Estudo de Eclesiastes 11

Eclesiastes 11 é o penúltimo capítulo do livro de Eclesiastes. Como temos visto ao longo do livro, o pregador aqui já tem mais conclusões e menos questionamentos.

Neste capítulo ele fala sobre muitas coisas, existem muitas reflexões que podemos extrair destes versos. Quero destacar duas:

  • Necessidade do trabalho
  • A realidade do juízo de Deus

O trabalho existe!

Alguns dos versículos que encontramos ao longo do livro de Provérbios, são muito interessantes. Eu sempre cito o seguinte:

“Eis aqui o que eu vi, uma boa e bela coisa: comer e beber, e gozar cada um do bem de todo o seu trabalho, em que trabalhou debaixo do sol, todos os dias de vida que Deus lhe deu, porque esta é a sua porção.”

Eclesiastes 5:18

O foco sempre parece estar na reflexão de que devemos comer e beber e aproveitar todo o fruto do nosso trabalho, pois isto é bom.

Porém, algo que pode passar sem que percebamos é que, em nenhum momento, o pregador fala que não teremos trabalho. inclusive, ele afirma neste versículo que o trabalho vai existir por “todos os dias de vida que Deus lhe deu”. Olhando somente para esse versículo, já podemos concluir que teremos trabalho todos os dias.

Aqui no capítulo 11, vemos algo similar se repetindo:

“Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela, ou se ambas serão igualmente boas.”

Eclesiastes 11:6

O que ele diz aqui é: semeia de manhã e, de tarde, fique de olho, não pare para descansar acreditando que tudo já está feito, seguro de que o seu trabalho vai lhe sustentar. Ele continua e diz que não sabemos qual será o fruto do nosso trabalho, por isso devemos estar sempre atentos e focados.

Ele falou sobre isso, inclusive, no capítulo 10:

“Por muita preguiça se enfraquece o teto, e pela frouxidão das mãos a casa goteja.”

Eclesiastes 10:18

O pregador é muito claro, ao longo do livro de Eclesiastes, de que aqui, debaixo do sol, teremos trabalho. Devemos nos dedicar, durante os dias que Deus nos deu, às nossas tarefas.

Tudo isso para que, do fruto do nosso trabalho possamos repartir, como ele afirma no versículo 2:

“Reparte com sete, e ainda até com oito, porque não sabes que mal haverá sobre a terra.”

Eclesiastes 11:2

Todo esse conceito de que devemos nos esforçar no trabalho e dividir o que temos está conectado com o restante da Palavra. Considere, por exemplo, o seguinte texto:

“Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também. Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando, antes fazendo coisas vãs.”

2 Tessalonicenses 3:10,11

Paulo, pela segunda vez, pede que os Tessalonicenses se dediquem ao trabalho. Ele é ainda mais duro dizendo que, se não quisessem trabalhar, que também não comessem.

Em tudo o que o fazemos, devemos fazer para o Senhor, nos esforçando e dando sempre o nosso melhor.

O juízo de Deus virá

Considere o seguinte texto:

“Porém, se o homem viver muitos anos, e em todos eles se alegrar, também se deve lembrar dos dias das trevas, porque hão de ser muitos. Tudo quanto sucede é vaidade. Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo.”

Eclesiastes 11:8,9

Aqui o pregador está continuando o pensamento que ele começou a dar forma no capítulo 8 (verso 11), dando mais contexto para essa conclusão que culminará no texto de Eclesiastes 12:14: vamos prestar contas para Deus de tudo o que fizermos.

Essa verdade conversa diretamente com o que Paulo ensina à igreja de Corinto:

“Portanto, nada julgueis antes de tempo, até que o Senhor venha, o qual também trará à luz as coisas ocultas das trevas, e manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de Deus o louvor.”

1 Coríntios 4:5

Deus vai trazer juízo de tudo o que fazemos, inclusive de nossas intenções.

Nós vivemos muito desconectados dessa verdade. Pensamos que, por conta de não serem vistas, algumas coisas são aceitáveis.

O que a Palavra nos ensina é justamente o contrário: cada palavra dita em oculto, cada intenção incorreta, cada sentimento descontrolado, de tudo isso teremos que prestar contas. Você fá parou para pensar o quando isso deveria mudar a sua vida?

Qual é a intenção por trás daquilo que você faz? O que é que você sabe que não deveria ter feito, mas fez? Talvez ninguém tenha visto o que você fez, mas mesmo assim você terá que dar conta disso para Deus.

Dois apelos

Nessa mensagem temos então dois apelos:

  1. Dedique-se ao seu trabalho, compartilhe o fruto de seus ganhos
  2. Tudo o que fizer, faça considerando o Senhor

Deixe um comentário