Ministração

Sob qual influência?

André
Escrito por André

Texto base: “Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos; porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te.” (2 Timóteo 3:1‭-‬5)

Mensagem principal: envolva-se com as pessoas certas, pregue para todos.

Para refletir

Meditar sobre esse texto é, ao mesmo tempo, libertador e perigoso.

Libertador pois pode nos ajudar a rever alguns conceitos, algumas situações que nos levariam a pecar ou vacilar na fé.

Também pode ser perigoso pois muitos cristãos costumam ser extremistas, considerando uma única passagem como única verdade sobre aquele assunto. Estes ignoram o contexto e diversos outros textos que complementam a visão sobre um tema.

Quando vemos que esta era uma recomendação de Paulo para Timóteo, seu filho na fé, e que ela está envolvida por diversas outras direções, começamos a aprender um pouco.

Esta carta foi, ao que tudo indica, a última escrita por Paulo, já em sua segunda prisão, próxima do seu martírio. É uma carta que não trata da igreja que Timóteo cuidava, mas sim de sua conduta pessoal. Nesse contexto, conhecendo seu filho na fé e o momento que eles viviam, Paulo pôde aconselhar Timóteo de maneira tão direta.

Paulo pede que Timóteo time cuidado com pessoas que demonstrarem algumas características, dentre elas, algumas me chamam a atenção:

“homens amantes de si mesmos”: são pessoas egoístas, que não conseguem pensar em nada além do proveito próprio, do prazer pessoal e daquilo que seja benefício apenas para eles mesmos.

“desobedientes a pais e mães”: que desconsideram a sabedoria e autoridade daqueles que foram colocados por Deus sobre a vida deles.

“irreconciliáveis”: são aquelas pessoas que não conseguem se reconciliar com as outras. A palavra utilizada no texto original, “ασπονδος” denota alguém que não consegue entrar num pacto com outro.

“sem amor para com os bons” e, em outra tradução, “inimigos do bem”: são aqueles que não lutam por fazer aquilo que é correto, escolhendo o caminho mais simples ou da desonestidade.

“mais amigos dos deleites do que amigos de Deus”: pessoas que estão tão focadas em seus prazeres pessoais, que não conseguem enxergar a vontade de Deus para suas vidas.

Destas pessoas, conclue Paulo para seu filho na fé, fique longe, afaste-se delas.

Olhando para a Palavra de maneira ampla e também considerando o que mais Paulo instruiu Timóteo a fazer, chego à conclusão de que ele não estava falando para seu aprendiz se desviar dessas pessoas. Se assim o fosse, não teria dito mais para frente, o seguinte:

“Conjuro- te, pois, diante de Deus e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu Reino, que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina.” (2Timóteo 4:1‭-‬2)

O que eu entendo que Paulo poderia estar falando é, pregue a todos, mas seja influenciado por poucos.

Existem níveis de envolvimento que podemos ter com as pessoas. Acredito eu que Paulo estava dizendo que Timóteo deveria tomar cuidado com as pessoas com quem ele se envolvia num nível mais pessoal, profundo e de amizade. Caso o envolvimento mais próximo dele fosse com aquelas pessoas que Paulo citou isso seria perigoso.

Essa reflexão nos ajuda a entender que Deus estendeu sua graça para todos, mas que devemos nos envolver mais profundamente apenas com os que são da fé.

Tópicos para abordar

  1. Texto base
  2. Contexto
  3. Exemplos de pessoas e atitudes
  4. O que Paulo quis dizer
  5. O que Cristo fez
  6. O que devemos fazer

Perguntas para compartilhar

  • O que lhe chamou a atenção nessa passagem?
  • Você identifica algo em sua vida que precisa de mudança? O que?

Sobre o autor

André

André

Cristão, casado, pai, trabalhador. Leva a sério a palavra de Deus e isto muitas vezes o faz não ser bem visto. Ama escrever, por isso, sempre que pode, o faz.

Deixe um comentário