Estudo de Gálatas – Capítulo 1

Começamos hoje o estudo do livro de Gálatas! Uma carta de Paulo muito interessante, que nos ajuda a entender ainda melhor a história de igreja e nos ensina sobre princípios muito importantes.

Panorama geral de Gálatas

A carta de Paulo aos Gálatas é uma fonte de argumentação contra o ensino do cristianismo judaizado, que estava sendo ensinado às igrejas daquela região.

Introdução ao livro

Para entendermos bem o que se passa nessa carta, precisamos começar estudando o que acontece em Atos 13:14 até 14:28. Para isso, sugiro a leitura do texto bíblico e das seguintes referências:

Entendendo bem o que aconteceu nestes dois capítulos, você já poderá ter uma noção um pouco mais abrangente da relação de Paulo com esta igreja.

Além disso também é importante que você conheça sobre o concílio de Jerusalém, que acontecem em Atos 15. Sugiro que, para isso, você assista o vídeo do Estudo de Atos 15.

Também é importante que você conheça a história da Abraão, ela é contada dos capítulos 12 a 25 do livro de Gênesis. Se você não quiser ler todos estes capítulos, recomendo que leia, ao menos, os capítulos 12, 16 e 17 de Gênesis.

Vídeo da Introdução ao livro de Gálatas

Informações sobre a carta de Paulo aos Gálatas

Quem eram os Gálatas?

Os Gálatas foram um povo Celta que, no século III a.C., migrou da Gália, sua terra natal, para a região da Ásia Menor. Após alguns confrontos com povos locais, se estabeleceram na região da Capadócia, formando assim a região conhecida como Galácia.

Onde ficava a igreja de Gálatas?

Na verdade, não existiu uma igreja de Gálatas. Essa região da Galácia acomodou algumas igrejas fundadas por Paulo. A saber: Listra, Derbe, Icônio e Antioquia da Pisídia.

Quem é o autor da carta aos Gálatas?

O apóstolo Paulo é autor da carta aos Gálatas. Assim como aconteceu com outras cartas ao longo do tempo, essa certeza de que foi Paulo quem escreveu a carta, foi questionada por alguns grupos. Nenhuma das hipóteses apresentadas por eles se mostrou bem fundamentada.

Quando a epístola aos Gálatas foi escrita?

Não existe uma concordância sobre isso. Alguns estudiosos afirmam que esta foi a primeira carta escrita pelo apóstolo Paulo, após a sua primeira viagem missionária. Outros afirmam que ela foi escrita durante a terceira viagem de Paulo, logo após ele escrever a carta aos Romanos. É difícil termos, até hoje, uma precisão de data para esta carta.

Qual é o tema principal da carta aos Gálatas?

Certamente o tema principal é a justificação pela fé, para combater o ensino incorreto que as igrejas daquela região vinham recebendo de alguns judeus convertidos. Dentro deste tema, vemos várias semelhanças com outras cartas de Paulo, principalmente a carta aos Romanos. Por outro lado, um tema que não vemos nessa carta de Paulo, e que vemos em todas as outras, é algum tipo de elogio ao grupo que a recebe. Nesta carta, Paulo não faz nenhum elogio aos Gálatas. Na minha opinião, isso mostra o nível de indignação que o apóstolo se encontrava com aquelas igrejas.

Quais são os principais desafios que enfrentamos ao entender a epístola aos Gálatas?

Os escritos de Paulo são largamente utilizados por diversas pessoas para interpretações duvidosas ou que têm pouca concordância bíblica. Num geral, a carta é simples de ser entendida, contanto que os versículos não sejam interpretados de maneira isolada, ignorando-se outras passagens da Palavra.

Quais textos eu preciso ler para entender Gálatas?

É interessante ler os capítulos 13, 14 e 15 de Atos para entender a passagem de Paulo pela região (13 e 14) e também o concílio de Jerusalém (15), quando a igreja decide que não é necessária a circuncisão dos gentios convertidos.

Por qual motivo devemos estudar a carta de Paulo aos Gálatas?

Esta carta nos ensina sobre a justificação pela fé e não pelas obras. Isso nos livra de uma religião legalista e nos leva para a liberdade que temos em Cristo. Entender isso, em apenas 6 capítulos, é algo maravilhoso. Todo cristão deveria estudar profundamente esta carta.

O capítulo 1

No capítulo 1 Paulo reforça o seu apostolado e apresenta sua indignação com aquelas igrejas. Neste capítulo, veremos os seguintes assuntos sendo tratados:

  • Apresentação (versículos 1 a 5)
  • O outro evangelho (6 a 9)
  • Paulo recebeu o evangelho de Cristo, não de homens (10 a 12)
  • Paulo como um fariseu (13 e 14)
  • Paulo após a conversão (15 a 24)

Analisaremos com mais detalhes alguns destes pontos.

Vídeo do estudo de Gálatas 1

Paulo se apresenta

O primeiro ponto que chama a atenção é a maneira como ele começa se apresentando:

Paulo, apóstolo (não da parte dos homens, nem por homem algum, mas por Jesus Cristo e por Deus Pai, que o ressuscitou dos mortos),

Gálatas 1:1

Paulo abre a sua carta àquelas igrejas afirmando ser um apóstolo, uma pessoa enviada por Cristo para pregar a Palavra, para expandir o Reino, levando as boas novas. Ele ressalta também que não foi enviado por homens, nem se tornou apóstolo por alguma pessoa, mas diretamente por Cristo e pelo Pai.

Esta apresentação de Paulo dá o tom da carta: quem está falando não é uma pessoa qualquer, mas sim uma pessoa enviada por Deus para exortar aquelas igrejas.

Aqui ele já está confrontando os ensinos judaizantes que estavam enganando aquelas pessoas. De certa forma, Paulo estava até mesmo questionando a autoridade divina das pessoas que estavam ensinando aquelas igrejas de maneira incorreta.

No verso 3, Paulo continua o questionamento do ensino:

“graça e paz, da parte de Deus Pai e da de nosso Senhor Jesus Cristo,”

Gálatas 1:3

Afirmando aqui a graça que traz a paz, e não as leis, que trazem prisão. O assunto da carta seria exatamente a justificação pela fé, através da graça, em contraponto à justificação pela lei, através das obras.

Após essa apresentação, Paulo ainda escreve por um tempo sobre quem ele é e o seu chamado:

“Porque já ouvistes qual foi antigamente a minha conduta no judaísmo, como sobremaneira perseguia a igreja de Deus e a assolava. E, na minha nação, excedia em judaísmo a muitos da minha idade, sendo extremamente zeloso das tradições de meus pais.”

Gálatas 1:13,14

Paulo tinha autoridade para falar sobre a lei, uma vez que foi seu seguidor fiel. Paulo tinha autoridade para falar sobre a graça, pois havia sido alcançado por ela (Atos 9). Paulo tinha autoridade para falar sobre o evangelho, pois havia sido instruído pelo próprio Cristo (Gl 1:12).

A ida de Paulo para Jerusalém

Note que aqui, assim como acontece em outras cartas, descobrimos algo sobre Paulo que não é narrado em Atos.

“nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia e voltei outra vez a Damasco. Depois, passados três anos, fui a Jerusalém para ver a Pedro e fiquei com ele quinze dias.”

Gálatas 1:17,18

Esta viagem de três anos pelo deserto não é relatada em Atos 9. Lá, na narrativa feita por Lucas, o que lemos nos versículos 18 e 19 nos faz entender que esse tempo não existiu.

Ao que tudo indica, e os principais estudiosos da Palavra concordam, foi durante este tempo que Paulo foi ensinado por Cristo a respeito do Evangelho. Não sabemos como isso aconteceu, mas essa foi uma viagem decisiva para o ministério de Paulo.

A indignação de Paulo

A partir do versículo seis, Paulo apresenta a sua indignaçaõ com aquelas igrejas:

“Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho,”

Gálatas 1:6

O tom da carta seria esse: uma exortação pesada para aquelas igrejas que estavam aceitando o ensino de que precisamos obedecer à lei para sermos justificados diante de Deus.

Os cristãos judaizantes, como falamos antes, estavam ensinando que era necessário que o povo se circuncidasse para que fosse salvo. Paulo vai totalmente contra este ensino e reafirma que somos justificados pela fé, salvos pela graça do Senhor.

O que aprendemos aqui é que não podemos sequer imaginar que as nossas obras têm alguma serventia para nossa justificação ou salvalção. As obras existem, mas são um fruto, uma consequência da nossa fé, e não o contrário (Tiago 2:14-26).

Desafios do capítulo

Os desafios do capítulo, para você que está estudando o livro de Gálatas, são os seguintes:

  • Leia novamente todos os textos citados aqui de outros livros: Atos 9, Tiago 2:14-26, Atos 13, 14 e 15;
  • Deixe o seu comentário explicando a relação entre a fé, as obras e a nossa justificação. Se possível, faça isso sem consultar e nenhum lugar, apenas com o que você se lembra. Isso vai ajudar você a refletir melhor sobre o que está escrevendo;
  • Ore agradecendo a Deus por ter lhe ajudado a entender um pouco mais sobre esse capítulo.

Deixe um comentário