Estudo do Evangelho de João 19

O capítulo 19 narra os fatos que concernem à morte de Cristo. Veremos muitas coisas acontecendo neste capítulo, fatos importantes que nos levam a reflexões profundas.

Neste capítulo veremos os seguintes fatos:

  • Jesus sofre açoites – Isaías 50:6 (1 a 3)
  • Pilatos afirma não encontrar nenhum crime em Jesus (4 a 6)
  • Jesus, o filho de Deus (7 a 11)
  • Pilatos com medo de César (12 a 16)
  • Jesus, o Rei dos Judeus (17 a 22)
  • A profecia de Salmos 22:18 (23 e 24)
  • João e Maria (25 a 27)
  • Salmos 34:20, 69:21 e Zacarias 12:10 (28 a 37)
  • Os discípulos ocultos (38 a 42)

Vejamos alguns pontos de destaque.

Um pouco de história

Antes de entrarmos no entendimento deste capítulo, é bom entendermos um pouco do cenário e dos personagens.

Jesus é julgado no Sinédrio. O Sinédrio era um lugar onde juízes judeus julgavam os casos trazidos a eles. Ou seja, uma instituição do povo de Israel. Era algo como um “supremo tribunal” para nós.

Após isso, Jesus é levado para Anás, sogro de Caifás. Para entender isso, precisamos entender primeiro quem era Caifás.

Caifás era o sumo sacerdote naquele tempo. Esta figura, a do Sumo Sacerdote, era uma figura importantíssima para o povo judeu, uma vez que ele era o responsável por interecer pelo povo diante de Deus. Ele também era a autoridade máxima do Sinédrio, o responsável final pelo que acontecia lá.

Anás, para quem Jesus foi levado antes de ser levado para o sumo sacerdote, era sogro de Caifás. Alguns dizem que Anás havia sido sumo sacerdote anteriormente e, por isso, Jesus acabou sendo levado para ele antes. Outros dizem que isso aconteceu para que Caifás pudesse ter uma outra opinião e tomar a decisão mais correta.

Aqui, a história do povo de Israel começa a se misturar com a do povo Romano. Nesta época, Roma dominava sobre Israel. Apesar de ainda permitir que Israel se mantivesse como uma nação, eles eram obrigados a se submeter a Roma.

Uma das coisas que Roma fazia, por exemplo, era nomear quem seria o sumo sacerdote. Ou seja, Caifás, havia sido nomeado por Roma para o cargo.

Após sair de Caifás, Jesus é enviado para Pilatos, governador Romano para a região da Judeia na época. Nesso momento, Jesus sai do domínio judeu e vai para o domínio Romano.

Pilatos se submetia diretamente a César, título de todo imperador Romano. Na época de Jesus o César era Tibério.

Com esse contexto histórico, conseguimos entender um pouco mais o que aconteceu aqui no capítulo 19 de João.

As profecias se cumprem

Este é um capítulo muito interessante pois muitas profecias se cumprem aqui. Vou listar algumas.

Jesus sofre açoites

Lemos aqui no capítulo 19 que Jesus é açoitado por Pilatos, recebe uma coroa de espinhos e apanha dos soldados romanos.

“Pilatos, pois, tomou então a Jesus, e o açoitou. E os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram sobre a cabeça, e lhe vestiram roupa de púrpura. E diziam: Salve, Rei dos Judeus. E davam-lhe bofetadas.”

João 19:1-3

Este evento é o cumprimento do que lemos em Isaías:

“O Senhor DEUS me abriu os ouvidos, e eu não fui rebelde; não me retirei para trás. As minhas costas ofereci aos que me feriam, e a minha face aos que me arrancavam os cabelos; não escondi a minha face dos que me afrontavam e me cuspiam.”

Isaías 50:5,6

Vestes repartidas

Após a crucificação, os soldados romanos dividem entre si as vestes de Cristo:

“Tendo, pois, os soldados crucificado a Jesus, tomaram as suas vestes, e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e também a túnica. A túnica, porém, tecida toda de alto a baixo, não tinha costura. Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela, para ver de quem será. Para que se cumprisse a Escritura que diz: Repartiram entre si as minhas vestes, E sobre a minha vestidura lançaram sortes. Os soldados, pois, fizeram estas coisas.”

João 19:23,24

Este evento é o cumprimento da profecia que lemos em Salmos:

“Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sortes sobre a minha roupa.”

Salmos 22:18

Beber vinagre

Durante a crucificação, quando Jesus tem sede, os soldados lhe dão vinagre para beber:

“Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede. Estava, pois, ali um vaso cheio de vinagre. E encheram de vinagre uma esponja, e, pondo-a num hissopo, lha chegaram à boca.”

João 19:28,29

É exatamente o cumprimento da profecia de Salmos:

“Deram-me fel por mantimento, e na minha sede me deram a beber vinagre.”

Salmos 69:21

Nenhum osso quebrado

Apesar de ossos dos dois ladrões da cruz terem sido quebrados, nenhum osso de Cristo precisou ser quebrado:

“Os judeus, pois, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação (pois era grande o dia de sábado), rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados. Foram, pois, os soldados, e, na verdade, quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que como ele fora crucificado; Mas, vindo a Jesus, e vendo-o já morto, não lhe quebraram as pernas.”

João 19:31-33

Cumprindo outra profecia de Salmos:

“Ele lhe guarda todos os seus ossos; nem sequer um deles se quebra.”

Salmos 34:20

Teve o lado traspassado

Após sua morte, os soldados furam o lado de Cristo:

“Contudo um dos soldados lhe furou o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.”

João 19:34

O que cumpriu a profecia de Zacarias 12:

“Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e prantearão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito.”

Zacarias 12:10

O mais importante

De qualquer forma, apesar do contexto histórico, das profecias cumpridas, o mais importante deste capítulo é o que encontramos no verso 30:

“E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.”

João 19:30

Aqui vemos o limite do amor de Deus por nós: quando Jesus entrega, por sua própria vontade, alinhado com o o propósito de Deus, sua vida por nós. A vida de Cristo não foi tomada dele, não foi arrancada por fariseus furiosos.

Jesus se entregou, voluntariamente, para pagar o preço dos nossos pecados. Hoje somos livres do poder do pecado, sabemos que a morte foi vencida e que viveremos eternamente ao lado do Pai. Nada é mais importante que isso.

Você pode viver uma vida livre do pecado, conhecer o amor verdadeiro e se conectar diretamente com o Pai. Cristo conquistou isso por nós na Cruz. Nós não merecíamos, não éramos dignos e nem fizemos nada para conquistar isso. Tudo foi feito por Cristo.

O que nos resta é entregarmos nossas vidas totalmente a Ele.

Deixe um comentário