Mensagem

Dar o dízimo ou não?

Dar o dízimo ou não
Escrito por Leandro

Alguém andou dizendo, por esses dias, que não é necessário darmos o dízimo à igreja, pois o mesmo era uma ordenança apenas ao povo de Israel, sob a lei. Ué, e Abrão, que ofereceu o dízimo antes da lei ser dada por Deus a Moisés (Gn 14:18-20)? Será que ele errou em dar o dízimo dos despojos da guerra?

E que dizer então do próprio Senhor Jesus, que, mostrando aos fariseus sua hipocrisia, lhes mostra que é importante dizimar sem se esquecer da justiça, da misericórdia e da fé (Mt 23:23). E isso acontece muito na igreja…

Se o dízimo tem sido usado por falsos pastores para enriquecimento material, se tem sido usado de forma ilícita, para financiar programações televisivas de péssima qualidade, entre outros, pode ficar tranquilo. Esses terão que prestar contas a Deus pela má administração dos recursos voltados à obra do Senhor (2Pe 2:3).

Dizimar é devolver ao Senhor parte daquilo que Ele nos proporciona através do trabalho, da força e saúde que nos dá para ganharmos o nosso pão. Devemos dizimar sim, contribuir com alegria, e ficarmos atentos ao emprego dos recursos em nossas igrejas.

Se não houver o dízimo, ou as ofertas, como poderão ser mantidos os projetos sociais, de evangelismo, pastores integrais que cuidam da obra do Senhor, pessoas que são mantidas com a ajuda da igreja, muitas vezes. Os primeiros cristãos não só dizimavam, como iam além, muitas vezes compartilhando tudo o que tinham com a comunidade cristã.

O dízimo não é obrigatório, mas é sim uma demonstração de submissão, fé e gratidão a Deus.
Só devemos ter sabedoria, tanto ao dar como ao administrar o dinheiro, pois o fazemos diante de Deus.

Este texto apareceu primeiro lá no LHDBlog

Sobre o autor

Leandro

Leandro Dessart é um dos cristãos mais sérios que já passaram por este mundão de meu Deus. Infelizmente é próximo demais do editor do blog e acaba tendo seus textos roubados ocasionalmente.

81 Comentários

  • André, sabe por que Deus deu na lei de Moisés, o dízimo como produto agropecuário?Porque o dinheiro corrompe o homem!Em Malaquias, se voce ler com atenção, desde o capítulo 2, verá que se trata dos sacerdotes!e não do povo!Eles não estavam distribuindo os alimentos aos pobres, viúvas e estrangeiros…Por isso que hoje em dia se vê pastores construindo “megatemplos”andando com carros importados, morando em manssões, enriquecendo….enquanto o crente fiel empobrece!

  • Gostaria de solicitar do Escritor do texto inicial LEANDRO. Se ele depois de ler este ESTUDO de MATEUS. 23.23 tem a mesma posição do qual ele posta na pagina inicial.
    DÍZIMO – Mateus 23:23
    “Ai de vós,
    escribas e fariseus, hipócritas!
    Pois que dizimais a hortelã,
    o endro e o cominho,
    e desprezais o mais importante da lei,
    o juízo, a misericórdia e a fé;
    deveis, porém,
    fazer estas coisas,
    e não omitir aquelas.”.
    (Mateus 23:23).
    – Mais uma vez Jesus direciona palavras duras aos escribas e fariseus; chama-os de hipócritas! – Ele diz: “Vocês dão o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, mas DESPREZAM o mais IMPORTANTE da lei…”.
    – Veja bem: “Desprezam o mais importante da LEI!”. – Da LEI, amado (a). – Quando Jesus falou isto, a LEI ainda estava em vigor. – Observe o versículo abaixo:
    “Porque onde há testamento,
    é necessário que intervenha a morte do testador.
    Porque um testamento tem força onde houve morte;
    ou terá ele algum valor enquanto o testador vive?”.
    (Hebreus 09:16-17).
    – Quando Jesus dirigiu estas palavras para os FARISEUS, a LEI levítica dos dízimos ainda estava em vigor.
    – Como o escritor aos Hebreus deixa bem claro: “Onde há testamento, é necessário que morra o Testador, para que passe a ter valor!”. – Jesus, o Testador, ainda estava vivo amado (a).
    – O Novo Testamento (Graça), passou a ter validade somente depois da morte e ressurreição de Cristo Jesus. – A morte representa o fim da Antiga Aliança. – A ressurreição o início da Nova Aliança! – Com o fim da Antiga Aliança, a “adoração no templo” judaico foi substituída pela adoração a Cristo Jesus, nosso Salvador em Espírito e verdade!
    – Mas somente depois da morte do Testador!
    – Quando Jesus falou aos FARISEUS sobre o dízimo, o sacerdócio levítico ainda estava em vigor, o Testador ainda não tinha morrido:
    “Ai de vós,
    escribas e fariseus, hipócritas!
    Pois que dizimais a hortelã,
    o endro e o cominho,
    e desprezais o mais importante da lei,
    o juízo, a misericórdia e a fé;
    deveis, porém,
    fazer estas coisas,
    e não omitir aquelas.”.
    (Mateus 23:23).
    – Jesus não falou isto para seus discípulos, Ele falou para os ESCRIBAS e FARISEUS:
    “Ai de vós,
    escribas e fariseus, hipócritas…”.
    (Mateus 23:23).
    – Jesus não disse: “Ai de vós, meus discípulos!”. – Jesus disse: “Ai de vós, ESCRIBAS e FARISEUS!”. – Jesus se dirige àqueles que seguiam a lei de Moisés (escribas e fariseus), e não a seus discípulos (você e eu).
    – A Igreja de Jesus formada por seus discípulos, não segue a LEI judaica amado (a)! – Nós não somos judeus; somos de Cristo! – Quando Jesus disse que era necessário levar o dízimo e não omitir o principal da LEI, que é o amor, foi porque os levitas ainda estavam trabalhando no Templo, pois o Templo ainda não tinha sido destruído. – Jesus ainda não tinha sido crucificado, o véu do Templo ainda não tinha se rasgado de alto a baixo… – Todos ainda estavam debaixo da Lei!
    – O dízimo foi uma lei levítica que fazia parte das leis cerimoniais abolidas por Cristo na cruz. – Depois de Sua morte, não há mais a necessidade de um sacerdócio levítico, e se não há mais o sacerdócio levítico, também não há mais a necessidade da prática do dízimo. – A Escritura afirma que as leis de ordenanças nos serviram de aio ou tutor para nos conduzir a Cristo:
    “De maneira que a lei nos serviu de aio,
    para nos conduzir a Cristo,
    para que pela fé fôssemos justificados.
    Mas, depois que veio a fé,
    já não estamos debaixo de aio.
    Porque todos sois filhos de Deus
    pela fé em Cristo Jesus.
    Porque todos quantos fostes batizados em Cristo
    já vos revestistes de Cristo.”.
    (Gálatas 03:24-27).
    – Ela era apenas uma sombra do verdadeiro cordeiro que era Cristo:
    “PORQUE tendo a lei a sombra dos bens futuros,
    e não a imagem exata das coisas,
    nunca,
    pelos mesmos sacrifícios
    que continuamente se oferecem cada ano,
    pode aperfeiçoar os que a eles se chegam.”.
    (Hebreus 10:01).
    – Quando Cristo foi crucificado, tudo o que era ordenanças ou cerimoniais foi abolido na cruz. – O véu que separava o lugar Santo do lugar Santíssimo, rasgou-se de auto a baixo invalidando assim todo o ritual judaico:
    “E o véu do templo se rasgou em dois,
    de alto a baixo.”.
    (Marcos 15:38).
    – Hoje não precisamos mais circuncidar nossos filhos, não precisamos
    mais comer ervas amargas, nem sacrificar animais, porque Cristo foi o último cordeiro a ser sacrificado. – O sangue de Cristo uma vez por todas fez a expiação pelos nossos pecados.
    – E a pergunta que devemos fazer é: “Se nós não precisamos mais circuncidar nossos filhos, nem comer ervas amargas, nem sacrificar animais, porque devemos dar o dízimo?”. – A maior prova de que a LEI do dízimo foi abolida por Cristo na cruz, está na conversão do levita Barnabé:
    “Então José, cognominado pelos apóstolos,
    Barnabé (que, traduzido, é Filho da consolação),
    LEVITA, natural de Chipre,
    Possuindo uma herdade,
    vendeu-a, e trouxe o preço,
    e o depositou aos pés dos apóstolos.”.
    (Atos 04:36-37).
    – Barnabé era um LEVITA, vivia dos dízimos conforme a LEI determinava que vivessem os levitas. – Mas ao abraçar a fé no Cristo Jesus, vendeu sua propriedade e depositou o valor aos pés dos apóstolos. – Os apóstolos receberam o valor ofertado, porém, o valor era repartido entre àqueles que necessitavam de ajuda:
    “Não havia, pois,
    entre eles necessitado algum;
    porque todos os que possuíam herdades ou casas,
    vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido,
    e o depositavam aos pés dos apóstolos.
    E repartia-se a cada um,
    segundo a necessidade que cada um tinha.”.
    (Atos 04:34-35).
    – A denominação que você freqüenta faz isto? – A denominação religiosa reparte o dinheiro com aqueles que necessitam ou o dinheiro fica todo para o “pastor”?
    – Barnabé era um respeitado líder religioso. – Era um levita de nascença, um membro da tribo de Levi que desempenhava tarefas no Templo.
    – Abandonou tudo por amor de Cristo! – Largou seu emprego de levita e o conforto material que lhe proporcionava o recolhimento do dízimo, para viver de acordo com a Nova Aliança estabelecida por Cristo Jesus. – Por amor de Cristo nós também devemos largar tudo e segui-lo.
    – Infelizmente existem hoje “pastores” que ainda estão recebendo dízimo dos irmãos. – Estes “pastores” não são judeus, não são levitas, mas se beneficiam.
    Meu email. é: alonsocarrera@hotmail.com
    FIQUEM TODOS NA PAZ DO SENHOR JESUS CRISTO.

    • Olá Alonso, obrigado pelo cuidadoso comentário. Perdão por responder apenas hoje, seu comentário havia se perdido em meio a tantos outros que temos no blog.

      Deus abençoe sua vida.

  • A PAZ DO SENHOR A TODOS. Uma perguntinha BÁSICA mais que faria grande efeito no meio EVANGÉLICO E CRISTÃO. E também uma CURIOSIDADE nossa os CRISTÃOS. Quantos pastores ou líderes das inúmeras organizações religiosas denominacionais que existem e que são criadas semana após semana se disporiam a “trabalhar na obra”(sic) se não houvesse a imensa motivação derivada do DÍZIMO? Respondam PREGADORES, e até mesmo irmãos que defendem o FALSO DÍZIMO, como sendo A SALVAÇÃO DO MINISTÉRIO, SALVAÇÃO DA IGREJA, SALVAÇÃO DAS CONTAS, e muito mais. Vou aguardar para ver se haverá um PREGADOR atual que usa desta PRATICA que venha a público, dar a sua versão. DUVIDO. Meu email: alonsocarrera@hotmail.com

    • Olá Cesar. Obrigado pelo seu comentário.

      Porém preciso responder dizendo que conheço diversos pastores que ganham muito pouco para exercer a função. Estes mesmos pastores, certamente, ganhariam mais se seguissem uma carreira profissional.

      Logo, creio que não podemos julgar o todo por uma parte, mesmo que nos caiba algum julgamento, o que não é verdade.

      Continue participando do blog. Toda contribuição é importante.

      Deus abençoe sua vida.

      Paz.

Deixe um comentário