Mensagem

Sentar-se na roda dos escarnecedores

Bárbara Cunha
Escrito por Bárbara Cunha

“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.”(Salmos 1:1)

Não pense que a ideia é criticar os cristãos que andam com pessoas não convertidas, aqueles que “se assentam na roda dos escarnecedores”.

Na verdade, o objetivo é refletir no texto de Mateus 9:09-13:

“E Jesus, passando adiante dali, viu assentado na alfândega um homem, chamado Mateus, e disse-lhe: Segue-me. E ele, levantando-se, o seguiu.
E aconteceu que, estando ele em casa sentado à mesa, chegaram muitos publicanos e pecadores, e sentaram-se juntamente com Jesus e seus discípulos.
E os fariseus, vendo isto, disseram aos seus discípulos: Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?
Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes.
Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. ”

Jesus se sentou à mesa com pecadores, homens de má fama, odiados por muitos. Mas nem por isso pecou, Ele era (e é) o Cristo.

Considerando os dois trechos (de Salmos e Mateus), não há como limitar a comunicação com quem não é convertido. O texto não diz que quem teme a Deus deve ignorar aqueles que não temem, porém, ao estarmos com essas pessoas, temos o dever de mostrar o padrão do reino ao ponto de constrangê-los do pecado sem apontar nenhum deles, já que somos cristãos.

Se Cristo, que é o próprio Deus, jantou com pecadores sem recriminá-los, como nós, que pecamos tanto como eles, podemos negar de nos aproximar de quem ainda não conhece o Pai, independente de quem sejam?

O padrão do reino tem que ser tão real em nós ao ponto de impactar qualquer um que tiver contato conosco. Contudo, não podemos deixar que o modelo de vida deles interfira em nosso modo de viver.

Não podemos aceitar que os “amigos do mundo” mantenham hábitos errados perto de nós, eles precisam se sentir incomodados por pecar perto de nós devido a presença de Deus que carregamos.

Além do mais, Jesus nos deixou a missão de pregar o evangelho para todos (Marcos 16:15), isto inclui pessoas boas e ruins. A missão de revelar Cristo para a humanidade é nossa, dos filhos de Deus.

Sobre o autor

Bárbara Cunha

Bárbara Cunha

Paulista de 20 e alguns anos. Cristã convicta. Jornalista. Corintiana torcedora do Arsenal da Inglaterra. Apaixonada por filmes, séries e música.

2 Comentários

  • Excelente a matéria sobre as duas versões bíblicas (sentar-se na roça dos escarnecedores). Deus não faz distinção de pessoas e deseja salvar a todos.

    • Olá, Iranildo!

      Você tem razão, Deus não faz acepção de nenhuma pessoa. Temos que ter isso em mente sempre!

      Obrigada pelo comentário, continue nos acompanhando.

      Deus te abençoe.

Deixe um comentário