Estudo de Eclesiastes 1

Algumas pessoas pediram, então aqui estamos nós! Vamos estudar juntos o livro de Eclesiastes.

Contexto do livro

Apesar da autoria do livro ser incerta, existem muitas indicações de que o livro foi escrito por Salomão.

Os escritos correspondem com sua forma de pensar e com a sua vida, que foi marcada por períodos muito claros. Salomão viveu momentos de extrema sabedoria, da realização de grandes projetos, como nunca antes vistos, também viveu a riqueza de uma forma ímpar e, ao fim da vida, teve a experiência da queda, quando se afasta dos caminhos do Senhor.

Além disso, o livro é aberto dizendo o seguinte:

“Palavras do pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém.”

Eclesiastes 1:1

Apesar de muitos se chamarem como “filho de Davi”, esta também é a maneira como o livro de Provérbios se abre:

“Provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel;”

Provérbios 1:1

Este é um livro de muitas perguntas e poucas respostas. A maneira como foi escrita me parece indicar o relato de um rei refletindo sobre o que fez na vida e, diante de tantas perguntas, tentar chegar a algumas respostas.

É um muito mais um convite à reflexão do que um guia sobre como lidar com as coisas. Neste contexto, é bem diferente do livro de Provérbios, onde lemos listas e listas de recomendações diversas sobre como devemos proceder.

Talvez possa ser interpretado como um complemento de Provérbios, um livro que vai se conectar mais com as pessoas que passam por dúvidas em suas vidas do que aquelas que carregam certezas claras.

Pontos interessantes

Algo muito interessante que vemos no livro de Eclesiastes é o entendimento do autor sobre assuntos que só foram comprovados muito tempo depois. Por exemplo, quando escreve:

“Todos os rios vão para o mar, e contudo o mar não se enche; ao lugar para onde os rios vão, para ali tornam eles a correr.”v

Eclesiastes 1:7

ou

“Estando as nuvens cheias, derramam a chuva sobre a terra, e caindo a árvore para o sul, ou para o norte, no lugar em que a árvore cair ali ficará.”

Eclesiastes 11:3

Demonstra um conhecimento sobre o ciclo hidrológico, que só foi entendido claramente e comprovado no século XVII, milhares de anos depois deste texto ser escrito.

Quando fala sobre os ventos, está falando sobre algo que só foi realmente esclarecido em tempos recentes:

“O vento vai para o sul, e faz o seu giro para o norte; continuamente vai girando o vento, e volta fazendo os seus circuitos.”

Eclesiastes 1:6

O que aprendemos em Eclesiastes 1

Este capítulo se divide basicamente em 3 partes. No versículo 1 temos a introdução. Nos versículos 2 a 11, temos uma reflexão feita pelo pregador, onde ele afirma:

“Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade.”

Eclesiastes 1:2

Dizendo que tudo o que fazemos, tudo o que nos empenhamos na nossa vida se torna apenas em vaidade, pois é passageiro. Em forma de pergunta, ele diz:

“Que proveito tem o homem, de todo o seu trabalho, que faz debaixo do sol?”

Eclesiastes 1:3

Aqui temos algumas relações inevitáveis que fazemos com outras partes da Palavra. A primeira que me veio muito claramente à memória é o que o Senhor Jesus vai nos dizer na parábola do rico insensato:

“E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; E arrazoava ele entre si, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus. E disse aos seus discípulos: Portanto vos digo: Não estejais apreensivos pela vossa vida, sobre o que comereis, nem pelo corpo, sobre o que vestireis.”

Lucas 12:16-22

O ensinamento de Cristo nessa parábola conecta-se diretamente com a pergunta do pregador em Eclesiastes. Enquanto o pregador questiona: “Qual o o proveito que tem o homem de todo o seu trabalho?”, Cristo responde: “Nenhum se você não for rico para com Deus”.

Note que Cristo não desvaloriza o trabalho, apenas nos mostra que, sem Deus, nosso trabalho será a vaidade declarada pelo pregador em Eclesiastes.

Em minha opinião esse é mais um indicativo da autoria de Salomão para este livro. Salomão, no final de sua vida, viu-se afastando-se dos caminhos de Deus. Isso parece tê-lo levado à estas reflexões diversas e aos momentos de conclusão que ele faz neste livro de Eclesiastes. Conclusões muito parecidas com a de Cristo nesta passagem.

Além disso, esse relato que existe nos versículos 6 e 7, parece-me muito como um clamor de uma pessoa que está percebendo que tudo é cíclico, que as coisas vão e voltam e serão a mesma para sempre. O clamor de uma pessoa que percebeu que nada vai satisfazê-la. A mesma coisa eu percebo na terceira parte deste primeiro capítulo, quando o pregador começa a refletir sobre sua própria vida e diz:

“Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito.”

Eclesiastes 1:14

Como que dizendo: eu olhei para tudo, eu fiz todas as coisas, eu construí, eu estudei, eu me dediquei, trabalhei, mas tudo se tornou vaidade, nada me satisfez. Veremos que essa falta de satisfação estará presente também nos próximos capítulos de Eclesiastes.

Enquanto o pregador faz a sua reflexão sobre como estas questões da vida não satisfazem, Jesus se apresenta para uma mulher samaritana, pecadora, perdida em perguntas sem sentido, e diz:

“Jesus respondeu, e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.”

João 4:13,14

Cristo nos oferece a solução do dilema do pregador. Não existirá em nossas vidas a alegria duradoura, aquela que não necessitará de outras doses para ser preenchida, sem a presença de Deus em nós, sem rendição a Cristo. Só Jesus pode satisfazer esse desejo que temos dentro de nós.

Este talvez seja o grande ensinamento que veremos ao longo deste livro de Eclesiastes.

Paz.

Deixe um comentário