Estudo de Provérbios 24

Continuando nosso estudo de Provérbios, chegamos no capítulo 24. Este é o último capítulo da parte que chamamos de “Os ditos dos sábios”.

Nesta parte, vemos alguns ensinamentos importantes.

O dia mal

Somos alertados diversas vezes na Palavra sobre o dia mal, sobre os revezes e problemsa que teremos na vida. Os sábios escreveram:

“Não armes ciladas contra a habitação do justo, ó ímpio, nem assoles o seu lugar de repouso, porque sete vezes cairá o justo, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal.”

Provérbios 24:15,16

O que este trecho quer dizer é o seguinte: os justos, aqueles que andam nos caminhos do Senhor, podem passar por problemas, mas o Senhor os levantará todas as vezes. Já o ímpio, aquele que não anda conforme a vontade de Deus, ficará abatido quando os problemas vierem.

Em Mateus 7, vemos Jesus falando exatamente sobre o mesmo assunto:

“Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.”

Mateus 7:24-27

O que devemos aprender aqui é que os problemas vão bater à nossa porta, cedo ou tarde. Para os que estão firmes no SENHOR a vitória é certa.

Deus conhece os corações e as intenções

Este ensinamento é fundamental para a vida da pessoa cristã: Deus nos conhece. Ele não conhece apenas o que mostramos para as pessoas, Ele conhece aquilo que não queremos mostrar, conhece nossos medos, nossos desejos ocultos, nossos pensamentos obscuros.

“Se tu deixares de livrar os que estão sendo levados para a morte, e aos que estão sendo levados para a matança; Se disseres: Eis que não o sabemos; porventura não o considerará aquele que pondera os corações? Não o saberá aquele que atenta para a tua alma? Não dará ele ao homem conforme a sua obra?”

Provérbios 24:11,12

Não existe nada que fique oculto ao conhecimento do SENHOR. Quando meditamos nessa verdade, somos tomados de um profundo sentimento de reverência e reconhecimento da soberania de Deus.

Preguiça

Novamente voltamos a ver ensinamentos ligados à preguiça no livro de Provérbios. Mesmo considerando que nem todos foram escritos pelo mesmo autor, vemos que este é um tema recorrente. Aprendi, ao longo do tempo, que quando um assunto aparece diversas vezes na Palavra, devemos prestar atenção nele.

Dos provérbios deste capítulo que falam sobre preguiça, o que chama mais a atenção é:

“Um pouco a dormir, um pouco a cochilar; outro pouco deitado de mãos cruzadas, para dormir, assim te sobrevirá a tua pobreza como um vagabundo, e a tua necessidade como um homem armado.”

Provérbios 24:33,34

Vemos isso diversas vezes ao longo do livro de Provérbios (6:6, 10:4, por exemplo).

Inveja do homem mal

Não posso falar por todas as pessoas mas, falando por mim, algumas vezes já desejei uma vida diferente. Já desejei ter mais conforto e menos procupações financeiras, já desejei morar num lugar diferente, conhecer pessoas diferentes. Já desejei aquilo que o ímpio vive.

O que quero dizer é que, às vezes, parece que a vida do ímpio é “melhor” que a nossa. Mas a palavra nos adverte:

“Não tenhas inveja dos homens malignos, nem desejes estar com eles.”

Provérbios 24:1

Quando leio isso me lembro que um dia eu já fui uma dessas pessoas e eu sei o que eu vivi. Lembro-me das pessoas “de sucesso” que eu conheci e as angústias de cada uma delas. Lembro-me muito bem inclusive das minhas angústias.

É aí que entendo o que está escrito no primeiro versículo deste capítulo. Essa inveja do homem mal não é fundamentada na verdade, mas na aparência de algo que não é real.

O que vemos, o que as pessoas transparecem é muito diferente da realidade. Enquanto que, para as pessoas que andam com Cristo, temos a transparência de admitir que a vida não é perfeita e que as dificuldades aparecem, mas que a vitória é certa.

A garantia da eternidade com Jesus é a certeza da vitória final.

Paz.

Deixe um comentário