Mensagem

Prova Convincente

Nisto conhecerão todos que sois Meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros.” (João 13:35)

Quando eu era adolescente, resolvi deixar minha marca no mundo como artista. Meu pai havia recentemente adquirido uma Bíblia em três volumes, ilustrada por Paul Gustave Doré, e aquelas ilustrações tiveram peso importante na minha decisão.

Doré obteve fama com as suas gravuras de personagens religiosos e históricos. Passei horas estudando as técnicas dele e, embora meu interesse pela arte se desvanecesse com o tempo, ainda guardo vívidas imagens mentais daqueles desenhos.

Certa ocasião, viajando pela Europa, Doré perdeu seu passaporte. Quando ele chegou à alfândega seguinte, o guarda lhe pediu os documentos de viagem. Doré tentou explicar o que tinha acontecido.

– Eu sou Paul Gustave Doré – disse ele – e perdi meu passaporte. Apreciaria que fizesse a gentileza de deixar-me passar. Tenho de atender a compromissos importantes.

– Não tente fazer-nos de bobos – disparou o guarda. – Você não é a primeira pessoa que perde o passaporte e tenta fazer-se passar por alguém importante.

Doré suplicou a compreensão do guarda, mas em vão. Finalmente, um oficial aproximou-se e disse: “Se o senhor é realmente Doré, tome este lápis e papel e desenhe aquele grupo de camponeses ali.”

Dentro de alguns minutos, o grande artista produziu uma figura de semelhança impressionante com o grupo. Mesmo antes de concluído o desenho, o oficial, convencido de que aquele era realmente o famoso artista, permitiu-lhe a entrada no país.

Algumas pessoas, hoje, tentam fazer-se passar por cristãs, mas falta-lhes o amor fraternal que, segundo Jesus, caracterizaria Seus seguidores. Os cristãos primitivos viveram numa época em que a prática do cristianismo podia significar o martírio, mas ainda assim demonstravam o seu amor fraternal, arriscando a vida para ajudar seus irmãos perseguidos; em alguns casos, obtinham inclusive a relutante admiração dos perseguidores. Tertuliano, um escritor cristão do segundo e terceiro séculos, citou a declaração de um oficial pagão desta maneira: “Veja como esses cristãos se amam uns aos outros.”

O amor fraternal não é um manto que se “veste” para convencer os incrédulos, mas uma qualidade que brota naturalmente de um coração disposto.

Autor desconhecido
Recebido por e-mail

Sobre o autor

André

André

Cristão, casado, pai, trabalhador. Leva a sério a palavra de Deus e isto muitas vezes o faz não ser bem visto. Ama escrever, por isso, sempre que pode, o faz.

Deixe um comentário