Estudo do livro de Tiago – Capítulo 3

O capítulo 3 de Tiago é um capítulo com passagens muito famosas. Mais um capítulo cheio de aplicações práticas para nossas vidas.

Neste capítulo veremos, basicamente, dois assuntos:

  • Dominar a língua (1 a 11)
  • A sabedoria do alto (12 a 18)

Vídeo do estudo

Dominar a língua

Neste capítulo Tiago fala sobre como o cristão deve controlar as suas palavras:

“de uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim.”

Tiago 3:10

Ensinando-nos que precisamos tomar cuidado pois nossas palavras podem ser destruidoras. Com nossa boca podemos abençoar as pessoas, louvar a Deus, orar, ajudar, mas também podemos causar muitos males.

Falando sobre os males que nossas palabras podem causar, ele diz:

“A língua também é um fogo; como mundo de iniquidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno.”

Tiago 3:6

Com palavras duras, Tiago nos diz que nossa língua é inflamada pelo inferno. Aqui o ponto de reflexão é importante: muitas vezes não damos a devida atenção ao que falamos, ao mal que estamos causando e quem está usando nossas palavras. É comum pensarmos que existem outros pecados mais “pesados” do que os que cometemos com nossas palavras, mas Tiago é muito enfático ao dizer que nossa língua é inflamada pelo inferno.

Ao mesmo tempo em que diz que devemos tomar cuidado com nossas palavras, Tiago diz que ninguém é capaz de controlar suas palavras:

“mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal.”

Tiago 3:8

Se nenhuma pessoa pode domar a língua e ela é inflamada pelo inferno, o que podemos fazer? Simplesmente aceitamos isso e deixamos que o próprio mal use nossas palavras? Claro que não, o próprio Tiago responde a essa pergunta:

“Vede também as naus que, sendo tão grandes e levadas de impetuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade daquele que as governa.”

Tiago 3:4

Tal qual um navio, que é controlado por um pequeno leme, a língua controla todo nosso proceder. Porém, tal qual o leme tem alguém dirigindo, nossa língua tem alguém governando. Pode ser o próprio inferno, como Tiago disse, ou pode ser o Senhor, através do Espírito Santo. A pergunta então é: quem está governando nossa vida?

O teste para chegarmos à essa resposta é justamente o da análise das nossas palavras. Se temos usado nossa boca para exclusivamente para o bem, bem estamos e podemos afirmar que o governo de nossas vidas é do Senhor. Se, ao invés disso, temos usado nossa língua para o mal, então podemos afirmar que o governo de nossas vidas não têm sido do Senhor.

Como essa resposta pode não ser tão fácil de aceitar, nossa oração deve ser a do Salmo 141:

“Senhor, a ti clamo! Escuta-me! Inclina os teus ouvidos à minha voz, quando a ti clamar. Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e seja o levantar das minhas mãos como o sacrifício da tarde. Põe, ó Senhor, uma guarda à minha boca; guarda a porta dos meus lábios.”

Salmos 141:1-3

Por fim, vale a reflexão sobre o que o teólogo Warren Wiersbe diz:

“A inconsistência da língua mostra que há algo de errado com o coração”

Warren W. Wiersbe – Comentário Bíblico Wiersbe

A sabedoria do alto

Tiago continua a carta então nos apresentando mais um contraste, desta vez falando sobre os dois tipos de sabedoria que temos: a do alto e a terrena. Sobre a sabedoria do alto, ele destaca uma série de atributos:

“Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia. Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.”

Tiago 3:17,18
  • Pura (hagnos): imaculada, não tem pecado, é uma sabedoria que não nos leva a nenhum tipo de pecado;
  • Pacífica (eirenikos): tranquila, que ama a paz, uma sabedoria que busca a paz com todas as pessoas;
  • Moderada (epieikes): conveniente, indulgente, uma sabedoria que não se comporta indevidamente no ambiente em que está, que é gentil;
  • Tratável (eupeithes): disposta a ceder, facilmente persuadida, ou seja, uma sabedoria que aprende com o próximo, que não é dona da razão;
  • Cheia de misericordiosa (eleos): bondade, boa vontade ao miserável e ao aflito, uma sabedoria que ama ao próximo, que se compadece das dores alheias e não olha apenas para a própria vida;
  • Cheia de bons (agathos) frutos (karpos): que gera coisas boas, que tem proveito, que tem valor na vida eterna;
  • Imparcial (adiakritos): sem dúvida, ambiguidade, ou incerteza, uma sabedoria que não vacila entre dois pensamentos distintos;
  • Sem hipocrisia (anupokritos): sincera, que não tem fingimento, ou seja, uma sabedoria que não tenta enganar, de maneira nenhuma.

Essas são as características da sabedoria do alto, que é completamente diferente da sabedoria humana. A sabedoria que Deus nos dá é algo que vai gerar os bons frutos que vimos no capítulo 2.

Mais uma vez aqui a aplicação é muito prática: devemos analisar tudo o que fazemos e pensamos com base nessa lista de características dadas por Tiago para a sabedoria. O que estamos fazendo e pensando se baseia numa sabedoria humana ou numa sabedoria do alto?

Temos muitas correntes de pensamentos, dentro e fora da igreja, muitos tipos de sabedorias distintas. Quando utilizamos esse crivo de sabedoria que Tiago nos mostra, podemos facilmente discernir se aquilo é algo que vêm do Senhor para nossas vidas ou se é algo humano.

Relacionado a este texto de Tiago, vale lembrarmos de Provérbios 3:

“Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal. Isso será remédio para o teu umbigo e medula para os teus ossos.”

Provérbios 3:5-8

Desafios do capítulo

Para o capítulo de hoje, os desafios são os seguintes:

  • Comente sobre um exemplo de sabedoria do alto que se encaixa em algumas características do que Tiago nos ensina aqui no capítulo 3;
  • Comente sobre qual texto deste capítulo lhe chamou mais a atenção e por qual motivo.

Deixe seu comentário com suas respostas.

❗ Você sabia? ❗


Existem formas de você aprender ainda mais sobre a palavra:

8 comentários em “Estudo do livro de Tiago – Capítulo 3”

  1. Exemplo de sabedoria do alto, seria primordialmente seguir os 2 mandamentos que o Senhor Jesus nos deixou! E o texto que mais chamou minha atenção foi Tiago 3:11,12 pois eu gostp bastante quando é usado analogias!

    Responder
  2. Paz do senhor Jesus Cristo, já quero aqui deixar meus parabéns a esse estudo é um estudo objetivo e muito rico explicações, obrigada Deus abençoe.

    Responder
  3. A Paz do Senhor Jesus Cristo André. Ótimo estudo da palavra.
    Um outro exemplo de sabedoria do alto, se encontra em Salmos 32:8.
    O texto que mais me chamou atenção neste Belo capítulo está nos versículos 5-6
    (Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia) O importante ensinamento que aprendemos aqui, (não devemos deixar o mal estar no controle de nossa língua, mas o Espírito Santo.)
    (9- Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus.)

    Responder
  4. Eu nunca tinha estudado Tiago assim. Estamos estudando na EBD. Amei a sua perspectiva sobre o tema. Realmente, só no Espírito Santo é que conseguimos o domínio próprio e assim podemos manter nossa boca fechada. Palavras, só as que edificam. A Deus, nossa gratidão.

    Responder
  5. Imensamente agradecida por você ter sido usado pelo Espírito Santo de Deus para expor com tamanha sabedoria esse capítulo tão pequeno, mas ao mesmo tempo tão intenso, pois é primordial que estejamos atentos ao nosso falar, para não perdermos a essência de Cristo Jesus, pois como Ele mesmo resumiu os dez mandamentos em apenas dois, no capítulo anterior, agora nos alerta sobre o poder da nossa língua, tanto para o bem, quanto ao perigo para o mal. Gratidão pelo teu ensino.

    Responder

Deixe um comentário