Por que Deus criou a humanidade?

Eu sempre me perguntei o motivo de Deus ter criado a humanidade. Será que Ele é um Deus egocêntrico, que desejou nos criar unicamente para ser adorado? Será que é um Deus manipulador, que nos criou para controlar nossas vidas e decidir o futuro de cada pessoa conforme Ele bem entender?

Podem parecer dúvidas bobas, mas muitas pessoas fazem esse tipo de reflexão.

Na mensagem de hoje, vamos refletir sobre esta pergunta: por que Deus criou a humanidade?

Por que Deus criou a humanidade – Glória de Deus?

A resposta bíblica mais direta vamos encontrar em textos como esse:

“A todos os que são chamados pelo meu nome, e os que criei para a minha glória: eu os formei, e também eu os fiz.”

Isaías 43:7

Aqui em Isaías vemos que Deus nos criou para que Ele fosse glorificado. Deus, sendo perfeito em todos os aspectos do Seu ser, nos criou para que Sua glória fosse exaltada.

O apóstolo Paulo reforça um pouco este entendimento:

“O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem.”

1 Coríntios 11:7

Sem entrar na questão de gênero, que para essa pergunta não se faz importante, notamos aqui Paulo falando que a humanidade toda foi criada para ser a glória de Deus.

Este entendimento está correto e é bíblico. Deus nos criou para que a glória dEle fosse manifesta.

Isso nos faz entender que, tudo o que fazemos, deve ser, foi planejado para ser, é nosso propósito que seja, para a glória de Deus. Tudo deve apontar para a glória de Deus.

John Piper tem um sermão inteiro sobre esse assunto, que vale a pena assistir.

Como Deus fez isso ao longo da história?

Entender que fomos criados para que a glória de Deus se manifeste é imprescindível. Contudo, na minha opinião, se entendermos apenas isso sem olharmos para como Deus fez isso ao longo da história, podemos cair em algumas ciladas de interpretação.

Vamos olhar para um resumo muito breve da Palavra para entender como Deus fez e faz para que a sua glória se manifeste através da criação.

Em Gênesis vemos que Deus criou tudo o que existe e fez o homem à sua imagem e semelhança. Vemos também que Ele tinha comunhão com a humanidade:

“E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim.”

Gênesis 3:8

Deus tinha um nível de relacionamento pessoal com Adão e Eva, que Lhe permitia encontrar com Eles pessoalmente.

Veio a queda, Adão e Eva pecam, saem do Jardim e da presença de Deus. A humanidade cresce, se perde em muitos pecados e se distancia da glória de Deus e de um relacionamento com o Criador.

Vemos então que Deus encontra em Noé um homem justo, com o qual Ele mantém um outro nível de comunhão, direcionando, guiando e protegendo. Através de Noé Deus recria a humanidade.

“Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração. E disse o Senhor: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito. Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor.”

Gênesis 6:6-8

O tempo se passa e, novamente, a humanidade se perde em pecados e se distancia novamente do Criador, do relacionamento com Deus. Neste momento Deus já havia feito uma aliança com Noé, dizendo que não mais destruiria o mundo com águas.

Então, através de Abrão, Deus escolhe um povo para ser seu, para salvar no meio de um mundo contaminado pelo pecado.

“Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.”

Gênesis 12:1,2

Abrão se torna Abraão, nasce Isaque, que gera Jacó, que inicia a geração das 12 tribos de Israel. Esse povo, chamado de povo de Deus, acaba preso no Egito e o Senhor levanta Moisés para libertá-los da escravidão.

Deus liberta o povo com grandes milagres e se inicia a peregrinação para a terra prometida. Deus dá a lei para que o povo siga e possa ser santificado e, durante a peregrinação no deserto, o SENHOR continua abençoando o povo de diversas maneiras, os livrando e atendendo seus pedidos. Mas o povo de Israel se desvia diversas vezes dessa lei e sofre as consequências disso.

Após entrarem na terra prometida, sem conseguir remover de lá todos os outros povos, Israel começa a se envolver em diversos pecados e idolatrias vindas de outras nações. Deus levanta juízes para alertar o povo de seus pecados e trazê-los de volta para caminharem com Deus.

Esse povo escolhido por Deus continua enfrentando vários problemas por se desviarem da lei. Eles pedem a Deus por um rei e uma série de reis se levantam para governar o povo. Dentre eles se destaca Davi, em quem Deus encontra um coração bom e com quem faz uma aliança.

O reinado permanece por muito tempo na linhagem de Davi, porém muitos desses reis se contaminam com o pecado e, novamente, o povo se desvia completamente dos planos de Deus. O povo é escravizado algumas vezes, e sofre as consequências de se desviarem da lei do SENHOR.

Então Deus levanta profetas para alertar o povo a retornarem para os caminhos de Deus. Grandes profetas são usados por Deus para isso, para que o povo voltasse a ter comunhão com o Criador.

Após muitos séculos de problemas, escravidão e de um povo infiel a Deus, Ele envia o messias, Jesus Cristo. Cristo segue a lei, ensina, faz milagres, cura, expulsa demônios e prepara algumas pessoas para continuar o trabalho de pregar a salvação que está disponível para todos.

Muitos do próprio povo de Deus não entendem quem é Jesus e o crucificam. Cristo entrega sua vida voluntariamente para morrer na cruz, pagando o preço de todos os pecados da humanidade por toda a eternidade. Na Cruz, Jesus cumpre toda a lei, nos livrando do peso do pecado que carregávamos e nos dando acesso direto ao Pai.

A comunhão com Deus, perdida em Adão, é restabelecida na cruz de Cristo.

Cristo ressuscita dos mortos, aparece aos seus discípulos e a diversas outras pessoas, deixa o Espírito Santo com os seus discípulos e ascende aos céus para voltar a reinar.

Através do Espírito Santo, os cristão pregam com poder e ousadia, convertendo milhões de pessoas ao longo da história e levando salvação não apenas ao povo de Israel, mas a todos os povos, de todas as nações. Agora todos estão sendo chamados para serem o povo de Deus.

O amor de Deus por nós

Note que, ao longo de toda a história da Palavra, Deus deseja ter um relacionamento com a sua criação. Esse relacionamento visa justamente que a glória dEle se manifeste através de nós.

Porém, ao longo da história, a humanidade caiu e se desviou diversas e diversas vezes. Com uma série sem fim de atos de amor, Deus vai guiando o seu povo para que, no final, Cristo salve a todas as pessoas.

Tudo foi feito por Deus, nós não tivemos que fazer nada. Ele demonstrou amor em todo o tempo, mesmo que nós não merecêssemos, mesmo que nós nos desviássemos incessantemente. Ele nos amou até o fim e continua nos amando. No ápice da manifestação da glória de Deus, na Cruz de Cristo, temos também o ápice do amor de Deus por nós.

A glória de Deus se manifesta através do amor dEle por nós. Deus criou a humanidade para nos amar e, através desse amor sem fim, manifestar a sua glória.

O fim de toda a criação, o objetivo maior de tudo o que foi criado, é a manifestação da glória de Deus. Deus faz isso através do Seu inifinito amor por nós.

E como isso se aplica em minha vida?

Essa verdade traz diversas consequências práticas para nossas vidas. Vou focar em uma delas que é: nós precisamos manifestar a glória de Deus.

A questão é: como manifestar a glória de Deus se a própria história da humanidade e a Palavra nos mostram que somos incapazes disso?

A resposta para essa pergunta também está na Palavra: como é que os homens e mulheres da bíblia fizeram para manifestar a glória de Deus? Através de entrega total.

Noé obedeceu em tudo e Abraão estava pronto para entregar seu próprio filho. Moisés enfrentou obedeceu, enfrentando o homem mais poderoso de sua época. Davi foi um homem segundo o coração de Deus, obediente e submisso. Os profetas, em sua maioria, ouviram a Deus e, em obediência, guiaram o povo de volta aos caminhos de Deus.

Note que nenhuma dessas pessoas foi perfeita, mas entregaram suas vidas em submissão e obediência ao SENHOR. Isso fez com que, em certa medida, a vida deles manifestasse a glória de Deus. Deus não pede que sejamos perfeitos, Ele nos conhece, sabe que é impossível. Ele nos pede que nos entreguemos totalmente, em submissão.

Deus nos ama. Criou tudo o que existe para que, através do Seu amor por nós, Sua glória se manifestasse. Por isso devemos nos render em submissão completa ao Senhor.

Deixe um comentário