Ministração

Conforto ou serviço?

André
Escrito por André

No esboço de ministração para célula de hoje falamos sobre como a vida de Paulo é um exemplo para nós no serviço e na dedicação ao trabalho cristão.

Texto base: “Havendo escapado, então, souberam que a ilha se chamava Malta. E os bárbaros usaram conosco de não pouca humanidade; porque, acendendo uma grande fogueira, nos recolheram a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio. E, havendo Paulo ajuntado uma quantidade de vides e pondo-as no fogo, uma víbora, fugindo do calor, lhe acometeu a mão. E os bárbaros, vendo-lhe a víbora pendurada na mão, diziam uns aos outros: Certamente este homem é homicida, visto como, escapando do mar, a Justiça não o deixa viver. Mas, sacudindo ele a víbora no fogo, não padeceu nenhum mal. E eles esperavam que viesse a inchar ou a cair morto de repente; mas tendo esperado já muito e vendo que nenhum incômodo lhe sobrevinha, mudando de parecer, diziam que era um deus. E ali, próximo daquele mesmo lugar, havia umas herdades que pertenciam ao principal da ilha, por nome Públio, o qual nos recebeu e hospedou benignamente por três dias. Aconteceu estar de cama enfermo de febres e disenteria o pai de Públio, que Paulo foi ver, e, havendo orado, pôs as mãos sobre ele e o curou. Feito, pois, isto, vieram também ter com ele os demais que na ilha tinham enfermidades e sararam, os quais nos distinguiram também com muitas honras; e, havendo de navegar, nos proveram das coisas necessárias.” (Atos 28:1-10)

Tema principal: Nossa vida deve ser uma vida de serviço a Deus, e não de conforto.

Para você refletir

Todos nós precisamos de alguns momentos de descanso. Nosso corpo pede isso, é assim que fomos constituídos por Deus.

O próprio Deus descansou após a criação, Jesus descansou no poço de Jacó, não deve ser diferente conosco.

Quando vemos a vida de Paulo, no final do livro de Atos, onde ele estava preso, sendo acusado injustamente e sofrendo perseguições, notamos algo interessante: quando teve a chance de descansar, no momento onde provavelmente um bom descanso cairia bem, ele decide servir e continuar cumprindo o seu propósito.

Num determinado ponto de sua viagem para se encontrar com Félix e ser julgado, seu barco vai parar em Malta, uma ilhota ao Sul da Itália.

Lá, após alguns milagres, ele é venerado e muito bem tratado.

Aquele homem, que estava preso, viajando em condições precárias há algum tempo, passa a ser cuidado e servido num lugar onde poderia parar para descansar e, quem sabe, se esconder e terminar a sua vida por lá.

A bíblia não relata o que Paulo pensou, porém relata que, assim que possível, após pregar a Palavra em Malta e realizar muitas curas, ele seguiu viagem para ser julgado por aquilo que não havia cometido.

Ou seja, além de não descansar enquanto esteve em Malta, ele decidiu não parar, mas continuar sua viagem e cumprir seu ministério até o fim.

Nós, muitas vezes, teríamos feito justamente o contrário. Por mais absurdo que possa parecer é isso que fazemos, mesmo sem perceber.

Fazemos isso quando decidimos não estar em um compromisso de nossas igrejas por motivos estranhos ou quando nos escondemos de uma determinada tarefa.

Note que não estou advogando que sempre temos que estar em todos os compromissos e abrir mão de tudo. Isso é um chamado para poucos, que não são mais especiais por isso.

Estou dizendo que, às vezes, deixamos de servir pra razões egoístas. Não vou listar aqui estas razões pois eu tenho certeza que cada um de nós sabe quais são suas motivações egoístas para não servir.

Paulo abriu mão disso e resolveu servir em todo o tempo, mesmo quando o conforto chegou até ele.

Talvez tenha sido por isso que ele pôde dizer:

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.” (2 Timóteo 4:7)

Esta é uma decisão que temos que tomar todos os dias: vamos parar e descansar ou vamos permanecer e lutar?

Paz.

Tópicos para abordar

  1. Texto base
  2. Contexto de Paulo
  3. Como ele foi recebido em Malta
  4. A escolha de servir
  5. Momentos onde podemos descansar
  6. Momentos em que precisamos servir
  7. A decisão que precisamos fazer

Perguntas para compartilhar

  • Quais outros personagens bíblicos passaram por situações similares?
  • Como você se enxerga nesse quesito?
  • Em quais momentos poderia estar servindo e não está?

Já fez essa ministração com a sua célula? Deixe o seu comentário aqui no final do post.

Paz.

Sobre o autor

André

André

Cristão, casado, pai, trabalhador. Leva a sério a palavra de Deus e isto muitas vezes o faz não ser bem visto. Ama escrever, por isso, sempre que pode, o faz.

Deixe um comentário