Estudo de Eclesiastes 4

Eclesiastes 4 é um capítulo onde podemos aprender diversos ensinamentos importantes.

Destes, quero destacar dois. O primeiro fala sobre a questão da injustiça, e o segundo fala sobre o poder da unidade.

Uma nota antes

Vale lembrar que este é um livro onde o pregador parece estar se fazendo perguntas para chegar às suas conclusões. Como sempre acontece na Palavra, não podemos ignorar o contexto na interpretação que fazemos. Por exemplo, se considerarmos o texto dos versículo 2 e 3:

“Por isso eu louvei os que já morreram, mais do que os que vivem ainda. E melhor que uns e outros é aquele que ainda não é; que não viu as más obras que se fazem debaixo do sol.”

Eclesiastes 4:2,3

Podemos interpretar que a vida é apenas fadiga e que a morte é a nossa esperança para nos livrarmos daqui. Porém, o próprio pregador vai rebater o seu argumento no capítulo 9, quando diz:

“Ora, para aquele que está entre os vivos há esperança (porque melhor é o cão vivo do que o leão morto). Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento.”

Eclesiastes 9:4,5

Note como este é um livro onde as conclusões não podem ser feitas de maneira precipitadas. Precisamos entendê-lo com calma e considerar a situação do pregador no entendimento do que Ele escreveu.

O mundo é um lugar injusto

No versículo 1 o pregador diz o seguinte:

“Depois voltei-me, e atentei para todas as opressões que se fazem debaixo do sol; e eis que vi as lágrimas dos que foram oprimidos e dos que não têm consolador, e a força estava do lado dos seus opressores; mas eles não tinham consolador.”

Eclesiastes 4:1

Parece-me que ele estava notando que o mundo é um lugar cheio de injustiças, onde muitas vezes os ímpios prevalecem e os justos perecem.

Vale lembrar aqui que, apesar do pregador estar fazendo reflexões um tanto quanto pessimistas, isso é um fato. Não existem promessas na Palavra de que nossa vida não terá problemas. Ao mesmo tempo que Cristo fala que aqueles que deixaram tudo para segui-lo receberão a recompensa aqui na terra (Mc 10:29), Ele também diz que teremos aflicões (João 16:33), assim como Paulo, após ser apedrejado, vai dizer algo muito similar (Atos 14:22).

Particularmente, eu não acredito nessa interpretação bíblica de que a nossa vida será feita apenas de vitórias e sucessos. Creio que todos nós teremos a vitória final e reinaremos com Cristo. Creio também que somos vitoriosos, pois Cristo venceu o mundo. Apenas não interpreto estes princípios como se isso significasse que não teremos problemas na vida.

Talvez o pregador aqui tenha percebido isso apenas no final de sua vida, quando tantos questionamentos lhe vieram à mente.

O pensamento que temos que ter aqui, de maneira resumida, é o de Cristo:

“Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.”

João 16:33

Isso resume tudo o que precisamos saber sobre esse pensamento do pregador.

O tal cordão de três dobras

Nos versos 9 a 12 temos o famoso texto do cordão de três dobras:

“Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa.”

Eclesiastes 4:9-12

Existem opiniões distintas sobre o que o pregador está querendo dizer com essa terceira dobra do cordão, se seria a Deus como selo da unidade ou se seria uma outra pessoa, no sentido de que 3 são melhores que dois.

O grande ensinamento aqui é de que nós não podemos andar sozinhos. Quando estamos sozinhos somos mais fracos, mais suscetíveis aos problemas e tristes. Veremos o mesmo ensinamento ao longo da Palavra, por exemplo no texto de Hebreus:

“Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia”

Hebreus 10:25

Precisamos tomar muito cuidado com o pensamento de que podemos andar sozinhos. Ao longo da minha experiência tenho visto que aquelas pessoas que se isolam, que se afastam da comunhão dos santos, ficam muito mais próximas do mundo, do erro e do pecado.

Talvez não tenha sido à toa que Jesus enviou seus discípulos para a missão de dois em dois:

“Chamou a si os doze, e começou a enviá-los a dois e dois, e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos;”

Marcos 6:7

Reflita sobre isso, ore e peça a direção do Espírito Santo.

Paz.

Deixe um comentário