Estudo de Eclesiastes 7

Em Eclesiastes 7 vemos que o pensamento do pregador começa a se formar. Apesar de muitos questionamentos ainda existirem, de muitos conceitos que nos parecem estranhos, ele começa a chegar a algumas conclusões importantes.

Quero destacar dois pontos que me chamaram a atenção neste capítulo, sem me esquivar dos assuntos mais complexos.

Provérbios em Eclesiastes?

Antes de entrar nos assuntos deste capítulo, chamou-me a atenção a semelhança dos primeiros versículos com a maneira como Salomão escreveu alguns provérbios: meditações simples, contrastando dois pontos de vista. Veja, por exemplo, o versículo 1:

“Melhor é a boa fama do que o melhor ungüento, e o dia da morte do que o dia do nascimento de alguém.”

Eclesiastes 7:1

O estilo do texto é muito semelhante a diversos outros textos escritos por Salomão em Provérbios. Veja esse exemplo:

“É melhor um bocado seco, e com ele a tranqüilidade, do que a casa cheia de iguarias e com desavença.”

Provérbios 17:1

Esse pode ser mais um indicativo da autoria do livro, apesar de não comprovar essa teoria.

Reflexões no momento do luto

Esse capítulo começa com uma reflexão sobre o momento da perda, o momento do luto:

“Melhor é a boa fama do que o melhor ungüento, e o dia da morte do que o dia do nascimento de alguém. Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração. Melhor é a mágoa do que o riso, porque com a tristeza do rosto se faz melhor o coração. O coração dos sábios está na casa do luto, mas o coração dos tolos na casa da alegria.”

Eclesiastes 7:1-4

Esta é uma conclusão muito fácil da maioria de nós nos conectarmos, afinal, quando vamos para uma festa ou para um lugar onde existe muita alegria, ficamos envolvidos por aquilo. Nesses momentos, aproveitamos as belezas da vida e podemos até mesmo acreditar que a vida é isso: aproveitar os momentos bons e só.

Quando vamos para um velório, por exemplo, inevitavelmente refletimos sobre a brevidade da vida. Infelizmente eu já estive em muitos velórios e, quanto mais jovem a pessoa que perdemos, mais eu refleti sobre a verdade de que a nossa vida é apenas um sopro. Lemos essa mesma verdade em Salmos:

“O homem é semelhante à vaidade; os seus dias são como a sombra que passa.”

Salmos 144:4

E o mesmo ensinamento em Tiago 4:

“Digo-vos que não sabeis o que acontecerá amanhã. Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um pouco, e depois se desvanece.”

Tiago 4:14

O ponto aqui é que, quando perdemos de vista que a nossa vida aqui na terra é passageira, perdemos também o senso de que o que mais importa para nós é a eternidade, de que, apenas lá, teremos a vitória final. Os momentos de luto nos trazem essa realidade de maneira muito viva e, por isso, o pregador nos afirma que é melhor estamos na casa onde há luto do que na casa onde há alegria.

Vale lembrar que o próprio autor de Eclesiastes, uns capítulos antes, diz que o melhor é aproveitar a vida, comer, beber e aproveitar do fruto do seu trabalho. Porém agora ele parece começar a refletir na brevidade da vida e no fato de que não podemos nos esquecer da eternidade, do valor do que é eterno frente à falta de valor do que é passageiro.

Peque, mas só um pouco?????

Preciso admitir que fiquei levemente em choque ao ler com calma o versículo 17:

“Não sejas demasiadamente ímpio, nem sejas louco; por que morrerias fora de teu tempo?”

Eclesiastes 7:17

Parece que o pregador está nos dizendo aqui que devemos pecar um pouco, mas não muito. Quem lê esse texto de maneira mais isolada pode até pensar isso. Para entender plenamente o que ele está dizendo, acredito que precisamos considerar também o versículo 20:

“Na verdade que não há homem justo sobre a terra, que faça o bem, e nunca peque.”

Eclesiastes 7:20

Este verso 20 explica o 17. Na minha opinião, o que o pregador está dizendo é que não existe ninguém que nunca pecou, ninguém que seja 100% santo e nunca erre. No texto do versículo 17 o que ele nos diz é que o pecado não pode, em hipótese alguma, ser uma constante em nossas vidas.

Não podemos viver uma vida de pecados. Porém, acredito eu, que também não podemos nos enganar, pensando que nós nunca mais cairemos em pecado.

Ao longo da caminhada tenho visto que as pessoas que não aceitam isso, que não aceitam que vão pecar uma vez ou outra, não consideram como pecado alguns comportamentos que são pecado sim.

Normalmente são os casos de pessoas que consideram como pecado apenas aquilo que os outros podem ver: adultério, relacionamentos fora do padrão de Deus, vícios, etc. Ao mesmo tempo são pessoas que se sentem bem confortáveis em mentir uma vez ou outra, em não ajudar o necessitado ou em falar mal umas das outras. Isso para citar apenas alguns exemplos.

São muitos textos na Palavra que se relacionam com este entendimento que o pregador está nos trazendo. Vale lembrar, por exemplo, que Pedro, convertido, que andou sobre as águas, que testemunhou milagres e que foi apóstolo de Cristo, mentiu 3 vezes só no momento da morte do Senhor. Este é apenas um exemplo, de muitos que encontramos na Palavra.

O apelo aqui com este texto é o que já comentei antes: lei pra dentro, graça pra fora. Muitas vezes julgamos as pessoas pelas falhas delas, mas nos esquecemos de nossos próprios erros. Lemos o que o pregador escreveu e achamos um absurdo, mas nos esquecemos do versículo 20 e da quantidade de erros que nós mesmos ainda cometemos.

Não julgue o próximo, apenas avalie a sua vida e corrija as suas próprias falhas.

Paz.

Deixe um comentário