Jesus e seus discípulos

Olhando para a vida e ministério de Cristo, aprendo algumas coisas muito interessantes, que devem se aplicar à minha vida.

Vejamos o começo do ministério de Jesus:

“Desde então começou Jesus a pregar, e a dizer: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. E Jesus, andando junto ao mar da Galiléia, viu a dois irmãos, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão, os quais lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores; E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.”

Mateus 4:17-19

Ele começa seu ministério de maneira muito frutífera, chamando pessoas para andarem com Ele e vendo estas pessoas largarem tudo em suas vidas para isso.

Vemos ainda que, em algum momento de sua jornada aqui na Terra, ele já contava com muitos discípulos e parecida disposto a crescer ainda mais este número de pessoas:

“E depois disto designou o Senhor ainda outros setenta, e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir. E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara.”

Lucas 10:1,2

É verdade também que no meio do caminho, as coisas mudaram um pouco e muitos discípulos resolveram “pular fora do barco”:

“Muitos, pois, dos seus discípulos, ouvindo isto, disseram: Duro é este discurso; quem o pode ouvir? Sabendo, pois, Jesus em si mesmo que os seus discípulos murmuravam disto, disse-lhes: Isto escandaliza-vos? Que seria, pois, se vísseis subir o Filho do homem para onde primeiro estava? O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos digo são espírito e vida. Mas há alguns de vós que não crêem. Porque bem sabia Jesus, desde o princípio, quem eram os que não criam, e quem era o que o havia de entregar. E dizia: Por isso eu vos disse que ninguém pode vir a mim, se por meu Pai não lhe for concedido. Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele.”

João 6:60-66

No fim vemos que, mesmo tendo tido um ministério com muitos discípulos, Jesus terminou com apenas 11 pessoas:

“Mas o anjo, respondendo, disse às mulheres: Não tenhais medo; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui, porque já ressuscitou, como havia dito. Vinde, vede o lugar onde o Senhor jazia. Ide pois, imediatamente, e dizei aos seus discípulos que já ressuscitou dentre os mortos. E eis que ele vai adiante de vós para a Galiléia; ali o vereis. Eis que eu vo-lo tenho dito. E os onze discípulos partiram para a Galiléia, para o monte que Jesus lhes tinha designado.”

Mateus 28:5-7;16

Analisando muito superficialmente tudo isso, se a história tivesse parado ali, poderíamos até mesmo dizer que o ministério de Jesus foi um fracasso. Muitas pessoas deixando de segui-lo e, em seus últimos momentos, após ser traído por um dos seus, ele termina sua vida com apenas 11 pessoas.

Olhando para essa análise, vejo que a mesma coisa acontece com muitas pessoas: começamos a ganhar pessoas para Cristo, algumas se tornam discípulos, que acabam trazendo mais pessoas e, de repente, a maioria vai embora. Uns se desviam, outros apenas deixam de aparecer na célula, no culto, etc.

Nesses momentos podemos nos sentir abalados, pensando que talvez esse não seja o nosso chamado, ou que não estamos cumprindo o que Jesus nos pede em Mateus 28.

Porém isso não está correto. Jesus, com apenas 11 pessoas, fez com que as boas novas chegassem a toda a humanidade. Nós não podemos nos sentir para baixo quando as coisas não acontecem da maneira como esperávamos, quando as pessoas não correspondem como gostaríamos que elas correspondessem.

O que eu penso que devemos fazer é a mesma coisa que Jesus fez: orar, jejuar, chamar as pessoas, investir tempo com elas, ensiná-las e chamá-las para que façam novos discípulos. O restante, as pessoas que vão aceitar, isso é com o Pai. Devemos nos lembrar do que o próprio Jesus nos disse:

“Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros. Rogai, pois, ao Senhor da seara, que mande ceifeiros para a sua seara.”

Mateus 9:37,38

Quem manda os ceifeiros é o SENHOR da seara, não somos nós. Paulo entendeu isso e ensinou bem:

“Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento.”

1 Coríntios 3:5-7

Agora, o que você deve refletir é: em qual momento da minha jornada com Cristo eu estou? Se o seu momento é o de começar a fazer discípulos, então ore ao SENHOR, para que Ele envie as pessoas, para que Ele dê o crescimento. Ore, jejue, convite, invista tempo, ensine e envie as pessoas.

Paz.

Deixe um comentário