Estudo de Romanos 13

Em Romanos 13 Paulo fala sobre a relação do cristão com a sociedade. Aqui ele dá direções claras sobre o nosso relacionamento com as autoridades e com o nosso próximo.

O capítulo se divide da seguinte forma:

  • Sujeição às autoridades (1 a 5)
  • O dever de amar (6 a 10)
  • Rejeitar as obras das trevas (11 a 14)

Vamos ver estes pontos em detalhes

Sujeição às autoridades

Paulo começa falando sobre como o cristão deve se sujeitar às autoridades:

“Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.”

Romanos 13:1,2

O que Paulo está nos ensinando aqui é sobre a importância das autoridades e nosso papel com elas. É um texto complexo de ser interpretado e é necessário que nos transportemos, mesmo que brevemente, para o contexto cultural no qual os destinatários da carta estavam inseridos.

Paulo estava escrevendo para os cristãos de Roma, numa época onde Nero já havia se tornado o imperador. Roma era uma mega cidade, com mais de um milhão de habitantes. A maior parte destes, escravos ou pessoas muito pobres, vivendo às margens da ostentação dos palácios romanos. Uma cidade chafurdada na lama do pecado, com governantes terríveis e extremamente desumanos. Nero matou opositores, esposas e a própria mãe.

Esse era um pouco do cenário no qual a igreja romana estava envolvida.

Para essa igreja Paulo escreve: “quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus”.

Em nenhum momento Paulo vai contra a própria Palavra ao pedir que os cristãos se sujeitem a autoridades como Nero. A partir do momento que a autoridade fosse contra a própria Palavra de Deus, a sujeição não seria necessária (Atos 4:19), porém, em tudo o que a autoridade não fosse contra a Palavra de Deus, a sujeição deveria se fazer presente.

Por qual motivo isso era necessário? Paulo explica:

“Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela. Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus e vingador para castigar o que faz o mal. Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência”

Romanos 13:3-5

A resposta é simples: obedeçam às autoridades sem desobedecer a Deus e vocês não terão problemas. Além disso, afirma ele, isso é uma questão de consciência.

O ponto de dificuldade na interpretação aqui é que Paulo afirma: “Queres tu, pois, não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela.”, porém ele mesmo foi perseguido pelas autoridades sem ter feito mal nenhum. Da mesma forma os cristãos romanos foram perseguidos poucos anos depois por Nero.

Paulo se enganou aqui? A Bíblia está errada? Claro que não.

O ponto principal de Paulo aqui é que, não importa o que aconteça, temos que ter uma consciência pura diante de Deus. Por regra, se fizermos o correto, não termos motivos para temer as autoridades humanas. Caso, mesmo quando fizermos o certo, as autoridades forem injustas, Deus assume a situação e se torna o juiz da causa.

“Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas.”

Colossenses 3:25

Então, mesmo aquelas pessoas estando diante de um governo tirano e corrupto, o que elas precisavam fazer, como cristãos, era obedecer. O único limite, era a própria Palavra de Deus. A mesma coisa vale para todos os cristãos.

O dever de amar

Paulo fala então sobre o nosso dever de amar as pessoas:

Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo. Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra. A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei.

Romanos 13:6-8

Nós somos devedores de amor. Não somos cobradores.

Muitas pessoas se posicionam de uma maneira a cobrarem amor das outras, assumindo que elas têm a obrigação de amá-la. Paulo nos ensina que nós somos devedores de amor, que nós precisamos amar as pessoas independentemente de quem sejam.

Lembre-se, aqui neste capítulo Paulo está falando da relação do cristão com a sociedade. Inicialmente ele fala sobre a nossa relação com o governo e com as autoridades, agora ele fala sobre como nós devemos nos posicionar em relação às pessoas que estão a nossa volta.

Em relação às autoridades, eles diz: obedeçam. Em relação às pessoas, ele diz: amem.

Nós devemos pagar nossos tributos, pagar nossos impostos, honrar nossas autoridades e amar às pessoas. O que Paulo afirma é que “quem ama aos outros cumpriu a lei”. Consegue perceber a intensidade de seu argumento?

Esse é um texto de aplicação muito direta para nossas vidas: precisamos amar as pessoas que estão as nossa volta, precisamos honrar nossas autoridades e cumprir nosso dever como cidadão.

Rejeitar as obras das trevas

Tudo indica que Paulo acreditava que Jesus voltaria ainda durante o tempo de sua vida. Algumas de suas instruções em suas cartas nos levam a entender isso. Nessa sua carta aos Romanos, Paulo diz:

“E isto digo, conhecendo o tempo, que é já hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está, agora, mais perto de nós do que quando aceitamos a fé. A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz.”

Romanos 13:11,12

O que ele está ensinando aqui é que o tempo da volta de Cristo está cada vez mais próximo. Por isso, não podemos nos inclinar para a carne, não podemos aceitar as obras das trevas, não podemos vacilar.

Precisamos ser constantes em Cristo, permanecendo nos caminhos do Senhor e rejeitar qualquer obra das trevas. Não podemos viver no pecado, não podemos deixar de amar, não podemos nos conformar com esse mundo e com sua maneira de pensar.

Este é um apelo para revermos tudo o que Paulo veio falando nessa carta aos Romanos e procurar como podemos aplicar nas nossas vidas, pois precisamos rejeitar as obras das trevas.


Comments

0 resposta para “Estudo de Romanos 13”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *