Estudo de Gênesis 14

Gênesis 14 conta como Abrão resgatou Ló após esse ter sido levado cativo numa guerra dos reis de Sodoma e Gomorra contra outros reis. Veremos o que podemos aprender com esta história.

O capítulo apresenta os seguintes trechos:

  • Apresentação dos nove reis (1 a 3)
  • O início da guerra (4 a 10)
  • Ló é feito refém (11 e 12)
  • Abrão resgata Ló (13 a 17)
  • O encontro com Melquisedeque (18 a 20)
  • O acordo com o rei de Sodoma (21 a 24)

Vamos analisar alguns destes pontos.

A guerra e o resgate

O capítulo inicia mostrando uma guerra que acontece envolvendo nove reinados, entre eles, Sodoma e Gomorra, impactando diretamente Ló, sobrinho de Abrão.

É difícil explicar no detalhe quem eram esses reis e o que fizeram, uma vez que a Palavra apresenta poucos detalhes sobre eles. O fato é que isso não é importante para o contexto no qual o texto foi escrito. O mais importante aqui é o que Abrão faz e como isso impacta na vida do povo de Israel.

Ao ler Gênesis devemos sempre nos lembrar que o livro foi escrito com o propósito de contar a história do povo de Israel. Isso evita o erro de nos perdermos em detalhes que são desnecessários. Por exemplo, nesse caso, estes outros reis são menos importantes.

O que acontece é que os reinados que se rebelaram perdem a guerra e Ló acaba sendo levado cativo:

“E o vale de Sidim estava cheio de poços de betume; e fugiram os reis de Sodoma e de Gomorra e caíram ali; e os restantes fugiram para um monte. E tomaram toda a fazenda de Sodoma e de Gomorra e todo o seu mantimento e foram-se. Também tomaram a Ló, que habitava em Sodoma, filho do irmão de Abrão, e a sua fazenda e foram-se.”

Gênesis 14:10-12

Após isso vemos que Abrão se une com seus aliados, totalizando 318 homens, persegue os reis que haviam levado Ló cativo, vence a guerra e traz Ló, com tudo o que tinha, de volta para casa.

Analisando a história de Abrão e Ló, vemos que Ló sempre acabava causando algum tipo de trabalho para Abrão. Isso me ensina que, em nossos caminhos, vamos encontrar pessoas que precisam constantemente da nossa ajuda e que não aprendem com os próprios erros. Como agimos com essas pessoas, no final das contas, fala muito mais sobre nós do que sobre elas.

Melquisedeque

Após isso, vemos que Abrão dá o dízimo de tudo para Melquisedeque:

“E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e este era sacerdote do Deus Altíssimo. E abençoou-o e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo.”

Gênesis 14:18-20

Temos poucas informações sobre Melquisedeque, sabemos apenas que ele é lembrado pelo povo de Israel como alguém importante, com um sacerdócio eterno (cf Sl 110:4). No novo testamento ele é considerado um tipo de Cristo (cf Hb capítulos 5, 6 e 7). Teólogos, ao longo da história, divergem sobre quem é Melquisedeque.

De qualquer forma, um ponto interessante a se notar aqui é a diferença do tratamento que Melquisedeque dá para Abrão após ele vencer a guerra e o tratamento que o rei do Sodoma dá. Melquisedeque abençoa Abrão, enquanto o rei de Sodoma pede que Abrão devolva aquilo que conquistou de volta. Isso nos lembra claramente de um texto que lemos anteriormente:

“E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.”

Gênesis 12:3

A Palavra não deixa clara qual a benção recebida por Melquisedeque, mas vemos como ele é lembrado:

“Jurou o Senhor e não se arrependerá: Tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque.”

Salmos 110:4

Sobre o rei de Sodoma, sabemos como foi o fim de seu reinado, vamos estudar isso em Gênesis 19.

O acordo

Ao final do capítulo vemos o acordo feito entre Abrão e o rei de Sodoma:

“Abrão, porém, disse ao rei de Sodoma: Levantei minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra, e juro que, desde um fio até à correia dum sapato, não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu; para que não digas: Eu enriqueci a Abrão;”

Gênesis 14:22,23

Perceba a diferença entre como Abrão se relacionou com Sodoma e como Ló se relacionou. Ló se manteve perto, não tão incomodado com toda a perversão daquela cidade. Abrão não quis nem mesmo receber os despojos da guerra que havia vencido.

É como a nossa relação com o pecado: quando passamos a ver alguns comportamentos pecaminosos como aceitáveis em nossas vidas, vamos colher os frutos disso, como aconteceu com Ló. Quando nos afastamos destes comportamentos, estamos preservando a aliança que temos com Deus.

Um outro ponto aqui é que Abrão tinha certeza de que sua riqueza vinha do Senhor. Ele não queria atalhos, não queria se envolver com nada que não viesse do Senhor, mesmo que lhe trouxesse um benefício. Essa é a postura de uma pessoa transformada, que já não pensa mais como o mundo pensa.

Além disso, também vemos que Abrão não obrigou seus aliados a fazerem o mesmo que ele fez. Nós, como cristãos, muitas vezes queremos impor nossa maneira de pensar às pessoas. Abrão apenas deu o exemplo. Isso é uma inspiração para nós pois, na minha maneira de enxergar as coisas, impor uma maneira de pensar não deveria ser algo feito por nós. Devemos dar o exemplo e mostrar que existe um caminho melhor, uma maneira melhor de viver a vida e de se relacionar com Deus.

Note que aqui não estou entrando em nenhum mérito político ou nada do tipo, apenas analisando como Abrão se comportou em relação aos seus aliados e ao Rei de Sodoma.

Desafio do capítulo

Neste capítulo, seu desafio é comentar o que mais você aprendeu com este capítulo que não foi falado neste post.

Paz.


❗ Você sabia? ❗

Existem formas de você aprender ainda mais sobre a palavra:

Deixe um comentário