Estudo de Provérbios 30

Provérbios 30 é o capítulo onde temos “As palavras de Agur”. Não temos informações bíblicas nem históricas sobre quem foi essa pessoa. Alguns estudiosos acreditam que seria um pseudônimo de Salomão, ideia que é facilmente descartada dado o estilo do texto.

Independentemente de quem tenha sido Agur, vemos que existem verdades preciosas que podemos extrair deste capítulo de Provérbios.

O que me chamou muito a atenção neste texto é como o autor destaca alguns pontos que deveriam ser vistos em nossas vidas.

Humildade

“Na verdade eu sou o mais bruto dos homens, nem mesmo tenho o conhecimento de homem. Nem aprendi a sabedoria, nem tenho o conhecimento do santo.”

Provérbios 30:2,3

Agur abre sua exposição reconhecendo suas falhas e fraquezas. Fazer isso deve ser uma marca na vida do cristão. Nós não somos perfeitos, não somos melhores que outras pessoas e reconhecemos que temos diversas falhas.

Essa humildade e vulnerabilidade em reconhecer nossas fraquezas é que nos leva para mais perto de Cristo, o único pelo qual temos salvação de nossos pecados. A altivez e a arrogância não têm lugar na vida das pessoas que se renderam aos pés da cruz, que entregaram suas vidas ao SENHOR.

Existem dois exemplos muitos claros sobre isso na Palavra: o jovem rico e a parábola do fariseu e do publicano. Em ambos os casos vemos pessoas que, acreditando serem boas os sufuciente, não se abrem para reconhecer suas fraquezas e se achegarem a Cristo de maneira mais próxima.

Agur também diz:

“Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia.”

Provérbios 30:12

Não reconhecer os nossos pecados, não admitir que somos falhos e necessitamos do perdão de Deus, é algo que nos afasta do SENHOR e não deve existir em nossas vidas.

Nossa posição em relação a Deus

“Quem subiu ao céu e desceu? Quem encerrou os ventos nos seus punhos? Quem amarrou as águas numa roupa? Quem estabeleceu todas as extremidades da terra? Qual é o seu nome? E qual é o nome de seu filho, se é que o sabes?”

Provérbios 30:4

Numa passagem que remete diretamente aos capítulos finais do livro de Jó, Agur nos mostra que devemos entender e reconhecer a posição do SENHOR em relação à nossa posição: somos criaturas, somos falhos e passageiros. Ele é o Criador, perfeito, santo e eterno.

Quando começamos a pensar que não somos criaturas, servos do SENHOR, passamos a nos colocar numa posição onde Deus deve nos servir, atendendo às nossas vontades e desejos iníquos.

Autoridade da Palavra

“Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele.”

Provérbios 30:5

Ele também reconhece a autoridade da Palavra de Deus. Em meu entendimento, essa deve ser uma marca na vida daqueles que se declaram cristãos.

Quando entendemos a autoridade da Palavra, passamos a não apenas saber disso, mas agir de acordo com o entendimento. Isso significa que estudar a Palavra todos os dias e ter reverência diante do que Deus diz. Aplicar os ensinamentos em nossas vidas deixa de ser uma opção e passa a ser uma obrigação de amor.

Ao falar sobre esse assunto, Spurgeon diz o seguinte:

“O apetite da Palavra de Deus aumenta naqueles que se alimentam dela. Por que você lê tanto a bíblia? Por que não tenho tempo de ler mais.”

200 Ilustrações – C. H. Spurgeon

Distância das tentações

“Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume; Para que, porventura, estando farto não te negue, e venha a dizer: Quem é o Senhor? ou que, empobrecendo, não venha a furtar, e tome o nome de Deus em vão.”

Provérbios 30:8,9

Com sabedoria e numa semelhança assustadora com a oração que Jesus nos ensinou, Agur pede que Deus o afaste das tentações. Ao pedir apenas pelo necessário para o seu dia, nem mais, nem menos, ele demonstra algo que deve ser visto em todos nós: o desejo por uma vida humilde e dependente do SENHOR.

Aqueles que dependem de Deus sabem que Ele trará a providência diária e não necessitam acumular, gerando uma falsa sensação de segurança.

Note que não advogo aqui contra o cuidado da saúde financeira ou contra o cuidado que devemos ter ao poupar. Apenas peço atenção ao comportamento de Agur, pedindo que Deus o afaste da tentação de deixar de confiar no SENHOR e passar a confiar nas riquezas.

Honra aos pais

“Há uma geração que amaldiçoa a seu pai, e que não bendiz a sua mãe.”

Provérbios 30:11

O tema da honra aos pais é apresentando ao longo de toda a Palavra e não deixa de ser uma verdade, uma marca para nós, em nenhum momento. Não podemos ser essa geração que não reconhece a importância de nossos pais.

Falando sobre isso, Salomão diz:

“Ouve teu pai, que te gerou, e não desprezes tua mãe, quando vier a envelhecer.”

Provérbios 23:22

Este é só um dos diversos textos onde Salomão fala sobre a honra aos pais. Devemos reconhecer a importância de nossos pais e mães em nossas vidas e constantemente orar por eles.

Arrependimento

“O caminho da mulher adúltera é assim: ela come, depois limpa a sua boca e diz: Não fiz nada de mal!”

Provérbios 30:20

Todo cristão, em minha opinião, deve ter a certeza de que se pecamos, precisamos nos arrepender.

No provérbio de Agur, ele fala sobre o caminho da pessoa pecadora, que comete o erro e não consegue admitir que o fez, não consegue perceber que pecou e que precisa de arrependimento.

Nesse caso, entendo que arrependimento é estar disposto a assumir o seu erro diante de Deus, clamando pelo perdão e estando pronto para uma mudança de atitude.

Além disso, creio que também seja estar disposto a fazer o que o Espírito Santo direcionar para reparar o seu erro. Uma passagem que fala um pouco sobre repararmos os erros que cometemos, é a do encontro de Jesus com Zaqueu:

“E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão.”

Lucas 19:8,9

Jesus não diz que é por isso, mas é curioso ver que, logo após Zaqueu dizer que restituiria tudo o que tivesse defraudado das pessoas, Jesus dizer que a salvação havia chegado naquela casa.

Pode ser uma crença muito pessoal, mas acredito que precisamos pedir a orientação do Espírito no trato de nossos pecados.

Dedicação

“As formigas não são um povo forte; todavia no verão preparam a sua comida;”

Provérbios 30:25

Salomão fala diversas vezes no livro de Provérbios sobre a questão da dedicação. Agur nos traz o mesmo entendimento, de que devemos ser pessoas dedicadas naquilo que fazemos, de que devemos evitar a preguiça.

Precisamos entender que, como cristãos, fomos chamados para servir. Este servir é um servir dedicado e sem preguiça.

Prática da Palavra

“Os coelhos são um povo débil; e contudo, põem a sua casa na rocha;”

Provérbios 30:26

Estes pontos trazidos por Agur não poderiam deixar de citar a tão falada sabedoria. Quando fala que os coelhos, apesar de não serem um povo inteligente, colocam suas casas na rocha, fazemos uma ligação instantânea com as Palavras de Cristo:

“Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;”

Mateus 7:24

O cristão não deve ser apenas um ouvinte da Palavra, deve ser uma pessoa que ouve, estuda, medita e pratica a Palavra.

Unidade

“Os gafanhotos não têm rei; e contudo todos saem, e em bandos se repartem;”

Provérbios 30:27

Agur fala ainda sobre a unidade dos gafanhotos que, mesmo sem ter um líder, saem em bandos e são temidos nas fazendas. A força deles não está em um deles sozinho, mas sim na unidade.

A mesma coisa acontece conosco como cristãos: somos mais fortes quando estamos andando em unidade e não divididos. Temos um texto bíblico muito famoso que fala sobre isso:

“Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. … porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre.”

Salmos 133:1,3b

Fomos chamados por Cristo para sermos um corpo. Não podemos andar divididos, essa deve ser uma marca do cristão.

Note como Agur, em apenas um texto curto, um capítulo do livro de Provérbios, consegue nos ensinar tanto sobre o caminhar do cristão. Ele nos mostra pontos que são essenciais para nossas vidas, coisas sobre as quais precisamos meditar.

O que fico pensando ao ler este capítulo é: em quais destes pontos eu tenho falhado? Em quais deles eu posso fazer melhor?

Espero sinceramente que o Espírito Santo fale com você através desta meditação.

Paz.

Deixe um comentário