Estudo do Evangelho de João 15

O capítulo 15 do evangelho de João continua relatando o discurso de Cristo na ceia com os discípulos. Aqui veremos alguns ensinamentos importantes para aqueles que seriam a base da igreja primitiva e para nós, até hoje.

Alguns assuntos tratados por Jesus neste capítulo:

  • Ele é a videira e nós somos os ramos (1-6)
  • Frutificar permancendo nele (7-11)
  • Somos amigos de Cristo (12-17)
  • O mundo odeia a Cristo (18-25)
  • A vinda do Consolador (26-27)

Existem diversos textos muito importantes neste capítulo, muitos ensinamentos que podemos extrair daqui. Vou me focar em apenas um deles e deixar um desafio para você no final.

O capítulo das condições

Este é um capítulo onde, além de algumas repetições, como vimos nos capítulos anteriores deste discurso, temos várias condições que Cristo lista. Estas condições nos ajudam a entender um pouco melhor a mensagem que Ele estava passando neste momento tão importante.

  • Se não estivermos nEle, não daremos fruto
  • Se não dermos frutos, somos lançados fora
  • Se a Palavra não estiver em nós, não seremos atendidos
  • Se guardamos os mandamentos, permanecemos no Seu amor
  • Se fizermos o que Ele manda, seremos seus amigos
  • Se o mundo nos odeia, odeia primeiro a Cristo
  • Se fôssemos do mundo, o mundo nos amaria
  • Se Cristo não tivesse vindo, o mundo não teria pecado

Jesus apresenta uma série de causas e efeitos relacionados por condições específicas. Delas a que mais me chama a atenção é a primeira e a relação que ela tem com o todo.

O fato é que, para darmos fruto, precisamos estar em Cristo. Isso nos traz alguns questionamentos:

1 – O que é estar em Cristo?

A própria Palavra nos responde isso neste mesmo capítulo:

“Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai, e permaneço no seu amor.”

João 15:10

Para estar em Cristo e permanecer nEle, precisamos guardar os mandamentos. Jesus reitera isso um pouco a frente:

“Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.”

João 15:14

Não existe como permanecer em Cristo sem fazermos aquilo que Ele nos manda. Isso nos leva a uma próxima pergunta:

2 – O que é que Ele nos manda?

Cristo também responde isso no próprio capítulo 15:

“O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.”

João 15:12

Claro que este não é o único mandamento que Ele deixou para seguirmos, mas é o que Ele cita neste contexto e deve nos fazer refletir. Cristo também disse, de maneira clara que devemos, antes de mais nada amar a Deus acima de todas as coisas (Mc 12:30). Porém, o próprio João relacionou o amor a Deus ao nosso amor ao próximo (1 João 4:20,21), ou seja, mesmo que Cristo esteja citando apenas uma parte dos dois mandamentos, Ele está falando do todo.

O mandamento que devemos seguir para permanecermos na videira é o de amar ao nosso próximo como Cristo nos amou e de amarmos a Deus acima de todas as coisas.

Isso nos leva à próxima pergunta:

3 – O que é esse amor que Cristo está falando sobre?

Novamente, a própria Palavra nos responde isso:

“Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.”

João 15:13

O padrão que Cristo está levantando aqui é o mesmo com o qual Ele nos amou, a ponto de dar a Sua vida por nós de maneira voluntária. O que Ele está nos mandando fazer é o mesmo que Ele fez por nós.

Aqui, entendo que Cristo está falando de maneira literal, mas também figurada sobre o assunto. Estar disposto a dar a vida por alguém fala também sobre não acharmos que a nossa vida é mais importante que a do próximo, que os nossos problemas são maiores ou mais urgentes que os do próximo. Muitas vezes eu mesmo entendi o meu problema como sendo maior que o problema das pessoas à minha volta. Às vezes eles realmente serão, outras vezes isso vai ser apenas egoísmo.

Amar às pessoas a ponto de entregar nossa vida, também fala sobre a ausência de julgamento. Quando Cristo morre na cruz por nós, não olhou para nossas falhas e pecados. Pelo contrário, Ele mesmo tomou sobre si a culpa de tudo o que nós fizemos. Se julgamos as pessoas que deveríamos amar, estamos distantes do padrão solicitado por Cristo. Entendo que, a verdade contida aqui nesta reflexão é que não devemos ficar remoendo os erros das pessoas, mas sim perdoar, sem julgá-las por erros do passado.

Por fim, isso também fala sobre unidade. Precisamos permanecer em unidade com o corpo de Cristo, amando cada uma das pessoas, não julgando ou criando barreiras entre nós. Sem amor, falhamos na unidade. Sem unidade, não seremos efetivos.

Por isso, a pergunta que fica aqui é: o que tem te impedido de amar às pessoas como Cristo nos amou? É importante meditarmos nisso, pois isso impede os nossos frutos.

O desafio

Existem vários ensinamentos que podemos extrair deste capítulo, vou deixar uma lista deles aqui, você vai escolher um deles e meditar um pouco mais sobre o assunto. Após fazer isso, você vai lá no vídeo do Youtube que publicamos sobre esse capítulo e deixar um comentário sobre qual foi a sua reflexão sobre esse ensinamento.

Escolha um dos assuntos abaixo para o seu desafio:

  • Somos ramos, não videira
  • Estamos limpos pela Palavra
  • Só damos fruto se estivermos na videira
  • Seremos atendidos se pedirmos qualquer coisa?
  • O nosso fruto glorifica a Deus
  • Qual fruto devemos dar?
  • Amigos, servos ou ambos?
  • O mundo nos odeia

Deus abençoe sua vida. Paz.

Deixe um comentário