Estudo do evangelho de João 2

No segundo capítulo do evangelho de João temos 3 assuntos principais.

  • O primeiro sinal de Cristo: transformação da água em vinho
  • A purificação do templo
  • Jesus anuncia a sua morte

Pretendo fazer um comentário breve de cada um destes tópicos.

Transformação da água em vinho

O primeiro sinal de Jesus que João descreve é o a transformação da água em vinho num casamento em Caná. Alguns teólogos acreditam, dado o cenário, que era um casamento de alguém próximo à família de Jesus, uma vez que aquela região não era rica e os convidados não poderiam ser muitos. Não temos muita base para validar ou não essa inferência, então deixo aqui apenas como informação.

É interessante o diálogo de Jesus e Maria: Maria informa a Jesus que eles não tinham mais vinho na festa, o que muitos consideram que era uma vergonha para a família que estava dando a festa, e Jesus diz para a mãe que isso não tinha a ver com eles e que a hora dele ainda não era chegada.

Nos versículos seguintes ela informa aos serventes que eles deveriam fazer tudo o que Jesus mandasse. Jesus então pede que eles encham as talhas com água.

Alguns pontos interessantes aqui:

  1. Maria parecia ter algum tipo de autoridade sobre os serventes. Isso pode realmente significar que ela era próxima da família que estava dando a festa.
  2. Jesus se dirige à mãe dele da mesma forma que o faz em João 19:26, quando apresenta João como “filho” para Maria. Isso me diz que Ele não foi indelicado com a mãe dele aqui neste versículo. Alguns teólogos acreditam que a melhor tradução teria sido: “o que nós temos com isso”, falando do problema da falta de vinho.
  3. Maria parece não dar ouvidos para o Jesus diz e pede que os serventes obedeçam a Ele.
  4. Após essa direção de Maria, Jesus atende ao pedido e faz o sinal.
  5. João afirma que este foi o primeiro sinal de Cristo em Caná da Galiléia.

Essa passagem é alvo de alguma discussão em relação à autoridade de Maria, que leva para extremos, onde algumas pessoas afirmam que Maria é mais importante que Cristo. Esse não é o meu entendimento da passagem e nem da Palavra como um todo. Maria morreu, Cristo está vivo. Não é necessária esse tipo de discussão.

Sinceramente creio que Jesus tenha se submetido à mãe dele aqui como filho natural. Não é por isso que deixa de mostrar que é o Cristo, o Filho de Deus para quem foi dada autoridade sobre todas as coisas. Então, neste primeiro sinal, Ele demonstra domínio sobre o mundo natural, transformando água em vinho.

O primeiro sinal de Cristo nos mostra que, no Reino, o mundo natural se submete ao Senhor. Ao mesmo tempo Ele nos dá uma lição de submissão aos nossos pais naturais. Mais uma vez, Cristo é perfeito no seu agir, completo em todos os sentidos.

O que eu aprendo com este texto é que eu devo confiar no Senhor, pois a Ele, todo o universo natural se submete.

A purificação do templo

Jesus então sobe de Caná para Cafarnaum, um trajeto de cerca de 30 kilômetros, talvez um pouco mais, não temos como saber qual foi o caminho exato que Jesus percorreu. Parece ser uma informação solta, mas vai ser importante para entendermos o todo.

Após isso eles descem para Jerusalém, um trajeto entre 130 e 200 kilômetros, dependendo do caminho feito, para a comemoração da páscoa. Vale lembrar que Jesus era judeu, então todos os anos Ele ia com sua família para Jerusalém para a comemoração.

Aqui é importante lembrar que a comemoração da páscoa celebrava a libertação do povo de Israel do domínio Egípcio. Na páscoa, um cordeiro era imolado para a purificação dos pecados da família, uma figura clara do que Jesus faria alguns anos mais tarde, entregando-se como cordeiro para a purificação dos nossos pecados.

Então Jesus chega no templo e encontra pessoas vendendo os animais para que fossem sacrificados para a remissão dos pecados. Aqui temos vários problemas que levaram Jesus a uma atitude mais intensa.

“E achou no templo os que vendiam bois, e ovelhas, e pombos, e os cambiadores assentados. E tendo feito um azorrague de cordéis, lançou todos fora do templo, também os bois e ovelhas; e espalhou o dinheiro dos cambiadores, e derribou as mesas; E disse aos que vendiam pombos: Tirai daqui estes, e não façais da casa de meu Pai casa de venda.”

João 2:14-16

O primeiro deles é que o cordeiro da remissão deveria ser uma oferta da pessoa para o Senhor. Conectando com o que vemos na oferta de Caim e Abel, aprendemos que Deus leva muito a sério essa questão. Em resumo: não podemos oferecer ao Senhor uma oferta qualquer, algo que não seja o nosso melhor. Foi por oferecer algo comum que a Caim e sua oferta não foram aceitos. É por esse motivo que encontramos, na primeira páscoa, esta direção de Deus:

“O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras.”

Êxodo 12:5

Deus queria, como oferta, algo que fosse o melhor do seu povo. Quando Jesus encontra estas pessoas no templo vendendo o que outras pessoas dariam como oferta, ele expulsa os vendedores.

Precisamos entender que nossas ofertas devem ser sempre do nosso melhor. Não podemos fazer as nossas ofertas de qualquer maneira.

O segundo problema encontrado aqui é a falta de cuidado com o sagrado, note como Jesus chama o templo de “a casa de meu Pai”. O momento da páscoa era um momento de celebração e de remissão de pecados, um momento de santificação. Não era um momento qualquer. Quando tratamos o que é sagrado com descuido, estamos cometendo um erro grave.

Hoje, infelizmente, muitas pessoas tratam o corpo de Cristo, a união dos irmãos, a igreja, como algo qualquer, como algo que pode ser descartado ou que não necessita de cuidado. Igreja é coisa séria, estamos falando do corpo de Cristo, não de um clube de amigos.

Jesus anuncia sua morte e ressurreição

“Responderam, pois, os judeus, e disseram-lhe: Que sinal nos mostras para fazeres isto? Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei.”

João 2:18,19

Mesmo sem deixar muito claro, Jesus aqui já estava anunciando a sua morte e ressurreição após 3 dias. Lembre-se que esse evangelho mostra o caráter divino de Cristo. Ao dizer isso, João está nos ensinando que Jesus já sabia tudo o que estaria por vir. Ele vai fazer a mesma coisa no versículo 25, quando diz:

“E não necessitava de que alguém testificasse do homem, porque ele bem sabia o que havia no homem.”

João 2:25

O Senhor conhece todas as coisas. Ele conhece o nosso coração e nossas intenções. Ele não se prende ao tempo e sabe o plano que tem para nós. Ele é perfeito.

Deixe um comentário