Mensagem

Vivifica-nos

A mensagem de hoje aborda o Livro dos Salmos. Esse livro é composto (obviamente) dos salmos, que constituem escritos poéticos de autores variados, reunidos originalmente para declamação ou canto. Na origem grega do termo, os salmos referem-se a “canções a serem entoadas ao som da harpa”; mas são inclusos como salmos as orações, as lamentações individuais, os poemas sobre a sabedoria e a confiança e as ações de graça, entre outras formas de composição em verso.

Estima-se que grande parte dos salmos tenha sido escrita por Davi, mas há também salmos atribuídos a Asafe, aos filhos de Corá (que eram levitas no período do Rei Josafá, de acordo com 2 Crônicas 20: 19) e até mesmo a Moisés. Não importando a sua autoria, no entanto, os salmos são inspirações do Espírito Santo e, como tais, capazes de revelar a essência de Deus para as nossas vidas e expressar, se recitados, o que vai no nosso interior com relação ao Pai.

Entre os 150 salmos que compõem, cada um, os 150 capítulos que formam esse Livro, chama a atenção o salmo 119. Com 176 versículos, esse salmo não apenas é o maior capítulo de toda a Bíblia, como, na versão original, é dividido em estrofes de oito versos, cada uma iniciando por uma letra do alfabeto hebraico. E destaca-se o fato de que o salmista constrói cada verso (sejam os de exaltação, queixa ou libertação) fundamentado na dádiva da Lei de Deus.

O salmo 119 estabelece a Palavra de Deus como padrão para todas as coisas. Nele, a lei divina é enfatizada como excelente e a observância aos mandamentos como o caminho para a felicidade. Esse salmo também revela o desejo do salmista em cumprir os mandamentos, denotado principalmente no uso de expressões como “cumprirei os teus decretos” (v. 8), “guardo no coração as tuas palavras” (v. 11), “meditarei nos teus preceitos” (v. 15), “terei prazer nos teus mandamentos” (v. 47), “apresso-me […] em guardar os teus mandamentos” (v. 60), “nunca me esquecerei dos teus preceitos” (v. 93), “amo os teus mandamentos” (v. 127), “alegro-me nas tuas promessas” (v. 162), entre outras.

E a maneira de reter os mandamentos dá-se por meio do próprio ânimo conferido pela lei do Senhor. Assim, a retenção da Palavra de Deus é definida como processo de vivificação. Notem-se, por exemplo, como o vocábulo “vivifica-me” é utilizado nos versículos 25, 37, 40, 50, 88, 107, 149, 154, 156 e 159, tanto como meio de guardar os decretos eternos como fim a que se chega ao fazê-lo.

Isso é demonstrado no versículo 25, em particular, na súplica do salmista: “A minha alma está apegada ao pó; vivifica-me segundo a tua palavra”. A comoção em que se dá esse clamor revela a condição de alguém que estava abatido e sem forças e necessitava de um toque do Altíssimo para reviver; e cujo caminho para tanto era certo de ser encontrado no poder da revelação divina.

Essa dádiva dupla da Palavra está disponível para nós. Não obstante à imensa distância que nos separa da época de composição do salmo 119, o valor eterno da lei do Senhor é poderoso para penetrar todas as esferas corroídas e sem vida da nossa alma e do nosso coração e nos conferir vida em abundância. Apeguemo-nos, então, à Palavra e sejamos vivificados por sua luz e verdade.

Em Cristo,

Autor original: Ap. Rina
Recebido por e-mail.

Sobre o autor

André

André

Cristão, casado, pai, trabalhador. Leva a sério a palavra de Deus e isto muitas vezes o faz não ser bem visto. Ama escrever, por isso, sempre que pode, o faz.

Deixe um comentário