Versículo

O culto sempre acaba tarde!

André
Escrito por André

“E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos. E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si.” (Mateus 14:14,15)

Como eu me vejo em algumas atitudes dos discípulos…

Mas não naquelas boas e positivas, me vejo normalmente naquelas que envolvem falta de fé, raiva ou impaciência. Infelizmente sou um pouco assim.

O que aconteceu nesse episódio é que Jesus estava curando as pessoas, conversando e se movendo em profunda compaixão. Os discípulos, preocupados com a hora e também com as pessoas, estavam tentando organizar o evento.

Eu me vejo nisso pois normalmente coloco em segundo plano o agir de Deus para priorizar a organização e o bem estar das pessoas. Na minha opinião, talvez, as coisas devessem estar invertidas: primeiro nos preocupamos com o poder de Deus, em desfrutar da sua presença e aproveitar o que Ele está fazendo. Após isso nos preocupamos se o culto está passando do horário, se estamos cansados ou se algumas pessoas não estão se sentindo bem.

Veja só: não estou dizendo que os discípulos fizeram o que eu faço, muito pelo contrário. O simples fato de Jesus ter atendido à preocupação dos discípulos mostrava a sua legitimidade. O que digo é que me identifiquei e coloquei-me na mesma situação. Eu certamente seria um dos primeiros a alertar Jesus sobre a hora, sobre as pessoas, sobre a fome, etc. Infelizmente preciso admitir que faria isso independentemente do que estava acontecendo ali, das curas, da compaixão, etc.

Se você também é do tipo de se preocupa mais com a organização das coisas e menos com o que Deus está fazendo, talvez se identifique também.

Paz.

Sobre o autor

André

André

Cristão, casado, pai, trabalhador. Leva a sério a palavra de Deus e isto muitas vezes o faz não ser bem visto. Ama escrever, por isso, sempre que pode, o faz.

Deixe um comentário