Estudo de Gênesis 21

No capítulo 21 de Gênesis vemos o nascimento de Isaque, Agar e Ismael saindo da casa de Abraão e o acordo que é feito entre Abimeleque e Abraão.

O capítulo está dividido da seguinte forma:

  • O nascimento de Isaque (1 a 7)
  • Agar e Ismael são expulsos da casa de Abrão (8 a 14)
  • Deus salva Agar e Ismael (15 a 21)
  • O acordo entre Abimeleque e Abraão (22 a 34)

Vamos ver alguns destes pontos.

O nascimento de Isaque

O capítulo começa com uma breve descrição do nascimento de Isaque:

“E o Senhor visitou a Sara, como tinha dito; e fez o Senhor a Sara como tinha falado. E concebeu Sara e deu a Abraão um filho na sua velhice, ao tempo determinado, que Deus lhe tinha dito.”

Gênesis 21:1,2

Finalmente o tempo de espera havia acabado. Abraão e Sara, na tempo da velhice do casal, tiveram um filho.

O que chama a atenção aqui é o reforço do termo “como tinha falado” ou “como tinha dito”. Apenas nestes dois versículos o termo aparece três vezes, mostrando, na minha opinião, que Deus cumpre a Sua promessa, de maneira integral.

Deus não é limitado para não cumprir o que prometeu quando as circunstâncias são adversas. Abraão e Sara receberam o cumprimento da promessa, no tempo determinado, mesmo já estando avançados em idade e ela sendo estéril. Deus não se limita ao que nos limita e não deixar de cumprir aquilo que disse que cumpriria.

O que temos que fazer é confiar nele, sabendo que Ele é fiel. Por isso lemos em Hebreus:

“retenhamos firmes a confissão da nossa esperança, porque fiel é o que prometeu.”

Hebreus 10:23

Apenas a título de curiosidade, Isaque significa “ele ri”, provavelmente demonstrando a alegria de receber o filho da promessa.

Agar e Ismael saem da casa de Abraão

Após dois ou três anos do nascimento de Isaque, vemos Ismael, já no fim da adolescência, zombar de seu irmão mais novo. Sara fica nervosa com isso e pede que Abraão expulse Agar e Ismael da casa deles.

Como isso não era o costume moral da época, ia contra o que Abraão acreditava e o deixava chateado pelo amor que tinha por Ismael, ele discorda da esposa:

“E pareceu esta palavra mui má aos olhos de Abraão, por causa de seu filho. Porém Deus disse a Abraão: Não te pareça mal aos teus olhos acerca do moço e acerca da tua serva; em tudo o que Sara te diz, ouve a sua voz; porque em Isaque será chamada a tua semente.”

Gênesis 21:11,12

Vemos aqui que é mais importante obedecermos a Deus do que ao que imaginamos ser o correto. Abraão não queria fazer isso, mas ouviu ao Senhor e obedeceu.

A mesma coisa vale para nós. Às vezes não queremos fazer algo, por qualquer motivo que for, mas Deus nos pede claramente que o façamos. Nesse momento, o que precisamos fazer é atender ao Senhor.

Além disso, esse texto tem uma relação muito clara com Gálatas 4:21-31, onde Paulo interpreta essa passagem aplicando-a à lei e à graça.

O apóstolo nos ensina que a lei escraviza, comparando-a com Ismael, o filho da escrava, enquanto a graça em Cristo nos liberta, comparando-a com Isaque, o filho da livre, o filho da promessa. Não podemos andar na liberdade da graça se ainda queremos carregar conosco a escravidão da lei. Não podemos viver pela fé se ainda crermos que são as obras da lei que nos justificam. Precisamos tirar de nós a tentativa de nos justificarmos pelas obras da lei para podermos viver justificados pela fé, na graça.

Pode parecer complicado de entender, mas é bem simples, na realidade. Ou cremos que somos justificados pela fé, e isso não vem de nós, é graça de Deus, ou cremos que somos justificados pelas obras, como se fosse um mérito nosso. Não podemos viver com os dois pensamentos. Paulo deixa muito claro que só somos justificados pela fé.

O acordo entre Abimeleque e Abraão

Por fim vemos o acordo que Abraão estabelece com Abimeleque:

“E aconteceu, naquele mesmo tempo, que Abimeleque, com Ficol, príncipe do seu exército, falou com Abraão, dizendo: Deus é contigo em tudo o que fazes; agora, pois, jura-me aqui por Deus que me não mentirás a mim, nem a meu filho, nem a meu neto; segundo a beneficência que te fiz, me farás a mim e à terra onde peregrinaste. E disse Abraão: Eu jurarei.”

Gênesis 21:22-24

Como Abimeleque havia sido muito bom com Abraão em sua última passagem por Gerar, entendeu que o patriarca aceitaria seu pedido de fazer um acordo mútuo. Abraão, sábio para manter bons relacionamentos mesmo com outros povos, aceita o acordo com a condição de garantir um poço num local estratégico para manter a saúde de seu gado. Um acordo onde os dois saíram ganhando e nada foi feito contra a vontade de Deus.

Muitas vezes Deus pode usar o ímpio para abençoar o justo. Isso aconteceu com Abraão uma séries de vezes até aqui.

Não estou dizendo, com isso, que Deus sempre vai fazer dessa forma. Vemos, ao longo da bíblia, várias tentativas fracassadas de acordos entre o povo de Deus e os outros povos. Não podemos usar esse texto como pretexto para fazermos qualquer tipo de organização com aqueles que não tem a mesma fé. Só estou dizendo que não podemos colocar Deus num cercadinho onde ele só está disponível para fazer as coisas de uma mesma forma.

Desafio do capítulo

O seu desafio para hoje é falar sobre qual foi o ponto da vida de Abraão que mais lhe chamou a atenção até aqui.

Paz.


❗ Você sabia? ❗

Existem formas de você aprender ainda mais sobre a palavra:

Deixe um comentário