As ofertas e o nosso coração

Ao longo de minha caminhada cristã aprendi diversas verdades referentes ao uso e administração de nosso dinheiro. Dentre elas, o princípio da oferta é algo que me fascina.

Quando penso neste princípio e olho para a reação das pessoas em relação a isso, enxergo 3 comportamentos distintos:

Comportamento 1 – Não entendo

Este é comportamento de pessoas que não entendem o motivo de termos que ofertar. Não compreendem nem do ponto de vista natural, nem do espiritual.

Naturalmente falando, uma igreja têm contas para pagar, compromissos para honrar e muitas coisas para fazer que acabam envolvendo dinheiro. Um exemplo que aconteceu recentemente em nossa igreja foi a compra de um terreno para a construção de uma igreja.

Para a compra deste terreno tivemos que arrecadar recursos e, como você imagina, não estamos falando de pouco dinheiro.

Do ponto de vista espiritual, esse é um comportamento de quem não entende o princípio de ofertar no Reino sobre o qual Paulo fala de maneira tão cuidadosa em 2 Coríntios 8 e 9. Precisamos entender que, muito mais do que uma benção para nossas vidas, ofertar é uma obrigação nossa:

“Pode um homem roubar de Deus? Contudo vocês estão me roubando. E ainda perguntam: ‘Como é que te roubamos?’ Nos dízimos e nas ofertas.” (Malaquias 3:8)

Comportamento 2 – Obrigação

Um segundo comportamento que observo é o das pessoas que praticam as ofertas, mas o fazem por se sentirem obrigadas a tal. Esquecem-se portanto do que Paulo ensina:

“Cada um dê conforme determinou em seu coração, não com pesar ou por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.” (2 Coríntios 9:7)

A oferta, desde o início dos tempos, é algo que deve ser voluntário, que procede de um coração livre e que o faz com alegria. Nesse caso, o nosso modelo deve ser Abel, que sem obrigação e do melhor que possuía entregou ao Senhor sua oferta.

Se não ofertamos de maneira voluntária, certamente estamos fazendo isso da maneira errada. Nossa obrigação, se é que ela existe, deve proceder de nossa honra ao Senhor.

Comportamento 3 – Entendimento e coração corretos

Por fim, o terceiro comportamento que vejo, é o das pessoas que ofertam com entendimento do que estão fazendo e o fazem com o coração correto. Estas entregam suas ofertas de maneira livre, alegre e são muito abençoadas por isso.

São as pessoas que não o fazem esperando algo em troca ou por constrangimento do que o pastor está falando, mas por entenderem sua posição no Reino de Deus.

Entendem o que está escrito no texto abaixo, do sempre sábio Salomão:

“Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão plenamente cheios, e os seus barris transbordarão de vinho.” (Provérbios 3:9-10)

Este deve ser o nosso coração quando falamos de ofertas ao Senhor, um coração livre e que se alegra.

Paz.

Deixe um comentário