Estudo de 2 Tessalonicenses – Capítulo 1

Introdução ao livro

Este livro é a segunda carta de Paulo para a igreja de Tessalônica. Caso você não tenha visto, vale a pena ver o estudo de 1 Tessalonicenses que fizemos aqui no blog.

O autor da carta também é o Apóstolo Paulo, que foi quem fundou a igreja de Tessalônica em sua segunda viagem missionária.

Ao que tudo indica, esta carta foi escrita pouco tempo depois da primeira carta de Paulo aos Tessalonicenses, quando este ainda estava em Corinto. É muito difícil darmos algum tipo de segurança sobre estas datas, uma vez que não temos registros disso, porém, esta é a crença mais comum.

Alguns teólogos afirmam que, por conta de algumas palavras da primeira carta, alguns irmãos de Tessalônica passaram a acreditar que Cristo voltaria ainda em sua época. Isso os teria levado a uma vida sem grandes preocupações com trabalho, por exemplo. Por isso e por outros motivos, acredita-se que Paulo tenha escrito essa carta pouco tempo depois, na verdade alguns meses depois, da primeira.

Objetivos da carta

Vemos três objetivos principais nesta carta:

  1. Consolar os cristãos que estavam sendo perseguidos
  2. Explicar mais sobre a volta de Cristo
  3. Exortar aqueles que “andavam desordenadamente”

Além disso, também vemos algumas orações de Paulo por essa igreja.

O que vemos no capítulo 1

Neste primeiro capítulo, com apenas 12 versículos, vemos Paulo falando sobre os seguintes assuntos:

  • Apresentação (1 e 2)
  • O aumento da fé, da paciência e do amor naquela igreja (3 a 5)
  • O resultado de nossas ações na volta de Cristo (6 a 10)
  • Paulo ora pelos tessalonicenses (11 e 12)

Como de costume, vamos passar por alguns destes assuntos.

Paciência, fé e amor

No começo da carta Paulo relata como aquela igreja estava crescendo em três áreas: paciência, fé e amor:

“Sempre devemos, irmãos, dar graças a Deus por vós, como é de razão, porque a vossa fé cresce muitíssimo, e o amor de cada um de vós aumenta de uns para com os outros, de maneira que nós mesmos nos gloriamos de vós nas igrejas de Deus, por causa da vossa paciência e fé, e em todas as vossas perseguições e aflições que suportais,”

2 Tessalonicenses 1:3,4

Vale lembrar que esta era uma igreja que sofria intensa perseguição. Como vimos no estudo da primeira carta de Paulo aos Tessalonicenses, os judeus e o povo da cidade perseguiam os cristão de lá. Alguns teólogos acreditam, com base na primeira carta de Paulo, que alguns irmãos já haviam até mesmo morrido por conta do evangelho naquela cidade.

Toda essa perseguição sofrida pela igreja de Tessalônica produziu neles uma fé maior, aumentou o amor de uns para com os outros e lhes deu mais paciência.

Lembrando-nos das palavras do próprio Paulo em Romanos 5:

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações, sabendo que a tribulação produz a paciência; e a paciência, a experiência; e a experiência, a esperança. a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado.”

Romanos 5:3-5

As tribulações que nós passamos nos fortalecem, nos fazem mais experientes e nos ensinam a permanecer em paz quando as coisas não vão bem. O cristão não deve temer passar por tribulações quando elas são causadas pelo amor do evangelho. Toda tribulação que passamos por conta da fé verdadeira, nos deixará mais preparados e mais preparadas para o que virá.

Na minha opinião não podemos extrapolar o conceito para qualquer área da nossa vida. Algumas tribulações, principalmente aquelas causadas por nós mesmos, talvez não sirvam para aumentar a nossa fé. O que entendo que Paulo está dizendo aqui está no contexto de tribulações que são causadas por conta do nosso amor a Cristo.

Aquela igreja estava ficando mais forte justamente por contse convertama de todas essas tribulações. Isso fez com que este testemunho servisse para auxiliar outras igrejas e aumentar-lhes a fé.

Tribulação ou descanso

Paulo também usa a carta para continuar falando com essa igreja sobre a volta de Cristo, como vimos no estudo de 1 Tessalonicenses:

“se, de fato, é justo diante de Deus que dê em paga tribulação aos que vos atribulam, e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu, com os anjos do seu poder,”

2 Tessalonicenses 1:6,7

Este era um dos assuntos principais da carta, como falei anteriormente. Paulo explica aqui que, na volta de Cristo, quando ela acontecer, aqueles que foram atribulados por conta do amor a Ele receberão descanso. Já aqueles que foram contra o Senhor, receberão a paga de suas atitudes.

Isso é um alerta para nós em alguns sentidos:

  • O primeiro deles é o de que, na volta do Senhor, teremos o verdadeiro descanso. Isso deve nos confortar, nos mostrar que todo o sofrimento é passageiro e que o Senhor nunca nos abandona;
  • O segundo é que, quando o Senhor voltar, todas as pessoas que não aceitaram a Cristo ou não viveram debaixo da vontade de Deus, enfrentarão a morte eterna. Até que esse dia chegue, precisamos trabalhar com dedicação para que as pessoas aceitem a Cristo. Isso deve nos dar um senso de urgência, nos ensinando que devemos pregar, que devemos falar do amor de Deus para todas as pessoas.

A volta de Cristo é a nossa esperança, é o nosso chamado para a urgência da pregação, é a nossa promessa de descanso com o Senhor.

A oração de Paulo pela igreja

Na oração que Paulo faz neste primeiro capítulo, ele pede que Deus os faça dignos da vocação e cumpra a obra na vida deles:

“Pelo que também rogamos sempre por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação e cumpra todo desejo da sua bondade e a obra da fé com poder; para que o nome de nosso Senhor Jesus Cristo seja em vós glorificado, e vós nele, segundo a graça de nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo.”

2 Tessalonicenses 1:11,12

Um ponto muito interessante deste ponto da carta de Paulo é que ele pede Deus os faça “dignos da vocação”. Isso nos ensina que quem nos faz dignos, quem nos prepara, quem nos deixa prontos para sermos considerados aptos para a vocação é Deus. Não são nossas capacidades, nossos dons, talentos ou o quanto pensamos estar preparados. É graça de Deus sobre as nossas vidas.

Paulo também pede que Deus cumpra “todo desejo da Sua bondade”. Isso nos lembra que a vontade de Deus para nossas vidas é boa. Mesmo numa igreja que passava por tribulações, em meio ao caos, Paulo estava tranquilo ao dizer que na bondade de Deus existia um desejo para se cumprir na vida daquelas pessoas.

Por fim Paulo pede que Deus cumpra a “obra da fé com poder”, ansiando aqui que Deus terminasse de edificar a fé daquela igreja. Precisamos lembrar aqui que quem faz essa obra é Deus em nós, é Ele quem nos dá e aumenta a nossa fé. Existe uma discussão em relação a esse ponto, por isso, caso tenha dúvidas, sugiro a leitura do livro “A fé que agrada a Deus”, do autor Silas Campos.

De qualquer forma, o ponto mais importante aqui é que tudo isso que Paulo pede, tem um objetivo inicial: “para que o nome de nosso Senhor Jesus Cristo seja em vós glorificado”. Nossa vida, nossa fé, nossa vocação, nosso testemunho, tudo o que temos e somos tem o objetivo final de dar glória a Deus e a Cristo. O objetivo não é o nosso benefício, o nosso conforto ou suprir a nossa expectativa, mas sim agradar e glorificar ao Senhor.

O apelo aqui é para que tenhamos ciência e vivamos sob o entendimento de que nossas vidas devem glorificar a Deus. Por isso, a pergunta que a Palavra me faz aqui é: qual área da minha vida não tem glorificado a Deus?

Para compreender melhor

Deixo aqui duas tarefas para você compreender melhor o que falamos nesse estudo de 2 Tessalonicenses, capítulo 1:

  • Versículo para decorar: “e a vós, que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu, com os anjos do seu poder,” (2 Tessalonicenses 1:7)
  • Desafio do capítulo: Conte para a gente aqui na seção de comentários sobre uma outra passagem da Palavra onde uma pessoa ou igreja passa por tribulação e aquilo aumenta a fé ou o amor da pessoa/igreja.

Paz.

Deixe um comentário