Versículo do dia – Umas dúvidas, pensamentos íntimos

“Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11:30)

Sabe, eu tenho uma dúvida, talvez não uma dúvida, mas algo que ontem estava discutindo com minha esposa. Nós não somos mestres ou doutores da lei, mas conhecemos um pouco da bíblia e temos um pouco de intimidade com Deus. Pouco, mas temos.

Falávamos sobre como Deus enxerga as coisas que fazemos aqui na Terra. Creio eu que Deus definitivamente não compactua com o pecado e nunca está de acordo com uma atitude pecaminosa. Porém não creio que ele castigue ninguém, uma vez que a própria consequência do pecado, por definição, é a morte em várias áreas da vida e distanciamento de Deus, não como castigo, mas pela Sua natureza santa.

Porém, e aquelas coisas que deixamos de fazer ou protelamos, mas não configura um pecado? Por exemplo, para aquele que entende o Dízimo como um mandamento de Deus (e não vamos discutir isso aqui ok? Já tivemos um texto sobre isso, lembra?) e atrasa o dízimo, ele está em pecado? E aquele que deixa de falar de Deus para uma pessoa necessitada? E aquele que vê alguém chorando na rua mas não tem coragem de consolá-la?

Obviamente, se começarmos a discutir, teremos uma centena de versículos dizendo que isso é errado e devemos sempre fazer o nosso melhor. Eu creio nisso. Porém, onde fica o leve fardo de Jesus? Então conhecemos Deus como um juiz carrasco, pronto para nos castigar ao menor sinal de erro?

Analisando o que conheço da palavra de Deus posso dizer que todos os exemplos que dei são erros. Porém não posso afirmar, ainda com o que conheço da palavra de Deus (que é limitado) que Deus irá condenar uma pessoa por um destes motivos (salvo exceções onde Deus ordena que a pessoa faça aquilo, como aconteceu com Jonas). Creio que aqui a questão vai muito mais para um nível de galardão do que de salvação.

Para resumir, eu creio num Deus de amor. Um Deus que não compactua de modo nenhum com o pecado, mas que, sendo amor, sempre é misericordioso e pesa com justiça os nossos atos. O resto, são dúvidas filosóficas que só podem ser respondidas dentro de cada um, através de muita comunhão com o Espírito Santo. Sendo que não podemos julgar o nosso próximo com a nossa medida, ou seja, o que é pecado para mim, pode não ser para você.

Gostaria muito da opinião de vocês. Perdão pelo post um tanto quando íntimo, mas creio que se Deus colocou isso no meu coração, era para ser publicado.

Paz.

Deixe um comentário