Estudo de 2 Pedro – Capítulo 3

O capítulo 3 de 2 Pedro fecha esta carta com mais algumas recomendações e cuidados que a igreja deve tomar.

Nele, vemos os seguintes assuntos:

  • Onde está Cristo (1 a 7)
  • O dia do Senhor (8 a 13)
  • Santos e irrepreensíveis (14 a 16)
  • Devemos estar vigilantes (17 e 18)

Veremos alguns deles aqui no estudo de 2 Pedro 3.

Amados

Pedro abre este trecho da carta chamando seus irmãos de “amados”, palavra que ele usa 4 vezes neste capítulo de sua carta.

“Amados, escrevo-vos, agora, esta segunda carta, em ambas as quais desperto com exortação o vosso ânimo sincero,”

2 Pedro 3:1

Reforçar tantas vezes num trecho tão curto, apenas um capítulo, que seus destinatários eram pessoas a quem ele amava, era uma forma de demonstrar seu cuidado pastoral com essas pessoas.

Pedro afirma aqui que esta é sua segunda carta. Existe alguma discussão a respeito de qual seria a primeira carta à qual Pedro está se referindo aqui, se seria a outra carta dele que temos na Palavra, ou se seria alguma outra carta enviada por ele aos mesmos destinatários.

Onde está Cristo?

“sabendo primeiro isto: que nos últimos dias virão escarnecedores, andando segundo as suas próprias concupiscências e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque desde que os pais dormiram todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação.”

2 Pedro 3:3,4

Pedro avisa aos seus leitores que apareceriam pessoas escarnecendo dos cristãos, questionando onde está Cristo, que disse que voltaria. Vale lembrar, como falamos no estudo de 1 Tessalonicenses, que algumas pessoas acreditavam que Cristo voltaria enquanto ainda estavam vivos. Pedro deixa claro para os leitores que deveriam tomar cuidado para não serem levados por estes questionamentos, ficando firmes e constantes no Senhor.

Pedro ainda explica, com um argumento bíblico, que Cristo voltaria quando quisesse, quando todos menos esperarem:

“Eles voluntariamente ignoram isto: que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste; pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio.”

2 Pedro 3:5,6

As pessoas não esperavam um dilúvio e, mesmo assim, ele aconteceu de maneira súbita. Tão repentinamente quanto o dilúvio, será a volta de Cristo. Devemos então, seguir a orientação de Pedro no capítulo 1 de sua primeira carta:

“Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo”

1 Pedro 1:13

O dia do Senhor

No segundo trecho deste capítulo, a segunda vez onde Pedro usa a palavra “amados”, ele diz o seguinte:

“Mas, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos, como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para convosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.”

2 Pedro 3:8,9

Neste trecho, Pedro continua argumentando que a volta de Cristo se dará quando o Pai bem entender que deva ser, afinal, o tempo é entendido de maneira completamente diferente para Deus e para nós.

A finitude da nossa vida faz com que entendamos o tempo como algo muito mais precioso do que ele realmente é. Ao deixar com que o pensamento de que temos um tempo definido nessa vida influencie na nossa percepção da volta de Cristo, estamos nos esquecendo que somos eternos, que nossa pátria não é aqui. Cristo não demora para voltar, uma vez que somos eternos. Só temos a impressão de algum tipo de demora pois nos limitamos a enxergar as coisas como se fossem acontecer apenas em nossa vida terrena.

Pedro afirma ainda que Cristo não voltou por uma questão de longanimidade, e não de demora ou de falha na promessa. Deus, sendo amor, deseja que todos se arrependam de seus pecados e se salvem.

Santos e irrepreensíveis

Na terceira vez onde usa a palavra “amados”, Pedro diz:

“Pelo que, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz”

2 Pedro 3:14

O que ele diz é que, aguardando a volta de Cristo (“novos céus e nova terra”, no verso 13), precisamos ser achados santos, sem nada do que possamos ser acusados.

É necessário que aguardemos a volta de Cristo, sabendo que nesse dia as pessoas serão julgadas e que devemos, enquanto estamos aqui, permanecer fieis a Ele. Esse trecho da carta conversa totalmente com a parábola das dez virgens, contada por Cristo em Mateus 25.

Pedro também fala sobre isso alguns versículos antes:

“Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato e piedade, aguardando e apressando-vos para a vinda do Dia de Deus, em que os céus, em fogo, se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão?”

2 Pedro 3:11,12

Sabendo que Cristo voltará, que um dia teremos “novos céus e uma nova terra”, quem convém que sejamos? Quais devem ser nossos comportamentos e pensamentos?

É importante que façamos uma reflexão para responder essa pergunta de Pedro.

Devemos estar vigilantes

Em sua última utilização do termo “amados”, Pedro diz:

“Vós, portanto, amados, sabendo isto de antemão, guardai-vos de que, pelo engano dos homens abomináveis, sejais juntamente arrebatados e descaiais da vossa firmeza; antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora como no dia da eternidade. Amém!”

2 Pedro 3:17,18

O apóstolo finaliza a sua carta pedindo que seus leitores estejam atentos, firmes e vigilantes, conhecendo a Palavra, para que não sejam enganados.

Precisamos, cada dia mais, entender a Palavra, estudá-la, guardá-la em nossos corações, para que não sejamos enganados.

Desafios do capítulo

Chegamos ao fim de mais um estudo bíblico e o seu desafio para o capítulo 3 é o de comentar, sem pesquisar em lugar algum, quais os assuntos que você se lembra que Pedro trata em suas cartas.

Paz.

Faça parte de nossa comunidade no Telegram e receba conteúdo exclusivo antes de todo mundo!

Deixe um comentário