para os próprios cristãos. E aqui talvez seja o ponto m que mais concordemos, se esta for sua opinião. Quando afirmei sobre necessidades materiais, elas, por enquanto existem. Mas entendo que muito deste dinheiro deveria ser empregado em obras sociais, projetos, escolas, hospitais, em vez de se buscar a construção, por exemplo, de templos cada vez mais suntuosos. Não sou contra a igreja ter uma sede própria, mas entendo não ser necessária a construção de “shoppings centers” para a pregação do evangelho.
    Meu querido, acredito que, graças a pessoas como você é que a igreja ainda possui um resquício de seriedade aqui no Brasil. Mesmo que não venhamos a chegar num consenso neste caso específico, lhe agradeço pela discordância e pelo interesse no assunto! Creio que esta é a maneira de construirmos uma igreja melhor!
    Abração!

Deixe um comentário