Quem é que Deus escolheu?

Quem é que Deus procura? Será que Deus escolheu as pessoas mais aptas para a sua obra? Será que Ele escolheu os santos ou aqueles que já tinham alguma inclinação moral mais adequada? Ao analisar aqueles alguns personagens bíblicos, podemos entender melhor quem é que Deus está procurando.

Pedro

“Desde então começou Jesus a mostrar aos seus discípulos que convinha ir a Jerusalém, e padecer muitas coisas dos anciãos, e dos principais dos sacerdotes, e dos escribas, e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia. E Pedro, tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso. Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me;” Mateus 16:21-24

Pedro era uma pessoa impulsiva, que se colocou em situações difíceis justamente por essa impulsividade. Ao confrontar Jesus, por não querer que as coisas mudassem, ouviu uma das frases mais duras que Cristo disse para um de seus discípulos.

Pedro também foi o discípulo que negou Jesus e cortou a orelha de Malco. Certamente não era uma pessoa sem falhas.

Tomé

“Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram.” João 20:27-29

Tomé, mesmo após ouvir uma série de ensinamentos, de caminhar por anos com Jesus, vê-lo fazer uma série de milagres e até mesmo de ressuscitar Lázaro, duvida da volta. Precisou ver com os olhos para confirmar que Cristo havia ressuscitado.

Tiago e João

“E mandou mensageiros adiante de si; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada, Mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém. E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez? Voltando-se, porém, repreendeu-os, e disse: Vós não sabeis de que espírito sois. Porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E foram para outra aldeia.” Lucas 9:52-56

Tiago e João tiveram várias passagens que revelavam suas falhas. Uma delas é quando acham que seria uma boa ideia matar alguns samaritanos após não receberem pousada com eles.

A pergunta deles para Cristo era se o Senhor desejava que eles orassem para que os samaritanos fossem consumidos com fogo do céu.

Eles já andavam com Cristo, já o tinham visto fazer uma série de sinais de amor ao próximo e, mesmo assim, fazem essa pergunta.

Paulo

“E apedrejaram a Estêvão que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu. Também Saulo consentiu na morte dele. E fez-se naquele dia uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas terras da Judéia e de Samaria, exceto os apóstolos.” Atos 7:59,60;8:1

Paulo, antes da sua conversão, perseguia e matava cristãos. Assistiu e consentiu com a morte de Estevão, por exemplo.

Quem Deus procura?

Nenhum dos discípulos era perfeito. Deus escolheu pessoas para andar com Ele que eram cheias de falhas, de caráter muitas vezes questionável.

A grande diferença desse grupo de pessoas era só uma: eles abandonaram tudo para andar com Cristo e permaneceram firmes mesmo quando as coisas ficaram feias.

Quando Cristo apresenta os termos da aliança, eles permanecem. O mesmo Pedro, impulsivo e de temperamento difícil revela o coração:

Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele … Desde então muitos dos seus discípulos tornaram para trás, e já não andavam com ele. Então disse Jesus aos doze: Quereis vós também retirar-vos? Respondeu-lhe, pois, Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós temos crido e conhecido que tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.” João 6:53-56;66-69

Deus busca aquelas pessoas que estão dispostas a entregar tudo e permanecer firmes e fieis. Deus não busca pessoas perfeitas pois nenhum de nós é perfeito. Nenhum de nós é bom o suficiente para merecer andar com o Senhor. Assim como os discípulos não eram bons, nós não somos.

Ninguém vai alcançar o favor do Senhor com suas obras, atitudes ou maneira de pensar. É a graça que permite que pessoas imperfeitas como os discípulos, como nós, conheçam e tenham comunhão com Deus.

A questão então não é se você é bom o bastante para andar com Deus. A questão é se você está disposta a deixar tudo para trás e viver com Cristo.

Lembre-se que o jovem rico, apesar de fazer tudo o que a lei pedia, de ser um bom cidadão e um exemplo para os judeus, não seguiu a Jesus. Ele era o que nós poderíamos considerar uma pessoa digna, um cristão exemplar. Porém não fez a única coisa que era necessária: abrir mão da sua vida para andar com Cristo.

O que significa abrir mão de tudo?

Note que não estou dizendo que não precisamos mudar nossos comportamentos. Não estou defendendo que não precisamos transformar o nosso caráter. Pelo contrário, todos nós, ao nos aproximarmos de Jesus, vamos ficar, a cada dia, mais parecidos com Ele.

O ponto aqui é nos lembrarmos que não nos aproximamos pelo nosso mérito, mas pela disposição de abrir mão de tudo. Quando abrimos mão de tudo, então nosso caráter é transformado.

Abrir mão de tudo é isso: deixar tudo para trás e seguir a Jesus, numa nova vida. Isso fala inclusive do nosso caráter, das nossas obras, pensamentos e inclinações.

Então, o apelo dessa mensagem é: o que te impede de se aproximar mais de Deus? Não é o seu caráter que vai fazer você estar mais próximo. É abrir mão daquilo que ainda te prende. Abrir mão daquilo que você não quer abrir mão.

Paz.

Deixe um comentário