Estudo de Gálatas – Capítulo 6

Gálatas 6 é o último capítulo da carta de Paulo aos Gálatas. Neste capítulo vemos as instruções finais do apóstolo para aquelas igrejas. Os seguintes assuntos são abordados:

  • Amor ao próximo (versículos 1 e 2)
  • O engano da vaidade (3 a 5)
  • A lei da semeadura (6 a 10)
  • A glória na carne (11 a 13)
  • Uma nova criatura (14 e 15)
  • Saudação final (16 a 18)

Veremos alguns destes pontos.

Vídeo do estudo de Gálatas 6

Amor ao próximo

Paulo vai caminhando para o final de sua carta com algumas orientações de cuidado e amor ao próximo:

“Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão, olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado. Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo.”

Gálatas 6:1,2

No capítulo 5 Paulo havia falado sobre o fruto do Espírito e como a fé gera em nós, através da ação do Espírito, boas obras. Talvez o receio dele aqui fosse o de que aquelas pessoas, que já tinham uma tendência para as obras da carne, começassem a criar um padrão elevado demais para a igreja, fazendo com que qualquer deslize fosse motivo de punição.

Então o apóstolo separa a recomendação dele em três partes:

  • Sejam mansos com quem erra
  • Cuidado para não serem vocês mesmos tentados
  • Levem as cargas uns dos outros

Neste último ponto, Paulo relembra o que falou anteriormente em 5:14:

“Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.”

Gálatas 5:14

O resumo de tudo o que ele estava falando é: a lei não justifica, somos justificados apenas pela fé. Essa fé, através do Espírito gera em nós boas obras, que devem nos levar, inevitavelmente, a amar nosso próximo como a nós mesmos. Assim então, você cumpre a lei.

O engano da vaidade

Paulo continua esse pensamento nos lembrando que a vaidade é um engano:

“Porque, se alguém cuida ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo.”

Gálatas 6:3

A linha de pensamento permanece a mesma: se pensamos que nós, por conta de qualquer obra que tenhamos feito, somos alguma coisa, somos melhores que outras pessoas, estamos nos enganando. A realidade, é que não somos nada, que não podemos, por nós mesmos, produzir nenhum bom fruto.

Por isso, ao dizer que devemos cuidar daqueles que erram com mansidão, Paulo também nos lembra que nós mesmos nada somos, somos sujeitos ao erro como qualquer outra pessoa. Essa é a base lógica do amor ao próximo: você está amando alguém que, independente do que tenha feito, é igual a você. Não somos melhores que ninguém para nos colocarmos numa posição de julgamento ou de superioridade.

A lei da semeadura

Um pouco mais a frente Paulo fala sobre como devemos honrar as pessoas que nos instruem, que nos ensinam a Palavra e nos acompanham em nossa jornada:

“E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui.”

Gálatas 6:6

Paulo fala sobre algo relacionado em outras passagens, mas aqui ele está sendo muito enfático: devemos repartir nossos bens com aquelas pessoas que nos instruem na Palavra. O que se aqui como “bens” divide opiniões. Alguns estudiosos dizem que Paulo está realmente falando sobre bens materiais, e que deveríamos suprir aquelas pessoas que ministram a Palavra para nós. Outros estudiosos dizem que Paulo está se referindo a coisas espirituais, fazendo uma referência com Romanos 10:15, onde o apóstolo usa a mesma palavra.

O cuidado aqui, como sempre, é não criarmos nenhuma regra em cima disso. A análise literal do texto, ignorando o contexto, pode nos fazer cair numa cilada de interpretação.

A minha opinião pessoal, note que agora estou trazendo algo que é além do texto, pois é apenas a minha opinião, é que devemos sim abençoar da forma que pudermos as pessoas que nos instruem na Palavra. Eu fico muito decepecionado quando vejo ou fico sabendo de missionários que estão em campo passando necessidade por falta de apoio da igreja. Já conheci pastores, que se tornaram amigos, que não tinham um sapato para ir para o culto, que não tinham um terno para vestir que não estivesse furado. Minha opinião é que, aquelas pessoas que podem, devem sim ajudar aqueles que nos ensinam a Palavra. De qualquer forma, como eu falei, essa é apenas a minha opinião pessoal, não é necessariamente isso que a Palavra está dizendo neste versículo.

Paulo continua a sua apresentação da verdade falando sobre a lei da semeadura:

“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito do Espírito ceifará a vida eterna.”

Gálatas 6:7,8

Aqui Paulo nos ensina que não podemos zombar do Senhor, pensando que podemos fazer o que bem entendermos e, mesmo assim, colheremos bons frutos, seremos abençoados. Já falei sobre isso outras vezes, mas vivemos nessa geração que tem como cultura a ideia de que podemos fazer o que bem entendermos, vivermos nossas vidas da maneira que quisermos e, ainda assim, seremos abençoados por Deus. Paulo está nos alertando aqui justamente do contrário.

“Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé.”

Gálatas 6:10

Paulo termina este trecho da carta nos lembrando da importância de fazermos o bem a todas as pessoas, levando em ainda maior consideração as pessoas que compartilhar da fé em Cristo.

Isso é muito importante para nós como igreja: devemos fazer o bem a todos, amar todas as pessoas sem distinção, tendo uma estima ainda maior pelas pessoas que caminham conosco, na mesma fé.

Uma nova criatura

Paulo finaliza a parte doutrinária da carta dizendo que a nossa glória não está nas nossas obras, mas sim na cruz de Cristo, onde morremos com Ele e renascemos com Ele para uma nova vida:

“Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu, para o mundo. Porque, em Cristo Jesus, nem a circuncisão nem a incircuncisão têm virtude alguma, mas sim o ser uma nova criatura.”

Gálatas 6:14,15

Nessa nova vida, deixamos para trás nossos desejos, nossos pensamentos e tudo o que não cabe mais, para vivermos completamente com o objetivo de glorificar ao Senhor. Não podemos nos gloriar nas nossas obras, pois tudo o que produzimos por nós mesmos é obra morta. Não podemos nos gloriar nas obras que o Espírito nos leva a fazer, pois são graça de Deus sobre nossas vidas. Devemos viver apenas para a glória de Deus. Ele é o único que é digno de toda a honra e toda a glória.

Paulo já havia falado sobre isso no verso 24 do capítulo anterior:

“E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.”

Gálatas 5:24

Que esse seja o nosso estilo de vida: uma vida para a glória do Senhor.

Desafios do capítulo

Chegamos ao fim de mais um capítulo! Glória a Deus!

Espero que você tenha aproveitado muito e aprendido muito com mais este estudo. Se você está fazendo o estudo completo, recomendo que cumpra também estes desafios:

  • Releia o livro de Gálatas. Como estamos chegando no final do livro, é um bom momento para voltar e fazer uma leitura completa. Este é um livro pequeno, que pode ser lido rapidamente;
  • Deixe seu comentário dizendo como você relaciona o versículo 6, com os versículos 7 e 8? Na carta de Paulo, eles fazem parte do mesmo parágrafo, do mesmo pensamento;
  • Ore pedindo que Deus continue lhe dando entendimento da justificação pela fé e que ajude você a viver esse princípio;
  • Compartilhe este estudo de Gálatas com algumas pessoas que você conhece;
  • Comece o estudo de um novo livro da bíblia! Deixe aqui nos comentários qual livro você vai estudar a partir de agora.

Paz.

Deixe um comentário